A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Panda Bear & Sonic Boom
© Ian WitchellSonic Boom e Panda Bear

Panda Bear e Sonic Boom gravaram um disco juntos. E vamos ouvi-lo pela primeira vez em Lisboa

‘Reset’, o álbum colaborativo de dois dos mais famosos portugueses adoptivos, vai ser editado a 12 de Agosto. Mas vamos poder escutá-lo logo na sexta-feira, 29, no Cosmos.

Escrito por
Luís Filipe Rodrigues
Publicidade

Há uns meses, Pete Kember, ou Sonic Boom, dizia que “precisávamos de fazer um reset depois destes dois anos”. Dentro de nem um mês vamos tê-lo. O Reset de que se aqui se fala é um álbum colaborativo de Panda Bear e Sonic Boom, cúmplices musicais desde há mais de uma década e ambos portugueses adoptivos, gravado durante o pico da pandemia quase como um feitiço ou pelo um antídoto para combater a melancolia pandémica. O lançamento oficial está marcado para 12 de Agosto, mas vai ser possível ouvir o disco de uma ponta à outra na sexta, 29 de Julho, no Cosmos.

Não são só as canções de Reset que se vão escutar nesta listening party. As portas abrem às seis da tarde e só se vai parar de ouvir música à meia-noite. Eu e o Noah [Lennox, vulgo Panda Bear] convidámos a Lizatron, uma DJ russa que vive em Lisboa, o Idle Rich, um DJ inglês que também trabalha com ela, e o Ricardo Grüssl, que costuma parar no Cosmos, para passarem música connosco, partilha Sonic Boom. “Pedimos a cada um para escolher um álbum que fosse incrível de uma ponta à outra, e vamos deixar esses discos a tocar, enquanto as pessoas convivem.”

A ideia é cada um dos intervenientes passar o seu disco e, por fim, meter-se no gira-discos o Reset de Panda Bear e Sonic Boom, que será, quase de certeza, acompanhado pela exibição de vídeos inéditos. Será o ponto alto da noite. “Talvez. Ou pelo menos gostava que fosse. Mas não sei que discos é que os outros vão meter a tocar”, brinca Pete Kember. “O que posso é dizer-te que estou muito contente com o nosso disco. Já passei algumas músicas em festas [incluindo há uns meses, no Cosmos] e as canções fazem sucesso e estão à altura do resto do material.

“Vai ser porreiro, de certeza. Uma boa festa, que vai servir para angariar dinheiro para ajudar os responsáveis do Cosmos com o isolamento sonoro e outras reparações, para garantirmos que o espaço sobrevive”, continua o lendário músico britânico. “Acho que é um sítio incrível. Gosto da vibe e das pessoas. É bom haver sítios assim, onde dá para fazer coisas interessantes. Não só música, mas exposições de arte, o que calhar. Está-se lá bem, apenas a conviver e a conhecer pessoas.” 

Por agora, a festa de sexta-feira vai ser a única ocasião para ver Sonic Boom e Panda Bear juntos. A dupla vai partir em digressão à volta do mundo, mas as datas ainda não foram fechadas. Pete espera começar a tocar as novas canções ainda este ano, talvez perto de Novembro, quando o disco for editado em vinil. Mas ainda não há certezas. Ou melhor, há uma. “Os primeiros sítios onde vamos tocar vão ser em Portugal, isso é quase garantido. Em Lisboa e no Porto.” Cá os esperamos.

+ O MIL e músicos de todo o mundo voltam ao Cais do Sodré este ano

+ O Super Bock Super Rock este ano resume-se a um nome: C. Tangana

Últimas notícias

    Publicidade