Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right O Rossio na Betesga #14: as cotas de Filipe Folque
Notícias / Vida urbana

O Rossio na Betesga #14: as cotas de Filipe Folque

Rua da Escola Politécnica
© Inês Félix Rua da Escola Politécnica

Sabe a que altitude fica a Rua Cor-de-rosa, no Cais do Sodré? Ou a Rua da Escola Politécnica?  É ler as placas.

Em diversas esquinas de Lisboa encontramos estas chapas, cravadas a três metros de altura, que nos dão a cota daquele ponto da rua em relação ao nível médio das águas do mar. Em 1856 o militar e matemático Filipe Folque dá início aos trabalhos de triangulação necessários para desenhar a Carta Topográfica de Lisboa, um documento de enorme importância, já que é essencial conhecer as cotas de nível para levar a cabo tarefas de obras públicas como o alinhamento de ruas e encanamento de água.

Rua Nova do Carvalho placas Filipe Folque

 

Rua Nova do Carvalho
© Inês Félix

 

Folque pede depois a Fontes Pereira de Melo que mande fundir mil chapas com as cotas de nível gravadas e que as mande chumbar nas esquinas assinaladas na Carta. Entre as que sobreviveram até aos dias de hoje, a cota mais baixa que conhecemos está na Rua Nova do Carvalho (6,5 m) e a mais alta na Travessa de Cima dos Quartéis, em Campo de Ourique (102,7 m).

 

 

Travessa de Cima dos Quartéis
© Duarte Drago

 

Mas é bem possível que haja placas que batem estes recordes. Fica o desafio.

+ O Rossio na Betesga #13: um obnóxio nome

+ O Rossio na Betesga #12: o Valmor que foi com as couves

  

Publicidade
Publicidade

Comentários

0 comments