A próxima ceia: os jovens chefs que queremos continuar a acompanhar

Já mostraram bom trabalho e queremos continuar a acompanhá-los. São sete chefs que ainda têm muito para dar a Lisboa

Fotografia: Manuel Manso

Uns chegaram há menos tempo à cozinha, outros parece que já têm uma vida disto. Já mostraram bom trabalho e por isso queremos continuar acompanhá-los. Metemos as mãos no josper por estes chefs que ainda têm muito para dar às cozinhas de Lisboa. Conheça melhor os sete chefs que vão preparar as próximas ceias.

A próxima ceia: os jovens chefs que queremos continuar a acompanhar

Guilherme Spalk
Fotografia: Manuel Manso
1/6

Guilherme Spalk

A abrir um novo projecto em Lisboa

Idade: 27 anos

Já há uns oito anos que anda em cozinhas, mas confessa que só em 2017 nasceu a paixão real pela cozinha – e isto não tem muito a ver com uma mudança na maneira de olhar os ingredientes ou com a descoberta de alguma técnica, mas na forma de comunicar aquilo que se está a cozinhar. Na Alice no País dos Bordéis – uma refeição-teatro que aconteceu no Verão passado na Pensão Amor – empratava à frente dos clientes, num balcão, e explicava o que se estava a servir. “Nunca fui uma pessoa uma muito extrovertida e ali tive de ser: comecei a focar-me no cliente e o serviço teve de se adaptar às necessidades dos clientes”.

O próximo ano vai ser de consolidação dos anos passados a trabalhar (e a aprender) em restaurantes como o extinto Bocca, o Bonsai, o Tavares Rico, e umas quantas paragens estrangeiras. Em 2016 chegou à China – graças ao trabalho como sous-chef no Sea Me – convidado por um grande grupo para abrir um restaurante cujo nome não deve ser pronunciado (porque Spalk não o sabe pronunciar). Aproveitou para passar uns dias em cozinhas diferentes e fazer crescer a sua própria “raiz, que ainda não está definida”. Passa de certeza por menus de degustação e por uma referência portuguesa forte a que se juntam outras estrangeiras, de forma consciente, garante.

O que vai fazer

Está a preparar a abertura de um restaurante de hotel da Mainside. Vai chefiar pela primeira vez uma cozinha em Lisboa, no Chiado. O sonho de restaurante é um balcão onde o chef fala sobre o que está a fazer directamente com o público, sem intermediários.

Joana Duarte
Fotografia: Manuel Manso
2/6

Joana Duarte

Sous-chef do Tapisco

Idade: 39 anos

Ao balcão do Tapisco, do lado de cá e ainda por fardar, Joana Duarte não pára de olhar para o lado de dentro. A equipa é toda muito jovem e a toda a hora há trabalho a ser corrigido até porque, para lá de cursos, na cozinha pode aprender-se muito e rápido. Foi assim que Joana começou aos 28 anos, depois de trabalhar como bióloga marinha e perceber que o mercado já não estava para andar em barcos de pesca como antes. Atirou-se: fez uma lista de restaurantes onde queria aprender e deu consigo à porta de Augusto Gemelli pela terceira vez a dizer-lhe que não sabia nada, mas que queria aprender. Acabou por ir para Barcelona, tirou um curso intensivo na Hofmann e passou seis anos em Barcelona a trabalhar em restaurantes gastronómicos que lhe deram disciplina, sentido estético e técnicas complexas. Quando regressou a Portugal esteve na Fortaleza do Guincho e bastaram duas semanas para não restarem dúvidas: o fine dinning não é o da Joana. “Parece que não cozinhas realmente, confeccionas a carne, cortas um quadradinho, montas numa demi glace que fizeste à parte também.” Foi clara nisto quando Henrique Sá Pessoa a convidou para integrar a equipa do Alma e o resultado foi ficar à frente da cozinha do Tapisco com a função de ser a referência constante do que são os pratos espanhóis originais. Mesmo que volta e meia seja preciso relembrar os elementos, “a açorda, os ovos rotos, os pratos espanhóis têm de ser fiéis a pratos muito bons, de puta madre.”

O que vai fazer

O Tapisco vai abrir no Porto e Joana Duarte vai estar a tratar do assunto. Há o objectivo de sair do ritmo lisboeta e assentar numa quinta a cozinhar daqui a uns anos.

Nuno Noronha e Vania Galindo
Fotografia: Manuel Manso
3/6

Nuno Noronha e Vania Galindo

Chefs de cozinha na Taberna Fina

Idades: 24 e 25 anos

Vania Galindo nota em Nuno Noronha uma tendência para criar pratos monocromáticos, como é o caso do diospiro com abóbora, no final da refeição da Taberna Fina. É uma das combinações que lhe conhece há mais tempo, desde quando fizeram o caminho do Peru (de onde é Vania e onde se conheceram a trabalhar no Central de Virgilio Martínez Véliz) para o Brasil, onde queriam por tudo trabalhar com Rafa Costa e Silva no Lasai. Conseguiram com muita insistência e pouco dinheiro no bolso. Pelo caminho iam-se entretendo a mandar trios de ingredientes para o ar, para que o outro inventasse um prato. Vania era mais metódica e organizada, precisava de puxar por um papel; Nuno mais rápido, o prato saía na hora.

Vania começou por estudar Direito, depois artes, e acabou a estudar cozinha, a trabalhar em restaurantes de praia (onde se aprende a fazer ceviche como deve ser) e a trabalhar com Nazario Cano. Nuno, por outro lado, está de olho no objectivo desde a infância e aos nove anos cozinhava para si e para os pais. Por volta dos 18 anos começou a fazer estágios na Fortaleza do Guicho, foi para o País Basco, para o Martín Berasategui, para o Belcanto, até começar enfim a trabalhar no Midori.

Cruzaram-se com André Magalhães porque Vania trabalhou uns tempos na Taberna da Rua das Flores, enquanto Nuno estava no Vila Joya – acabaram os três a apanhar ervas e cogumelos numa viagem entre o Algarve e Lisboa até acontecer o convite. Ainda recusaram e avisaram logo André que vão errar muito. E ele confirmou que não há mal, que se aprende no caminho. A par do trabalho criativo na Taberna – Nuno gostava que mudar pratos fosse o pão nosso de cada dia – andam em viagem a descobrir ingredientes ou à procura de madeiras e pedras que liguem o empratamento ao produto.

O que vão fazer

Vão continuar a trabalhar em equipa, provavelmente a cozinhar com o rigor do fine dining perto da praia.

Manuel Liebaut
Fotografia: Manuel Manso
4/6

Manuel Liebaut

Chef do I+D do Loco

Idade: 27 anos

No I+D – Inovação e Desenvolvimento do Loco há muito trabalho para apanhar: Manuel Liebaut, o chef desta cozinha de investigação, esteve de férias e aproveitou-as (como à maioria das férias nos últimos anos) para ir trabalhar para o Prado, já que conhece António Galapito desde o tempo de Londres. Até chegar a Londres (e logo a seguir ao Loco) houve muitas cozinhas – vamos resumir: depois da Escola de Hotelaria do Estoril andou por restaurantes tão diferentes como o Tavares Rico, uma quinta onde aconteciam casamentos, o Bocca, um restaurante em Barcelona onde geria dezenas de pessoas para servir carnes feitas em josper, pizzas em forno de lenha, batatas fritas e arrozes, o Noma – quando lá estava Leonardo Pereira –, e o Firehouse, em Londres, com uma cozinha pequena e onde acontecia muita coisa, de chapa francesa aos fermentados – tudo a sair com grande exigência e com as ideias a acontecerem sem limites. Deixou de ir apanhar plantas específicas a cemitérios londrinos para vir experimentar para a cozinha que o Loco abriu em Março do ano passado. De vez em quando sente saudades de ter tempo para ir para a rua descobrir ervas e plantas e também do serviço, que, agora é que percebe, isto de gostar de cozinhar vem tudo das manhãs em que ficava a ver Carlos Capote antes de começar o Dragon Ball, na televisão.

O que vai fazer

O objectivo é pôr esta cozinha impecável ao nível das descobertas e mais para a frente há-de vir o seu restaurante, onde quer trabalhar especialmente com plantas, fogo e madeiras. Sem os formalismos associados ao fine dining.

Bernardo Agrela
Fotografia: Manuel Manso
5/6

Bernardo Agrela

Chef da Cave 23

Idade: 28 anos

Entre os cinco e os oito a mãe ensinou-lhe a usar o gás porque a comida dos babysitters “não era  minha cena”, conta. Mas isto não tem grande coisa a ver com a chegada à escola de cozinha, garante. Aos 16 anos continuavam a não levar a coisa muito a sério, e os estágios pareciam-lhe mais um hobby do que um trabalho cheio de responsabilidade – do Pestana da Ajuda ao Bacchus de Nuno Mendes, foi ganhando entusiasmo e deu tudo na vontade de experimentar um três estrelas. Entrou no Martín Berasategui. Depois foi Londres, onde trabalhou para a estrela do Viajante, o Japão, os restaurantes portugueses no Luxemburgo, a chefia de resorts gigantes nas Seychelles e nas Maldivas. Depois de andar a viajar freneticamente – não só entre trabalhos, mas também pela China (onde vivia com uma família e passava o tempo a comer) ou pela Índia, onde comeu nos sítios mais duvidosos e só passou mal uma vez, com um borrego morno e pouco picante – “assim que comi vi logo”.

Quando voltou, cansado destas jornadas, criou o supper club Onde Upon a Table, com André Freire, onde queria dar uma experiência personalizada aos convidados. Foi isto que o pôs na Cave 23 (do hotel Torel Palace) onde o menu de degustação tem sempre a referência portuguesa com uns dashis e especiarias a aparecerem e a recordá-lo do que comeu à volta do mundo (mais uma vez com a sensação de personalização da experiência). As bolas de Berlim de rabo de boi – doces, salgadas e ácidas – são viciantes e inesquecíveis e não é por acaso. Pergunte-se a Bernardo porquê e ele explica a sua criação como se fosse matemática.

O que vai fazer

Na Cave está a preparar alguns eventos e há ideias para conceitos que chegam para um império Agrela. Entre elas há um fast food de bacalhau ou uma cozinha central para produzir comida em vácuo à larga.

Vítor Adão
Fotografia: Manuel Manso
6/6

Vítor Adão

Chef executivo do 100 Maneiras

Idade: 27 anos

Enquanto Ljubomir Stanisic está a equilibrar tantos outros projectos é Vítor Adão que exige o rigor da equipa diariamente e que, desde há um ano, responde por chef no 100 Maneiras, escolhido pela Monocle para melhor restaurante em 2017. Com a sua entrada cresceram os produtos portugueses na carta a somarem-se a sabores condimentados e fortes de Stanisic – “é comida com Alma”, resume o trabalho criativo para que toda a equipa contribui.

A carreira nas cozinhas começou por volta dos 14 anos, em Chaves, e nunca mais parou, até chegar à Escola de Hotelaria e Turismo de Mirandela. Quando acabou o curso aos 20 já tinha estado no Doc, de Rui Paula no Porto, com Mauro Silva, que considera o seu grande mentor. A partir daí, depois de uma pequena passagem por Londres, passou de fine dinings puros para uma quinta em Chaves onde os clientes queriam pagar o menos possível por uma refeição e dormida: aí aprendeu a mexer-se rápido por causa do pouco produto e pouca equipa que tinha. Ficou dois anos e foi parar à casa de pasto Chaxoila, em Vila Real, onde aprendeu a tratar a equipa de maneira mais flexível, o respeito pelos produtos, produtores e pela sazonalidade. Daqui ao jantar que dedicou à cabiela e que encheu a Cozinha Popular da Mouraria em Novembro foi um saltinho intuitivo.

O que vai fazer

Para já vai meter-se num curso de Ciências Alimentares para perceber os processos físico-químicos por trás dos alimentos.Quando abrir o seu próprio espaço vai servir uma comida com referências portuguesas e transmontanas, sabores fortes e claros, com o rigor dos restaurantes gastronómicos, mas sem formalidades.

O melhor de 2017

São estes os chefs do ano Time Out

Um restaurante para dez com técnica francesa no coração de Lisboa, outro para 18, em Sintra, com técnica japonesa sob o olhar português e um último que está a apostar tudo em trazer toda a informação sobre o produto e o produtor para a mesa, sem medo de ter um menu de degustação exclusivamente vegetariano num restaurante de Estrela Michelin. 

Ler mais
Por Inês Garcia

O melhor que comemos em Lisboa em 2017

Um ano de refeições por novos (e não só) restaurantes lisboetas é muito e são muitas boas refeições. Revisitámos as críticas de Alfredo Lacerda e Marta Brown para a Time Out Lisboa e chegámos a um top 10 que não desilude. É este o menu de degustação deste ano que passou.

Ler mais
Por Inês Garcia
Publicidade

Comentários

0 comments