Lisboa icon-chevron-right Cinco razões para visitar Lanzarote

Cinco razões para visitar Lanzarote

Quer explorar esta ilha selvagem e árida das Canárias? Veja este mini-guia com as melhores coisas para fazer em Lanzarote.
Piscina dos Jameos del Agua
Photograph: Courtesy CC/Flickr Piscina dos Jameos del Agua
Por Gemma Bowes |
Publicidade

Fuja das zonas mais movimentadas como Playa del Carmen: Lanzarote é uma terra maravilhosa, árida e selvagem com muito por explorar. A bela ilha vulcânica das Canárias está repleta de cidades cheias de palmeiras, moradias caiadas de branco, praias, peixe fresco e cactos. Aqui encontrará o toque mágico e indelével do influente artista César Manrique em todo o lado — não só deixou várias casas fabulosas e atracções para visitar, como um legado que impede que todos os novos edifícios tenham mais de dois andares. Faça um passeio pelo norte e pelo interior da ilha e sinta a animada brisa boho de Lanzarote.

Recomendado: Bares de Singapura

Cinco coisas para fazer em Lanzarote

1

Parque Nacional de Timanfaya

Vulcões! Mas nada tema. Não terá de fugir da lava borbulhante: estes vulcões  não  entram em erupção  desde 1824. Esta paisagem espetacular é perigosa para ser explorada a pé, por isso deve apostar numa excursão de autocarro, que oferece uma visão geral deste mar de lava com 25 crateras. No centro interpretativo Montanas del Fuego pode observar os guias a colocarem a palha num buraco até esta se incendiar. Já no restaurante El Diablo, os pratos são preparados com calor geotérmico.

2

Grutas Jameos del Agua

O artista mais famoso de Lanzarote, César Manrique, deu à ilha uma estética funkadélica, da qual esta gruta é a coroa de glória. Trata-se de um sistema de cavernas que abriga um restaurante, uma piscina sinuosa e um auditório com bancos de bar embutidos nas rochas e plantas que descem em cascata pelas paredes. Imagine uma festa de máscaras organizada por James Bond, Barbarella e Twiggy: este seria o local.

Publicidade
3

El Golfo

É aqui que as poderosas ondas do Atlântico atingem a costa vulcânica ocidental da ilha. El Golfo tem ainda vários cafés, como o Costa Azul, que oferecem lugares à beira-mar. Vá e sinta um spray de água do mar nas bochechas enquanto devora peixe fresco com batatas das Canárias. Vai ver que é revigorante assistir ao embate das ondas contra as rochas negras, a poucos metros de distância, ao mesmo tempo que aves marinhas sobrevoam a sua cabeça. Dica: as rochas irregulares de Los Hervideros, nas proximidades, dão boas fotografias para o Instagram.

4

Teguise

Fundada em 1402, Teguise é a cidade mais antiga das Canárias e, graças à sua posição elevada, foi a capital de Lanzarote durante 450 anos. Está cheia de edifícios brancos atraentes, praças e palmeiras, com um grande mercado ao domingo (sugestão de compras: queijo local e bolsas de couro). É um lugar encantador para gastar dinheiro entre lojas de artesanato e bares. Nas proximidades, em Nazaret, encontrará o Museu Lagomar, outra criação de César Manrique. Explore bem esta casa construída na lava e decorada com pedaços de naufrágios.

Publicidade
5

Playa de Papagayo

Não é só uma praia maravilhosa, são sim sete pequenos aglomerados de areia amarela pálida que se juntam num promontório no extremo sul da ilha, separados por lava negra. Irá encontrar várias praias igualmente interessantes pelo caminho – como a Playa del Charco de los Clicos, com areia preta, falésias vermelhas e uma lagoa verde; ou a Playa Chica, óptima para fazer mergulho – mas este é o local ideal para se estender em areia fofa e nadar num mar tranquilo.

Escapadinhas para fora do país

vinho
©photo-nic.co.uk nic/Unsplash
Coisas para fazer

Os melhores cursos de vinhos em Lisboa

Olha para o rótulo e pouco ou nada lhe diz. Depois de vertido no copo, faz aquele gesto de especialista e sente o aroma do vinho – continua sem perceber as características do que está prestes a beber. E mais: tem um jantar e compra o vinho errado (que não combina, vá) para servir com a iguaria. Se estes problemas o apoquentam há quem o possa ajudar – e não, não precisa de ser um sommelier para dar uns toques no mundo vínico. Estes cursos de vinho em Lisboa ajudam-no a tornar-se numa pessoa mais entendida na matéria, o suficiente para fazer brilharete junto da família e amigos.

Garrafeira Pura
©DR
Restaurantes

O que são e onde beber vinhos naturais em Lisboa

Os vinhos naturais e biológicos não são moda passageira e o método de produção é, aliás, bem antigo. Começamos por lhe explicar as diferenças entre vinificação natural, biológica e biodinâmica e dizemos-lhe onde pode ir tirar as teimas e provar este tipo de vinhos em Lisboa. Bons brindes.

Publicidade
Casa Museu José Maria da Fonseca
Fotografia: Arlindo Camacho
Viagens

Nove sugestões de enoturismo na Península de Setúbal

Outrora vistas como trabalho, as vindimas são agora motivo de romaria pelo país. Com data incerta (tanto podem começar em meados de Agosto como prolongar-se até Outubro), a técnica de podar as uvas, acartá-las, deixá-las no lagar para serem pisadas numa amena cavaqueira que pinta as pernas de roxo, armazenar o líquido, esperando que o tempo trabalhe depressa e bem, é um ritual que está ao alcance de todos. São vários os enoturismos com programas que permitem acompanhar o nascer do vinho desde o cacho até à garrafa. Para quem não quiser ginasticar as pernas, há soluções mais tranquilas.

More to explore

Publicidade