Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Onde param as motas: o novo mapa de estacionamento
Notícias / Vida urbana

Onde param as motas: o novo mapa de estacionamento

tiago peralta
Fotografia: Inês Félix Tiago Peralta na Avenida da Liberdade

Lisboa tem uma plataforma onde todos podem assinalar os lugares de estacionamento de motas no concelho. Estacionámos à conversa com o geógrafo responsável.

Confrontado com a falta de estacionamento para o crescente número de motas a circular na cidade, Tiago Peralta partiu para uma tese de mestrado na área dos Sistemas de Informação Geográfica. E foi daí que acelerou para uma plataforma colaborativa de estacionamento de motociclos em Lisboa – que também é um género de serviço público. Um work in progress que vai contando com a ajuda da comunidade motoqueira alfacinha. Foi para atenuar as dores da busca pelo lugar perfeito (ou só legal, pronto) que Tiago Peralta se lançou neste projecto, do qual não tira qualquer tipo de dividendo. Ou melhor, tira, porque o geógrafo passeia-se pela cidade numa robusta Honda NC700 – e deixá-la em cima dos passeios não é opção. “Em Lisboa é muito difícil estacionar. Mas para eu ter mais mobilidade não vou dificultar a mobilidade dos outros”, defende, acrescentando que a plataforma é um bom incentivo para um estacionamento dentro da linha.

A consulta e utilização do mapa online é totalmente gratuita e, como explica Tiago, “a plataforma permite que os utilizadores coloquem novos locais de estacionamento num mapa que conta já com centenas de paragens”. Além disso, é possível sugerir novos locais para implementação de estacionamento ou fazer comentários, de forma a tornar a plataforma o mais eficiente possível. Por outro lado, continua Tiago, “permite fazer várias análises geoespaciais, como a obtenção de direcções para um parque de estacionamento específico ou a procura de parques tendo em conta o nome da rua ou um raio de distância relativamente a uma localização” (por exemplo: parques de estacionamento a 300 metros do Marquês de Pombal). A ideia foi buscar inspiração a plataformas estrangeiras semelhantes, como uma britânica com lojas de reparação de motas. Apesar de o projecto já estar online desde Fevereiro (nessa altura para um grupo restrito de pessoas) é ainda um protótipo em desenvolvimento. A ideia final, segundo Tiago, será “criar uma aplicação a sério e começar a crescer para outros concelhos”. “Não fiz uma tese que vai ficar na gaveta. É útil e algo que devia ser repetido noutros locais”, deseja Tiago, que até já tem recebido pedidos para levar o projecto para o Porto. Numa altura em que se fala tanto de ambiente (em 2020 seremos a capital verde europeia), o geógrafo sabe bem que esta não é a opção mais ecológica, mas acredita ser a melhor para as curvas do dia-a-dia. “A mota é mais poluente [do que as bicicletas], mas é mais rápida. Alguém que vem [para Lisboa] da periferia não consegue vir de bicicleta”, diz, sublinhando ainda que o aumento do preço das casas tem afastado as pessoas do concelho. O desafio está lançado e a navegação em duas rodas pode ajudar no crescimento e optimização desta plataforma que pode aceder através deste link.

+ Fertagus vai reduzir o número de lugares sentados nos comboios

+ As opções de mobilidade urbana para passeios amigos do ambiente em Lisboa

Publicidade
Publicidade