A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Landscapes of Resistance, Marta Popivoda
DocLisboa

Vem aí mais um DocLisboa. Eis as novidades

O festival de cinema DocLisboa volta para uma nova edição entre os dias 21 e 31 de Outubro. A programação deste ano ainda não é conhecida na totalidade, mas há novidades.

Escrito por
Teresa David
Publicidade

O DocLisboa está de regresso para uma nova edição, a 19ª, entre os dias 21 a 31 de Outubro. O festival de cinema retoma o seu formato habitual depois de, na edição anterior, ter sido dividido em módulos para se ajustar ao contexto da pandemia.  

A programação deste ano ainda não é conhecida na totalidade, mas há novidades. "Resistência" é o mote lançado pela Sessão de Abertura e, da Sérvia, chega-nos um filme sobre uma das primeiras mulheres a fazer parte da resistência jugoslava contra o Nazismo — Landscapes of Resistance, de Marta Popivoda. 

Ainda na abertura, Sérgio Silva, realizador e ex-programador da Cinemateca Brasileira, olha para o arquivo cinematográfico e a efemeridade do património em A Terra Segue Azul Quando Saio do Trabalho. O realizador terá mais uma intervenção no festival, uma sessão dedicada à Cinemateca Brasileira, na secção "Da Terra à Lua".

DocLisboa encerra com The Tale of King Crab, um filme que estreou em Cannes e que entra no universo da história e da mitologia para contar a lenda do complexo anti-herói Luciano. O filme é de Alessio Rigo de Righi e Matteo Zoppis, realizadores de Il Solengo (filme vencedor do Doclisboa’15).

Além dos filmes de abertura e de encerramento, também já se conhecem exibições das secções "Heart Beat" e "Da Terra à Lua". O filme de Thomas Robsahm e Aslaug Holm, a-ha The Movie, marca o arranque da secção "Heart Beat" e acompanha a trajectória da reconhecida banda norueguesa. Jane by Charlotte, o primeiro filme de Charlotte Gainsbourg, vai estar também em exibição e aborda a relação complexa entre a cantora e actriz e a sua mãe, Jane Birkin.

A secção "Heart Beat" conta ainda com três estreias mundiais de três títulos portugueses. Maria João Guardão traz-nos Nada Pode Ficar, que acompanha o processo de desocupação de João Fiadeiro no espaço habitado pela sua companhia de dança, o Atelier RE. AL. Tiago Durão partilha o seu olhar familiar sobre Eunice Muñoz em Eunice ou Carta a Uma Jovem Actriz. E em Dispersos pelo Centro, de António Aleixo, produção por Tiago Pereira e com a participação do reconhecido geógrafo Álvaro Domingues, viaja-se até ao centro de Portugal.

Na secção "Da Terra à Lua" estão incluídos três episódios de Uprising, uma série da BBC sobre três eventos da experiência negra no Reino Unido, dos britânicos Steve McQueen e James Rogan. Em Channel 54, Lucas Larriera investiga uma transmissão paralela à da chegada do homem à Lua. Uma reflexão sobre a escolha do fim da vida é feita em Closing Words, dos belgas Gaëlle Hardy e Agnès Lejeune.

Ainda nesta secção, destaque para duas produções portuguesas em estreia mundial. Jamaika, de José Sarmento Matos, olha para a realidade deste bairro durante o período de isolamento devido à pandemia Covid-19 e Do Bairro, um filme de Diogo Varela Silva, faz um retrato do passado e presente dos bairros de Alfama e Mouraria. 

Dá-se também o regresso de Mark Cousins com The Story of Looking, que analisa a percepção da realidade através do olhar. Minamata Mandala, de Kazuo Hara, acompanha as décadas de batalha jurídica a propósito do desastre ambiental na cidade japonesa de Minamata. Robin Petré alerta para a crise climática e crescente destruição da vida animal marinha em From The Wild Sea. 

Ainda em exibição, Mother Lode, de Matteo Tortone, A Midsummer Night's Road, de Noga Chevion, You Can’t Show My Face, de Knutte Wester e The Spark, de Antoine Harari & Valeria Mazzucchi.

+ Antes do cair do pano, Eunice abre a porta de casa ao cinema

+ Teatro do Silêncio organiza percursos performativos pelas fronteiras da cidade

Últimas notícias

    Publicidade