A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar

Wood: um cowork premium com yoga e consultas de wellness

Por
Francisca Dias Real
Publicidade

Do exterior salta à vista o néon alaranjado onde se lê "Work is Good". Plantas pendem dos oito pisos deste edifício renovado no Marquês de Pombal. O Wood não é mais um prédio de escritórios convencionais, é o novo cowork da cidade com aulas de yoga, massagens e consultas de bem-estar.

O Wood é um ponto de encontro entre trabalho e lazer, uma combinação premium no centro empresarial da cidade mas em regime cowork. “Nas grandes metrópoles europeias o espaço é pouco, e Lisboa começou a sentir isso agora de forma mais severa. Estamos a apanhar as outras cidades no que toca ao espaço”, diz Aimara Geissler, general manager do Wood. “Temos de partilhar mais o espaço e a vantagem de conhecermos outras pessoas de áreas diferentes é mais incrível do que pode parecer no início.”

Francisco Nogueira

Aqui quiseram criar um hub onde é possível juntar o melhor dos dois mundos, proporcionando um equilíbrio entre os universos profissional e pessoal. Ao longo de oito pisos, projectados pelo ateliê Anahory Almeida, há 2000 m2 prontos a acolher até 220 pessoas – seja nos 45 escritórios disponíveis, na zona open space ou na zona lounge. 

É no lounge, no piso subterrâneo, que está a maior sala de reuniões, e um bar de apoio que oferece todas as segundas-feiras o pequeno-almoço aos membros e uma happy hour às quintas, para que “não haja semanas difíceis”, diz Aimara. O espaço será palco de outros eventos depois do horário de expediente (09.00-18.00). 

É nesse piso que está também o estúdio para as aulas de yoga, equipado com todo o material necessário, sendo que o Wood oferece duas aulas por mês. Junto à sala, há balneários de apoio – para que não lhe falte nada. 

No que toca ao trabalho, as modalidades dão para todos os gostos, carteiras e tipos de empresa – seja um lobo solitário ou uma matilha de trabalhadores. A modalidade mais barata diz respeito a uma mesa no lounge (250€/mês), que funciona em regime flexível – não tem um lugar fixo e quando há eventos no lounge terá de se adaptar às circunstâncias. No piso open space, o regime muda para mesa fixa (375€/mês) e cada residente terá uma secretária numerada atribuída, assim como um cacifo para guardar os seus pertences. Nos pisos superiores o cenário e o espaço dividem-se em gabinetes que podem ter capacidade para duas (900€/mês), quatro (1720€/mês), cinco (2250€/mês) ou oito pessoas (3280€/mês). As adesões até ao final de Março 2020 têm 30% de desconto. 

Francisco Nogueira

Ao longo dos pisos estão distribuídas as cinco salas de reunião, todas equipadas tecnologicamente, mas existem também doze meeting boxes, que são pequenos compartimentos nos pisos onde os residentes podem ter encontros mais informais. Para telefonemas que exijam privacidade há sete cabines – todos os equipamentos podem ser usados ou requisitados por qualquer membro sem custos adicionais à mensalidade.

Cada andar tem uma pequena copa com máquina de café, fruta fresca e um frigorífico que é abastecido pelo próprio Wood. As comodidades não se ficam por aqui: é possível também receber directamente no escritório a encomenda de cabazes de fruta e legumes fornecidos por um produtor local do Mercado do Rato.

Em breve, vai estar disponível para usufruto dos residentes do cowork um Beauty Center, gerido pelo parceiro Z Vegan Hair e que disponibiliza serviços de cabeleireiro, barbearia, pedicure e manicure. Na mesma sala, vão acontecer consultas de avaliação e aconselhamento com uma health coach, consultas ayurvédicas, de homeopatia, de osteopatia e sacro-craniana, massagens de relaxamento, aromaterapia e reflexologia – tudo desenvolvido pelo estúdio Siendo – Art of Being.

“Quisemos facilitar a vida dos membros, por isso concentrámos tudo numa app a que todos têm acesso”, refere Aimara, que faz parte da equipa que está disponível para os membros de segunda a sexta entre as 09.00 e as 18.00. Todos os membros podem fazer marcações de serviços ou reservas de salas através da app, sendo também possível controlar o valor da faturação de cada empresa.

Para arejar as ideias, o Wood dispõe de dois terraços – um deles um rooftop. O outro serve de lounge exterior e terá, em breve, uma sala de reuniões que, diz Aimara, “vai ajudar a dar um ambiente mais descontraído a coisas que nem sempre têm de ser uma formalidade”. E a combinar com o título de Capital Verde Europeia, o Wood põe à disposição bicicletas eléctricas para pequenas deslocações citadinas de quem ali trabalha.

À entrada e paredes meias com o Wood está o Selllva, que apesar de não estar ligado directamente ao cowork teve as mesmas mãos no design de interiores e integra o mesmo edifício. 

Rua Mouzinho da Silveira, 32. www.woodinlisbon.com.

+ Espaços de cowork em Lisboa para trabalhar em comunidade

Últimas notícias

    Publicidade