A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Cantinho do Avillez Cascais
©Grupo José AvillezCantinho do Avillez Cascais

Restauração pede redução do IVA para 6%

Por
Ines Garcia
Publicidade

Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) fez a proposta para a redução temporária do IVA para 6% na restauração na sexta-feira, dia 8. O chef Ljubomir Stanisic reforçou o pedido no Instagram e campanha tornou-se viral.

Depois da proposta da AHRESP, que pede a aplicação da taxa reduzida de IVA de 6% nos serviços de alimentação e bebidas, Ljubomir Stanisic, mediático chef do 100 Maneiras, lançou um apelo online este domingo – chefs e proprietários de restaurantes pedem a redução do IVA até ao final de 2021 e a isenção da Taxa Social Única (TSU) até ao final de 2020. 

A mancha negra começou a ser partilhada às 18.00. O apelo é directo: “Precisamos de ajuda. Somos 240 mil pessoas na restauração em Portugal”. Na publicação inicial, Ljubomir Stanisic reforça: “Não queremos combater. Não nos queremos opor. Não queremos politizar. Não queremos ir contra a maré, antes ajudar a remar a favor dela. Queremos Ser. Queremos abrir.” 

Ver esta publicação no Instagram

Não queremos combater. Não nos queremos opor. Não queremos politizar. Não queremos ir contra a maré, antes ajudar a remar a favor dela. Queremos ser. Queremos abrir. Meter a chave à porta e rodá-la. Queremos produzir. Usar as facas não para lutar, mas para amanhar peixe, desmanchar carne, laminar vegetais. Queremos voltar a ouvir o tilintar dos copos, o roçar dos talheres nos pratos. Queremos voltar a colocar sorrisos nos olhos, esgares nas bocas. Virar o mundo do avesso sem sair do mesmo lugar. Queremos manter as mãos (e as nossas casas) limpas, mas as nossas mentes imundas com os sucos da vida, da criação. Queremos alimentar. A nós, aos nossos, aos outros. Alimentar o país, a economia, o índice de felicidade. Não queremos guerra, queremos festa. Mesmo que à distância, queremos abraçar com o olhar, beijar com sorrisos. Queremos superar a pandemia com a força da união. Queremos higienizar com o poder do amor. Confraternizar mesmo com os metros que nos separam. Somos pela vida! Queremos sobreviver. Mas, para isso, precisamos de ajuda! Somos 240.000 pessoas a viver da restauração em Portugal. Queremos voltar a receber. Pessoas, direitos e deveres. Dar e receber. Está na hora de receber. Porque nós daremos tudo a qualquer hora! Por favor.

Uma publicação partilhada por ljubostanisic (@ljubostanisic) a

José Avillez, João Rodrigues, Alexandre Silva, Leonel Pereira, António Galapito, José Júlio Vintém, Vítor Adão e Hugo Nascimento foram alguns dos chefs que partilharam o apelo. Pequenos cafés e restaurantes juntaram-se à causa.

O IVA da restauração está neste momentos nos 13%. Só a aplicação destas medidas ajudará a minimizar o impacto de dois meses de portas fechadas – os serviços de take-away e entregas ao domicílio que alguns restaurantes começaram não têm volume suficiente para ajudar a pagar contas.

À Time Out, Rui Sanches, director e fundador da Plateform, com 150 restaurantes em Portugal, explica que é necessário um apoio a longo prazo: “São necessários apoios com as rendas e contratos, tanto nos restaurantes de rua como de centros comerciais, incentivos a fundo perdido para auxiliar a tesouraria dos restaurantes, prolongamento dos períodos de lay-off durante o período de constrangimento da lotação dos restaurantes, um alívio da carga fiscal mediante revisão das taxas de IVA e um reforço das linhas de crédito de apoio à Economia COVID-19”.

A Direcção Geral de Saúde apresentou na última sexta-feira as normais oficiais para a reabertura dos restaurantes a partir de 18 de Maio – além da capacidade reduzida e da distância de dois metros entre clientes, todos os empregados terão de usar máscara. Serviços de self-service e buffet são desaconselhados.

+ Tudo o que já está aberto e o que vai reabrir em Lisboa

+ Time In: leia aqui a revista digital gratuita



Últimas notícias

    Publicidade