Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Santa Casa Alfama e os fadistas que fazem o fado

Santa Casa Alfama e os fadistas que fazem o fado

Ricardo Ribeiro
Duarte Drago Ricardo Ribeiro

Ana Moura e Ricardo Ribeiro são os grandes nomes de mais uma edição do festival Santa Casa Alfama. Não só encerram o palco principal, respectivamente na sexta-feira e no sábado, como programam um dos palcos secundários, na Sociedade Boa União, com os olhos postos no futuro.

A pensar nisso, lembrámo-nos de juntá-los para uma conversa sobre o fado, em geral, e o festival, em particular. Mas entre os dias passados em estúdio por Ana Moura, que se encontra a dar os últimos toques no seu próximo disco, com edição prevista para Novembro, e as merecidas férias de Ricardo Ribeiro, que editou o álbum Respeitosa Mente há uns meses, não foi possível falar com os dois ao mesmo tempo. Nessa altura, passou-se para o plano B: fazer as mesmas perguntas a ambos, separadamente, e ver como divergiam as respostas. Ou não.

O que é para vocês o fado?
Ana Moura: O fado para mim é a forma que me é mais natural de expressar aquilo que me vai na alma e expressar aquilo que sinto.
Ricardo Ribeiro: Fado é tudo o que acontece quando se ri ou se chora, quando se lembra ou se esquece, quando se odeia ou se adora.

Mas afinal quais são os elementos que não podem faltar a um fado?
RR: A autenticidade e humildade de quem o canta e toca e ainda o desprezo por tudo o que é vulgar.
AM: Na minha opinião, aquilo que diferencia o fado de outros géneros de música é a interpretação. Portanto, acho que aquilo que não pode faltar ao fado é a interpretação que se sente e se reconhece que é fadista. Seja de um músico, de um instrumentista, ou seja de um intérprete, de um cantor.

E até onde é que um fadista pode levar uma canção antes de ela deixar ser um fado?
AM: Como eu disse há pouco aquilo que diferencia um fado de outro género de música qualquer é a interpretação. Ou seja, eu entendo que um fadista que seja fadista de corpo e alma se estiver a cantar outra música também se sente que existe fado ali, mas se é um fado ou não, a própria música, eu isso prefiro deixar para os entendidos.
RR: O fado não faz o fadista, o fadista é que pode fazer o fado. Nada mais há de valoroso na arte do que o discernimento entre o que é vulgar e o que é importante.

Ao longo dos anos cantaram com várias pessoas sem qualquer ligação ao fado. Sentiram que, ainda assim, levaram algo do fado convosco para essas canções?
RR: Não é possível dissociar o fado de mim. Tal como a árvore não se liberta da raiz, assim eu não me liberto deste idioma que me afaga e expressa desde pequeno.
AM: O fado é indissociável daquilo que eu sou e daquilo que eu faço. Portanto, esteja eu a interpretar outros géneros de música, sinto sempre que há ali de uma forma ou de outra alguma alma fadista.

Sei que o Ricardo Ribeiro fez uma canção para o novo disco da Ana Moura. O que me pode dizer sobre essa canção?
RR: É uma canção melancólica com palavras da poetisa Fernanda de Castro. É uma canção que enaltece o valor do silêncio, e fico muito feliz que Ana lhe dê vida. 

Cantaram neste festival quando ainda se chamava Caixa Alfama. O que o distingue de outros festivais de música?
AM: Aquilo que o distingue é a temática ser o fado e os fadistas. Porque de facto não existe outro festival que celebre o fado desta forma.
RR: O sítio onde se realiza e a coragem de dois dias no ano se ouvir falar de fado e fadistas.

Programaram um dos palcos, cada um no seu dia. Porque escolheram aqueles artistas?
RR: Escolhi porque lhes encontrei valor. É o Palco Futuro e estes moços [José Geadas, Maria Passarinho e Tiago Correia] são para o futuro.
AM: Escolhi estas três fadistas porque as admiro. Duas delas [Beatriz Silva e Inês Pereira] são minhas afilhadas de fado e a terceira [Beatriz Felizardo] não é minha afilhada de fado, mas é da minha terra, de Coruche, de onde eu nasci, e quis proporcionar-lhe esta oportunidade.

+ Santa Casa Alfama: sete concertos a não perder

Publicidade
Publicidade

Latest news