A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
PichiAvo, Underdogs
DR

Os clássicos já não são o que eram. Grafitti e escultura greco-romana encontram-se na Underdogs

"Used to Be" inaugura esta sexta-feira na galeria Underdogs. Nela, os espanhóis PichiAvo voltam a juntar a escultura clássica, fundadora das Belas-Artes, com o graffiti onde deram os primeiros passos.

Escrito por
Mauro Gonçalves
Publicidade

Os clássicos já não são o que eram, pelo menos nas mãos de PichiAvo, dupla de artistas espanhóis que na última década construíram um universo estético próprio e inequívoco. "Used to Be", exposição que inauguram esta sexta-feira na galeria Underdogs, volta a trazer a Lisboa (depois de uma primeira exposição a solo em 2018) o exercício que melhor os define – a mistura da escultura clássica, canónica e perfeita em linhas e proporções, com o graffiti, manifestação artística contemporânea e marginal na sua génese.

"Foi uma mistura que surgiu de forma natural. Ambos somos apaixonados pela arte clássica e pelo graffiti, por isso foi uma simbiose que simplesmente aconteceu", refere Pichi, um dos artistas do duo de Valência, em conversa com a Time Out. À galeria de Alexandre Farto (aka Vhils), regressam como uma abordagem nova da linguagem que os diferencia – um transpor da arte pública para dentro de um espaço fechado através de fragmentos "arrancados" da parede e reenquadrados num novo cenário.

"Used to Be", PichiAvo
DR

"Basicamente, para esta exposição, quisemos dar um twist e trazer o muro exterior para dentro. Pôr o mural dentro da galeria e criar a sensação de estarmos perante um fragmento de parede", explica Avo. "É como se o espectador estivesse a ver um pedaço do mural que está na rua", completa Pichi. Arqueologia e património são referências igualmente convocadas, com as peças sugeridas enquanto achados arqueológicos, também eles trazidos para o interior da Underdogs.

Sobre o branco da estatuária greco-romana, a dupla aplica o traço e as cores berrantes do graffiti, criando camadas de informação dentro de cada peça. Quanto aos materiais, a exposição levou os artistas a explorar novas possibilidades. Se o pladour confere uma noção de tridimensionalidade às peças dispostas nas paredes da galeria, a pintura fotoluminescente permitiu criar obras que reagem à luz negra.

Used to Be, Underdogs
© Chris Costa

Conceito, técnicas e materiais têm sido trabalhados durante o último ano. Com murais espalhados pelo mundo (Europa, Estados Unidos, Brasil, Israel e Austrália), a dupla espanhola já passou algumas vezes por Portugal – além da exposição da Underdogs, deixou também um mural com 14 metros de altura na Estação de Santa Apolónia, uma passagem pelo Festival Iminente e ainda uma intervenção de 3000 metros quadrados no Porto, em colaboração com Vhils. Os PichiAvo repetem a dose agora, mas num mural que não está acessível ao público. Para lhe pôr a vista em cima, vai ser preciso estar atento às redes sociais dos artistas e da galeria lisboeta.

"Renascimento Street", de Onun Trigueiros

Mesmo ao lado, no espaço Cápsula da galeria, a exposição principal é complementada com o trabalho de Onun Trigueiros. "Renascimento Street" parte da azulejaria portuguesa, uma constante no trabalho do jovem artista português. "Já tinha o gosto pelo azulejo. A primeira vez que trabalhei esta estética foi numa obra que esteve no MAAT, no projecto Interferências. Mas ficou cá o bichinho", revela à Time Out.

Com o convite para expor na Underdogs, voltou a pôr as mãos na massa. O resultado é uma série de esboços de desenhos sobre papel, um painel de azulejos reais e um conjunto de painéis feitos em MDF. "Trabalho temáticas que me acompanham – cenas do quotidiano, pessoas. Mas esta exposição tem uma diferença, há um paralelo entre o clássico e actual. Enquanto os painéis antigos retratavam e enalteciam os acontecimentos, estes falam de situações do presente como eu as vejo. Substituí essa glorificação pela normalidade da minha vida", continua.

Renascimento Street, Underdogs
DR

"Cada selo é uma história, um momento, um desabafo, um riso, um choro. Quantas ideias cabem dentro de um selo?", questiona. Parte integrante do colectivo artístico Unidigrazz, fixado na Linha de Sintra, Onun Trigueiros volta a usar o branco e azul para dar forma a cenas que lhe são familiares – pessoas, lugares e experiências da periferia urbana. Aqui, pela primeira vez, o artista expõe a solo, enquanto prepara novos projectos com o colectivo.

Tal como a exposição "Used to Be", "Renascimento Street" terá uma visita guiada pela equipa de curadores da galeria no sábado, 12 de Novembro, às 16.00.

Galeria Underdogs, Rua Fernando Palha, 56 (Braço de Prata). 21 868 0462. Ter-Sáb 14.00-19.00. Até 30 Dez. Entrada livre

As melhores coisas para fazer em Lisboa este mês

Sintra assinala centenário de José Saramago com roteiros culturais

Últimas notícias

    Publicidade