A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Lessons for the second lockdown from Melbourne
Photograph: Shutterstock / Time Out

O que esperar do novo confinamento, segundo uma cidade que já passou por isso

Para todas as cidades que estão a voltar a confinar, aqui está uma mensagem do futuro – cortesia de Melbourne, na Austrália.

Por
Rebecca Russo
Publicidade

Bom dia! Somos nós, Melbourne  – a movimentada e bela cidade da Austrália que passou por um dos mais longos segundos confinamentos do mundo. Olá! Como estão?

Ouvimos dizer que vão entrar em novo confinamento. Se fosse uma coisa amigável para se fazer em 2021, daríamos um abraço em solidariedade. Ninguém quer ficar preso novamente, e a pressão financeira sobre os negócios, juntamente com os desafios à saúde mental, provavelmente significam que a vossa cidade vai passar por um mau bocado durante algum tempo. Acreditem quando dizemos: nós entendemos.

Melbourne entrou em confinamento em Março de 2020, com o resto do mundo. As coisas pareciam relativamente bem depois de dois meses de quarentena – a Austrália como um todo conseguiu conter a propagação do vírus.

No final de Maio e início de Junho, ou o que gostamos de chamar de “entre tempos”, começámos a abrir novamente. Podíamos sair para passeios durante o dia, comer em restaurantes, ir ao cinema e receber convidados em casa. Foi agradável. As coisas pareciam estar a voltar ao normal.

No entanto, no final de Junho (no meio do Inverno australiano), o número de casos começou a aumentar. Em Julho, o estado de Victoria, onde fica Melbourne, voltou a ficar numa espécie de confinamento. Com o passar das semanas, os números de casos continuaram a aumentar, com o pior dia a chegar a 4 de Agosto, com 725 novos casos (Victoria tem uma população de cerca de 6,2 milhões de pessoas).

O uso de máscaras tornou-se obrigatório ao ar livre. Não podíamos viajar mais do que cinco quilómetros para fazer compras ou exercício físico. Só podíamos sair de casa uma hora por dia, com recolher obrigatório às 20.00. Só nos podíamos encontrar com uma pessoa de cada vez, no exterior, mantendo sempre uma distância de segurança. Foi desgastante, para dizer o mínimo.

O que deveria durar apenas seis semanas acabou por durar cerca de 100 dias. Apenas um caso foi registado, a 20 de Outubro, muito longe dos números de três dígitos que estávamos a viver em Agosto.

Não vamos fingir que este segundo e mais rígido confinamento foi fácil. Mas conseguimos superá-lo, e vocês também vão conseguir.

Aquilo que percebemos durante esse período foi que não devemos subestimar a força, compaixão e coragem necessárias para ser resiliente e adaptar-se a cada reviravolta que esta pandemia coloca no nosso caminho. É claro que ninguém quer passar por tudo isto uma segunda vez, mas há pequenas coisas às quais deve prestar atenção durante o segundo confinamento. E, acredite em nós, há uma luz ao fundo do túnel. Ainda é um pouco difícil de ver, mas está lá.

Aqui estão algumas coisas que provavelmente acontecerão durante o segundo confinamento na sua cidade:

1. As pessoas vão estar revoltadas

Protestos contra o confinamento, graffiti "plandémicos" e cabeleireiros que desafiam as regras foram todos parte integrante do segundo confinamento de Melbourne, pelo que é provável que terão de lidar com tudo isso também. Uma dica: evitar as secções de comentários nas redes sociais a todo o custo.

2. Vai-se lembrar de coisas que fez durante o primeiro confinamento e perguntar como é que alguma vez fez isso

O segundo confinamento não é nada como o primeiro. Quando entrámos em quarentena pela primeira vez, estávamos estranhamente animados e determinados a fazer o melhor possível de uma má situação. Comunicávamos constantemente, começámos a fazer massa fermentada e a organizar encontros de amigos no Zoom. Desta vez, o nosso optimismo ingénuo pelo futuro foi substituído por cinismo e uma exaustão do tamanho do mundo.

3. Vai ficar triste

Vai entrar neste segundo confinamento durante um Inverno frio e escuro. Também tínhamos isso. Por um lado, é realmente bom estar dentro de casa quando parece o Ártico lá fora. Mas, desta vez, vai parecer custar ainda mais não conseguir visitar família e amigos. Vai poder ficar deprimido. Vai perder a noção do tempo, esquecer coisas importantes no trabalho e, provavelmente, não terá energia para cozinhar, limpar, fazer exercício ou qualquer uma das mil coisas que fez durante a primeira quarentena. E como resultado...

4. Vai começar a ouvir muita música triste

‘You will start listening to a lot of sad music’ – Melbourne’s second lockdown
Photograph: Shutterstock / Time Out

Não digo que foi na hora certa, mas a Taylor Swift lançou um novo disco, Folklore, na semana em que Melbourne voltou a confinar, então chorar ao som de "Exile" foi uma experiência que pareceu unir-nos durante um período difícil. Não é preciso implorar à Sra. Swift para que lance outro disco desafiador do seu género durante o confinamento, mas talvez pudesse fazer uma petição para Ariana, JLo, ou Megan Thee Stallion largarem a pop e inclinarem-se mais para a melancolia. Realmente ajudou.

5. Encontros ao ar livre serão necessários, mas difíceis

Pode ficar realmente muito frio em Melbourne durante o Inverno. Mas suportamos tudo para ver os nossos amigos. Tivemos de nos limitar a encontros de apenas duas pessoas, disfarçados de "exercício" (nunca fiz tanta deambulação sem rumo na minha vida), mas fizemo-lo porque conversar com alguém pessoalmente é um sentimento mesmo muito bom.

6. Vai perceber como é importante falar com pessoas

Quando não consegue ver amigos ou família pessoalmente, manter o contacto é muito mais importante do que imagina. Faça mesmo um esforço para ligar à mãe. Fale com o seu vizinho. Agende um Zoom com o melhor amigo. Seja gentil com a pessoa à sua frente na fila do supermercado. Estamos todos a passar por um momento difícil, por isso não custa nada sermos gentis.

7. Vai perceber como é importante cuidar de si

A boa moda australiana é de rir sobre o quão louco o segundo confinamento foi, mas é normal que sinta sobrecarregado durante esse período. Aprendemos que é extremamente importante falar sobre como nos estamos a sentir e que há sempre alguém a quem recorrer – seja um amigo, um familiar ou um profissional. Vai ficar tudo bem, ainda que não o pareça.

8. As coisas vão ficar estranhas

‘Things are going to get weird’ – Melbourne’s second lockdown
Photograph: Shutterstock / Dave Hewison / Time Out

Pode pensar que já ficaram no primeiro confinamento, mas ainda vão ficar mais. Vai começar a falar com as plantas. Vai sonhar sobre esquecer-se da máscara em casa. Vai adoptar um cão só para ter companhia. Vai ficar viciado no TikTok. Vai ver todos os episódios de Emily em Paris sem ironia. Vai começar a fingir que as bananas são telefones (não falo por experiência própria, mas… fique atento aos sinais).

9. Vai ficar com inveja das cidades que não estão confinadas

Durante o segundo confinamento de Melbourne, Sydney voltou a abrir. Estava de volta à normalidade, juntamente com todas as outras cidades da Austrália – e isso foi horrível. Ver os nossos amigos (e colegas!) de volta aos bares, a fazer festas em casa, a visitar galerias de arte... vamos apenas dizer que algumas pessoas podem ter sido bloqueadas no Instagram. Mas não somos pessoas horríveis – ficamos felizes por eles! Eles conseguiram sair disto melhor do que nós.

No entanto, se der por si numa situação semelhante, certifique-se de que os seus amigos em liberdade sabem o que não dizer a alguém ainda confinado. "Como foi o fim-de-semana?" é um tema bastante sensível para quem passou o sábado com um ataque de pânico e o domingo a reorganizar os armários da cozinha pela quarta vez consecutiva.

10. As coisas vão ficar melhores

Ok, provavelmente adivinhou que diríamos isto. Mas é verdade – as coisas vão melhorar e vai ser capaz de voltar a uma espécie de normalidade. Só tem de conseguir superar este período difícil.

A minha sugestão? Dance tudo cá para fora. Sucumba aos guilty pleasures da televisão. Ligue para a sua avó e ouça-a reclamar dos animais de estimação do vizinho. Lembre-se sempre de ser gentil com os outros e do motivo pelo qual está a fazer isto: para que possa retornar à sua bela cidade e desfrutar do melhor que ela tem para oferecer. Força!

+ Novo confinamento geral: "A regra é ficar em casa"

+ Isto vai dar merda: este evento online quer falar sobre a pandemia

+ Leia já, grátis, a edição digital da revista Time Out Portugal desta semana

Últimas notícias

    Publicidade