Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Uma carta aberta à música ambiente
Notícias / Vida urbana

Uma carta aberta à música ambiente

Provedor
Mariana Soares

O ambiente tem vários sons, mas nem todos eles são agradáveis. O chilrear dos pássaros é muito bonito, ouvir o mar é relaxante, mas dentro da categoria “ambiente” há também as buzinas dos carros ou a conversa ao telefone de uma senhora que está a dizer à empregada quantas costeletas é que ela deve tirar da arca congeladora para o jantar.

Os sons do ambiente podem ser irritantes, mas só há uma maneira de tornar a experiência de estar na rua, sujeito à, vamos chamar-lhe, “banda sonora da vida”, ainda mais desagradável: a música ambiente.

Nos últimos anos temos assistido a uma vigorosa investida anti-silêncio. Um ataque absoluto à paz e ao sossego. Todas as esplanadas têm música, as lojas têm altifalantes poderosos aspergindo todo o tipo de lixo pop e até as igrejas investiram em colunas que emitem non-stop os grandes êxitos do canto gregoriano.

Lembram-se de quando o silêncio era de ouro? Bons tempos. A desvalorização da matéria-prima preferida dos bibliotecários e dos mimos é um dos grandes flagelos do século XXI.

Por que é que um bar de praia precisa de um DJ a passar reggae? Vamos mais longe: por que é que o mundo precisa de DJs de reggae? Onde há areia e mar, a melhor música ambiente vem do próprio ambiente.

Impor uma música ambiente – o ar condicionado dos sons – é uma forma arrogante e prepotente de condicionar os nossos ouvidos. E uma forma pomposa de dizer à natureza: “Bom trabalho com o som do vento, boa ideia isso das aves canoras, está giro o barulho da rebentação do mar, mas toma lá esta versão bossanova do “No Woman No Cry” para veres o que é bom”.

O Provedor do Lisboeta é um vigilante dos hábitos e manias dos alfacinhas e de todos aqueles que se comportam como nabos e repolhos nesta cidade. Se está arreliado com alguma coisa e quer ver esse assunto abordado com isenção e rigor, escreva ao provedorprovedor@timeout.com

+ Uma carta aberta ao carro estacionado na linha do eléctrico

+ Uma carta aberta às pipocas do metro

Publicidade
Publicidade

Comentários

0 comments