Da ficção à BD. Os melhores livros de 2017

Dos autores nacionais aos títulos que chegam de fora, os críticos da Time Out Lisboa partilham as suas escolhas do ano. Eis alguns dos melhores livros de 2017

Photograph: Courtesy CC/Flickr/Abhi Sharma

João Morales atira-se aos livros de autores portugueses e aos lançamentos em Banda Desenhada. José Carlos Fernandes resume o melhor da ficção e não-ficção internacional. Contas feitas, leia e releia o melhor que lemos em 2017. 

Livros portugueses

O Deslumbre de Cecilia Fluss, João Tordo, Companhia das Letras, 16.50€
1/5

O Deslumbre de Cecilia Fluss, João Tordo, Companhia das Letras, 16.50€

A memória e a demência. A traição da primeira e os caprichos da segunda. Somos moldados na infância, aprendemos e fixamos. E quando esquecemos… inventamos.

Tenho Cinco Minutos para Contar uma História, Fernando Assis Pacheco, Tinta-da-China, 17,90€
2/5

Tenho Cinco Minutos para Contar uma História, Fernando Assis Pacheco, Tinta-da-China, 17,90€

Escritos para serem lidos na rádio, estes textos recordam-nos a mestria de um dos grandes prosadores portugueses do séc. XX. O humor fino, o t6raço autobiográfico e confessional, o olhar mais que atento do repórter permanente.

Coração Mais que Perfeito, Sérgio Godinho, Quetzal, 16,60€
3/5

Coração Mais que Perfeito, Sérgio Godinho, Quetzal, 16,60€

O romance de estreia de Sérgio Godinho mostra mais uma faceta deste criador. Jogos de palavras (logo no título), crueza e romantismo em doses equilibradas, Portugal sempre no divã psicanalítico e seres humanos paradoxais. Como os verdadeiros.

Obras Completas – Ficção; Mário Henrique-Leiria (Org. Introdução e Notas de Tania Martuscelli), E-Primatur, 19,92€
4/5

Obras Completas – Ficção; Mário Henrique-Leiria (Org. Introdução e Notas de Tania Martuscelli), E-Primatur, 19,92€

O surrealismo, a provocação, a crítica social e política forma as armas de arremesso de um dos mais desconcertantes autores portugueses do séc. XX. Pouco se conhecia do seu trabalho, disperso por papéis avulso. Agora, com três volumes com mais de 700 páginas cada, nada será como antes.

Todos os Dias Morrem Deuses, António Tavares, Dom Quixote, 12,90€
5/5

Todos os Dias Morrem Deuses, António Tavares, Dom Quixote, 12,90€

António é um jornalista português que acrescenta pontos ao que conta. Lá longe, na URSS, a conspiração dos “batas brancas” anseia traçar o fim de Estaline. E entre os dois países, entre o passado e o presente, o leitor vai descortinando as ligações.

Banda Desenhada

O Rei Macaco, Milo Manara, Arte de Autor, 19,95€
1/5

O Rei Macaco, Milo Manara, Arte de Autor, 19,95€

Entre o psicadelismo da década de 70 e uma criação assumidamente politizada, descobrimos uma faceta quase desconhecida do homem que ficou famoso a desenhar mulheres e histórias lúbricas.

História do Sexo, Laetitia Coryn e Philippe Brenot, Gradiva, 22€
2/5

História do Sexo, Laetitia Coryn e Philippe Brenot, Gradiva, 22€

A forma como o sexo marca presença na Humanidade é um reflexo das transformações dessa mesma Humanidade. O prazer e o pudor; as permissões e constrangimentos; o simbolismo e a descoberta contínua. Tudo no mesmo livro.

Do Inferno, Alan Moore e Eddie Cambell, Devir, 39€
3/5

Do Inferno, Alan Moore e Eddie Cambell, Devir, 39€

De uma figura com os pergaminhos de Moore espera-se quase tudo. Mas uma abordagem à história de Jack, The Ripper, com quase 600 páginas surpreende qualquer um. O efeito é contagiante, a leitura é viciante, a conclusão é… perturbante.

A Vida de Che, Héctor Germán Oesterheld (argumento) Alberto e Enrique Breccia (ilustrações), Levoir, 11,90€
4/5

A Vida de Che, Héctor Germán Oesterheld (argumento) Alberto e Enrique Breccia (ilustrações), Levoir, 11,90€

Alberto Breccia, o mais extraordinário desenhador a usar o preto como fundo e o branco como traço (pelo menos é essa a sensação dominante do leitor), assina com o seu filho (então com apenas 22 anos) uma das suas obras-primas. Um documento, histórico e artístico.

Drunna, Paolo Eleuteri Serpieri, Arte de Autor, 21€
5/5

Drunna, Paolo Eleuteri Serpieri, Arte de Autor, 21€

Ficção Científica, erotismo e H. P. Lovecraft constituem a trindade em que assenta esta aventura. Os contaminados alimentam os mutantes e os Padres são criaturas Cyborg. Metáforas e aventura conjugadas com muito ritmo.

Ficção internacional

A sétima função da linguagem, Laurent Binet, Quetzal, 18,80€
1/4

A sétima função da linguagem, Laurent Binet, Quetzal, 18,80€

Uma delirante paródia aos thrillers esotéricos e às grandes figuras de cultura e da política francesas.

Actos humanos, Han Kang, D. Quixote, 14,90€
2/4

Actos humanos, Han Kang, D. Quixote, 14,90€

Memória em carne viva da repressão brutal de uma cidade que se ergueu contra um regime opressivo.

A associação das pequenas bombas, Karan Mahajan, Relógio D’Água, 18€
3/4

A associação das pequenas bombas, Karan Mahajan, Relógio D’Água, 18€

Visão simultaneamente terna e irónica do terrorismo e do efeito que produz nas pessoas.

Cartas de amor e de guerra, Mikhail Shishkin, Ítaca, 17,61€
4/4

Cartas de amor e de guerra, Mikhail Shishkin, Ítaca, 17,61€

Tocante romance epistolar entre dois amantes que não vivem no mesmo tempo nem no mesmo espaço.

Não-ficção internacional

Rapazes de zinco, Svetlana Alexievich, Elsinore, 19,99€
1/6

Rapazes de zinco, Svetlana Alexievich, Elsinore, 19,99€

A Guerra do Afeganistão contada por quem nela combateu e pelos familiares dos que de lá regressaram em caixões de zinco.

As últimas testemunhas, Svetlana Alexievich, Elsinore, 18,79€
2/6

As últimas testemunhas, Svetlana Alexievich, Elsinore, 18,79€

A barbárie da guerra na Frente Leste vista pelos olhos das crianças apanhadas no seu vórtice.

Gestapo, Frank McDonough, Vogais, 19,99€
3/6

Gestapo, Frank McDonough, Vogais, 19,99€

Como a polícia secreta alemã controlou o povo alemão e assegurou a sua lealdade ao II Reich.

Delírio total: Hitler e as drogas do III Reich, Norman Ohler, Vogais, 18,79€
4/6

Delírio total: Hitler e as drogas do III Reich, Norman Ohler, Vogais, 18,79€

Hitler era um junkie e os seus delírios alimentados a drogas ajudaram a empurrar a Alemanha para o abismo.

Holocausto: Uma nova história, Laurence Rees, Vogais, 26,99€
5/6

Holocausto: Uma nova história, Laurence Rees, Vogais, 26,99€

Uma síntese de impressionante clareza sobre um dos mais tenebrosos momentos da história.

História íntima da humanidade, Theodore Zeldin, Texto Editores, 24,90€
6/6

História íntima da humanidade, Theodore Zeldin, Texto Editores, 24,90€

Uma reflexão penetrante, erudita, desconcertante e caleidoscópica sobre a natureza humana.

Best of 2017

As melhores exposições do ano

Artistas há muitos, bem sabemos. 2017 mal tinha começado e já estávamos a prever um ano em cheio. A escolha não foi fácil, mas revelamos-lhe o melhor da arte que vimos este ano.

Ler mais
Por Francisca Dias Real

Os melhores filmes de 2017

Cada final de ano, na altura dos habituais balanços, e no que ao cinema diz respeito, chegamos sempre à mesma conclusão. Começámos pouco optimistas em relação à qualidade dos filmes que íamos ver; e acabámos com a satisfação de que vimos suficientes bons filmes para elaborar uma lista com os dez melhores, e ainda ficam de fora uns quantos que também lá cabiam perfeitamente. 

Ler mais
Por Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

Os melhores filmes portugueses de 2017

O ano de 2017 assistiu à estreia de vários filmes portugueses com muita qualidade. Na ficção, como Fátima, de João Canijo, São Jorge, de Marco Martins, ou Fábrica de Nada, de Pedro Pinho. E no campo do documentário, onde se destacaram Ama-San, de Cláudia Varejão, e Nos Interstícios da Realidade ou o Cinema de António de Macedo, de João Monteiro.

Ler mais
Por Editores da Time Out Lisboa

Os melhores discos internacionais de 2017

Mais um ano, mais uma remessa de grandes discos e músicas, para todos os gostos e feitios. Da frescura rock lo-fi de Mac DeMarco ao indie rock de Thurston Moore, passando pela pop vanguardista de Benjamin Clementine ou o hip-hop de Vince Staples, Young Thug ou Kendrick Lamar.

Ler mais
Por Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

Os melhores discos portugueses de 2017

A música portuguesa vive dias bons. Com bandas e artistas a falarem a sua língua e a produzirem canções que reflectem o país e o presente. Do indie rock português das Pega Monstro e Putas Bêbadas às batidas afromecânicas de Nídia e DJ Lycox, passando pela folk lisboeta de Éme e Luís Severo, o hip-hop de Slow J e os Orelha Negra ou o fado de Camané. Estes foram os melhores discos do ano.

Ler mais
Por Editores da Time Out Lisboa

Comentários

0 comments