A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Teatro do Silêncio
©Joana LindaCaminhada pela Fronteira de Lisboa

Teatro do Silêncio organiza percursos performativos pelas fronteiras da cidade

O Teatro do Silêncio anda a relevar os limites da cidade através de uma série de percursos performativos. ‘Caminhada pela Fronteira de Lisboa’ integra a agenda do TBA.

Escrito por
Renata Lima Lobo
Publicidade

O Teatro do Silêncio, fundado em 2004 por Maria Gil, ocupa o Lavadouro Público de Carnide há dez anos. Um espaço que durante a semana funciona como lavadouro comunitário e aos fins-de-semana como espaço cultural, onde são apresentadas performances, instalações ou concertos. Numa parceria com o TBA, o Teatro do Silêncio afasta-se desta sua casa para tornar visíveis as fronteiras de Lisboa, através de uma série de “provocações artísticas que se focam nos processos de formação, alteração e gestão das fronteiras por parte das comunidades e agentes de poder”.

A ferramenta metodológica será o corpo, “indispensável para estas quatro caminhadas”. A primeira que já decorreu entre Algés e Pontinha (no passado sábado, dia 11 de Setembro) e à qual se seguirão, sempre aos sábados, os percursos entre Pontinha e Charneca do Lumiar (25 de Setembro), Prior Velho e Terreiro do Paço (2 de Outubro) e Terreiro do Paço e Algés (16 de Outubro).

A realização de obras de carácter experimental é uma das características do trabalho transdisciplinar desenvolvido pelo Teatro do Silêncio, muitas vezes em espaços não convencionais. Neste caso, pelos limites da cidade. “As fronteiras e os limites são conceitos abstractos que têm impacto no território e esse impacto é visível quando caminhamos nestes lugares. A cidade vai-se revelando, complexa, intensa, e as questões urgentes como a sustentabilidade, a mobilidade, as alterações climáticas, a justiça social são materializadas enquanto caminhamos”, descreve Maria Gil. É uma caminhada intensa, mas não é desporto, antes, uma forma de cada um de nós poder participar, começando por ver, passar, andar, subir, descer... ‘Quando vemos, ficamos responsáveis’, escreveu Arundhati Roy.”

Teatro do Silêncio
©Joana LindaCaminhada pela Fronteira de Lisboa

Ao longo destes percursos, é possível sentir “sentir os diferentes ritmos da cidade e como esses ritmos ecoam nos nossos corpos” e a cada paragem acontecem partilhas de práticas artísticas e também corporais. Por exemplo, a 25 de Setembro, a bailarina Catarina Câmara sugere exercícios de chi kung, uma arte milenar chinesa, incluindo alongamentos e exercícios de respiração terapêuticos. E a 2 de Outubro a artista Susana Guardado partilha práticas respiratórias e meditativas associadas ao yoga. No último percurso, a 16 de Outubro, Joana Pupo – atriz, criadora e investigadora do movimento – ensina exercícios inspirados na técnica de viewpoints, utilizada no teatro e na improvisação, que trabalha a relação do personagem com o tempo, o espaço ou as emoções.

Ao longo de todos os percursos, Maria Gil lança provocações, “que se focam nos processos de formação, alteração e gestão de fronteiras por parte das comunidades e agentes de poder”. “O limite é uma linha divisória, mas estas caminhadas permitem-nos pensar pelo meio, cruzar fronteiras internas entre múltiplos ambientes e múltiplos contextos. É caminhar na transição”, conclui a directora artística.

Todas as caminhadas têm início às 10.00, uma duração de cinco horas cada e distâncias entre os nove e os 13 quilómetros, com graus de dificuldade entre o fácil e o moderado. O preço por caminhada é de apenas 3€ e os bilhetes podem ser adquiridos online, no site do TBA, onde encontra mais informações sobre os prazos de inscrição.

+ Livro nasce ‘Paredes Meias’ com um logradouro do bairro de Alvalade

+ Out.Fest regressa em Outubro ao Barreiro

Últimas notícias

    Publicidade