A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Las Dos Manos
Mariana Valle Lima

Uma mão no México, outra no Japão. Assim é o Las Dos Manos, do chef Kiko

O chef Kiko gosta de arriscar e acaba de abrir, no Príncipe Real, um restaurante de matriz mexicana, com apontamentos japoneses.

Escrito por
Teresa David
Publicidade

Se há coisa que podemos esperar de Francisco Martins, ou chef Kiko, como é mais conhecido, são ideias fora das caixa. Concretizou-as, por exemplo, n’ O Talho, que é simultaneamente loja e restaurante; na Cevicheria, que junta os sabores peruanos aos portugueses; e agora no Las Dos Manos, que acaba de abrir no Príncipe Real, junto ao Miradouro de São Pedro de Alcântara. “O Ctrl+C/ Ctrl+V nunca fez parte do meu ADN”, garante o chef, que nos recebe. “Dá-me gozo correr riscos”. 

Las Dos Manos
Mariana Valle Lima

Arrojado, mas fiel à sua filosofia de viajante do mundo, o que Kiko faz no seu novo restaurante é juntar as cozinhas do México e do Japão, numa simbiose que respeita os clássicos mexicanos, mas que lhe acrescenta apontamentos e técnicas japonesas. “Sabia que queria fazer um mexicano high level, mas a meio dos testes achei que era engraçado dar uma tonalidade a isto, umas cores japonesas. A ideia, à partida, parecia-me absurda”, conta. “Mas há uma cozinha muito próxima ali que teve influência japonesa, que é a cozinha peruana, e que é uma cozinha que nós já trabalhamos muito na Cevicheria, então comecei a perceber que se calhar não era assim tão estranho ter aqui um Japão dentro”, acrescenta. 

Las Dos Manos
Mariana Valle Lima

E não é preciso chegar a comida para nos apercebermos desta fusão – a decoração dá conta disso. O espaço, bonito e com um ambiente descontraído, é ornamentado com cactos, mas também barris onde antes se transportava o saké, e nas paredes de azulejo azul sobressaem as figuras da pintora mexicana Frida Kahlo e de uma gueixa japonesa. Nele cabe uma pequena estação de bar, de onde saem cocktails como o sakurita (13,60€), uma espécie de margarita, com tequila e triple sec, mas aqui com yuzu, um citrino asiático. As refeições fazem-se à mesa ou na barra. 

Las Dos Manos
Mariana Valle LimaAguachile com sashimi de lírio e gamba do Algarve (22,40€)

A barra, com 16 lugares, é a melhor escolha para quem quer ver os cozinheiros a finalizarem os pratos, e no dia em que a Time Out almoçou no Las Dos Manos, era o chef Kiko quem lá estava. À boa maneira mexicana, começou por nos servir uns totopos de milho, acompanhados com edamame, guacamole, e um molho de queijo fundido (3,75€). Depois do couvert, foi a vez do fresco aguachile, “o primo do ceviche peruano”, com sashimi de lírio e gamba do Algarve (22,40€), brilhar. Seguimos para as tostadas e para os tacos, preparados com tortilhas caseiras, moldadas no momento. A tostada de barriga de atum (14,30€), uma parte muito nobre do peixe, é gulosa; e o clássico taco al pastor, de secretos de porco preto e ananás (7,30€) é um dos favoritos até ao momento. 

Las Dos Manos
Mariana Valle LimaAl pastor de secretos de porco preto e ananás (7,30€)

Ainda houve espaço para um tonkatsu de barriga de leitão e arroz yakimeshi (29,80€), um dos pratos de carne, e para a sobremesa: um churro com doce de leite, milho e granizado de lima e tequila (8,60€). 

Além da carta, o Las Dos Manos, à semelhança de outros restaurantes do chef Kiko, também tem um menu degustação (66,70€), que inclui cinco pratos e uma sobremesa, para os que desejarem uma experiência mais completa. “Os clientes que entraram aqui aceitaram o conceito melhor do que eu, na minha cabeça, a primeira vez”, confessa o chef. Satisfeito com esta nova aventura, Kiko Martins já está de olhos postos no futuro. “Há sempre planos para o futuro. No dia em que deixar de ter a ambição de fazer projectos diferentes vou perder muita alegria na vida. Não é de ter mais dez O Talho e dez Cevicharias. A minha ambição é sempre abrir conceitos únicos e irreplicáveis”, remata. 

Rua de São Pedro de Alcântara 59 (Príncipe Real). Seg-Dom 12.00-23.30

+ Marisqueira Relento reabriu dez meses depois. “Está tudo igual”

+ Serão os cocktails os novos vinhos? Fomos perguntar a cinco especialistas

Últimas notícias

    Publicidade