Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Sete edifícios em Lisboa que sobreviveram ao terramoto de 1755
Igreja de São Roque
©DR

Sete edifícios em Lisboa que sobreviveram ao terramoto de 1755

A cidade mudou de figura após o terramoto que a abalou no Dia de Todos os Santos de 1755. Mas há edifícios sobreviventes

Por Renata Lima Lobo
Publicidade

A 1 de Novembro de 1755, Dia de Todos os Santos, caiu o Carmo, caiu a Trindade e praticamente toda a área que hoje é ocupada pela Baixa Pombalina. Há registos de pelo menos dez mil vítimas mortais em Lisboa, que não conseguiram fugir às derrocadas, ao fogo e à água que invadiu o Terreiro do Paço, naquilo que hoje é identificado como "tsunami" na imprensa mundial. Mas aqui e ali, com um ou outro arranhão, algumas estruturas mantiveram-se de pé, ecos do passado bem palpáveis, bonitas e cheias de histórias para contar e passar de geração em geração.

Recomendado: O maravilhoso mundo dos azulejos em Lisboa

Cinco edifícios em Lisboa que sobreviveram ao terramoto de 1755

largo do menino deus, de francis smith
largo do menino deus, de francis smith
©DR

1. Casa no Largo do Menino Deus

Não foi o único, mas em 1927, o pintor Francis Smith interpretava a óleo este edifício localizado no Largo do Menino Deus, junto ao Castelo de São Jorge. E poderia-o ter pintado hoje esta casa quinhentista que sobreviveu ao terramoto de 1755 e mantém o traçado original. Tal como a vizinha Igreja do Menino Deus. Esta obra faz parte da colecção do Museu Calouste Gulbenkian.

casa amalia rodrigues
casa amalia rodrigues
©Fundação Amália Rodrigues

2. Casa-Museu Amália Rodrigues

Museus Lisboa

Garantem que no número 193 da Rua de São Bento, morada da Casa e Fundação Amália Rodrigues, ficou quase tudo como a ilustre dona deixou o espaço. A cantadeira das cantadeiras viveu meio século nesta casa amarela onde os serões se encheram de fado. As visitas são guiadas, duram uma média de 20 minutos, e levam-no por bustos, bandolins, pinturas de Maluda e muitas outras relíquias. A Fundação Amália Rodrigues também nos garante que este edifício amarelo da Rua de São Bento data de 1693. Quase tão imortal como Amália.

Publicidade
Igreja de São Roque
Igreja de São Roque
@Júlio Marques

3. Igreja de São Roque

Atracções Chiado

Os estilos maneirista e barroco dominam a Igreja de São Roque, um dos raros edifícios em Lisboa a sobreviver ao Terramoto de 1755, quase sem sofrer um arranhão. De tal forma que tanto a igreja como a residência auxiliar foram cedidas à Santa Casa da Misericórdia, para substituir os seus edifícios e igreja destruídos no sismo. O vínculo mantém-se até hoje, com a igreja a centralizar as atenções de turistas e não só. Afinal, falamos de uma das mais belas da cidade, mandada edificar no final do século XVI, em colaboração com Afonso Álvares e Bartolomeu Álvares. Foi a primeira igreja em Portugal da Companhia de Jesus, ligação que se manteve durante dois séculos, até à expulsão dos jesuítas do país, no século XVIII; e  foi também uma das primeira igrejas jesuítas em todo o mundo. Além da visita ao espaço, conte com eventos pontuais, nomeadamente concertos.

Aqueduto das Aguas Livres
Aqueduto das Aguas Livres
©Lydia Evans / Time Out

4. Aqueduto das Águas Livres

Atracções Campolide

Construído durante o reinado de D. João V, com origem na nascente das Águas Livres, em Belas, Sintra, o Aqueduto das Águas Livres é não apenas uma importante obra de engenharia de estilo barroco e neoclássico, iniciada no século XVIII, mas também um postal da cidade Lisboa. Que nem o terramoto de 1755 conseguiu abalar.

Publicidade
Igreja de São Cristóvão
Igreja de São Cristóvão
©LUIS PONTE/CML

5. Igreja de São Cristóvão

Atracções Edifícios e locais religiosos Castelo de São Jorge

O terramoto de 1755 não a beliscou muito, mas agora esta igreja anda a precisar de mimos. A defesa deste património que inclui mais de 40 telas de Bento Coelho da Silveira é feita através do projecto Arte Por São Cristóvão, num templo que está ainda integrado na World Monuments Fund, uma lista de 50 monumentos em risco por todo o mundo. E está cheia de tesouros, entre eles a Capela dos Miranda, uma família nobre que aqui construiu túmulos no século XV.

Palácio da Independência
Palácio da Independência
©CML

6. Palácio da Independência

Atracções Edifícios e locais históricos Estrela/Lapa/Santos

É também conhecido como o Palácio da Restauração, por ter sido daqui que os conjurados planearam a última reunião antes da Restauração da Independência de Portugal, a 1 de Dezembro de 1640. O edifício foi pouco afectado pelo terramoto de 1755 e chegou mesmo a acolher alguns doentes do vizinho Hospital de Todos os Santos. Ao longo dos tempos teve várias funções, como Casa da Suplicação, Depósito Público da Côrte ou mesmo o Arquivo Municipal de Lisboa. Em 1983, foi cedido à Sociedade Histórica da Independência de Portugal.

Publicidade
casa dos bicos
casa dos bicos
©DR

7. Casa dos Bicos

Atracções Santa Maria Maior

Este edifício do século XVI, inicialmente baptizado de Casa dos Diamantes, não sobreviveu inteiro, mas sobreviveu mais ou menos pela metade. O terramoto destruiu os dois pisos superiores que ruíram e só nos anos 80 é que foi desenhado o plano de recuperação da Casa dos Bicos. Um projecto do arquitecto Santa Rita que o adaptou às actuais funções museológicas, acrescentando os dois andares em falta, com a ajuda de imagens antigas de Lisboa. Em 2012, transformou-se na sede da Fundação José Saramago, um espaço público onde acontecem exposições, recitais, conferências, cursos ou seminários e morada do Núcleo Arqueológico da Casa dos Bicos, com vestígios que começam na ocupação romana.

 

Perca-se na arquitectura de Lisboa

gare do oriente
©Martín Gómez Tagle/Wikicommons

As melhores obras de design e arquitectura em Lisboa

Coisas para fazer

Os feitos arquitectónicos lisboetas estão longe de ter acabado na empreitada pombalina. Milhares de toneladas de betão, ferro e vidro depois, não faltam grandes obras de arquitectura e de design, ao estilo de cada época, para ver sem pagar bilhete. Visitar estes ex-líbris da cidade está ao alcance de todos os que quiserem ver as melhores obras de design e arquitectura de Lisboa. Só tem de se orientar pela nossa lista cheia de curvas e contracurvas arquitectónicas. Dê corda aos sapatos e explore este roteiro obrigatório pelas melhores obras de arquitectura e design em Lisboa.

Igreja de São Vicente de Fora
© Lydia Evans / Time Out

Igrejas em Lisboa que todos os lisboetas deviam conhecer

Atracções Edifícios e locais religiosos

Há precisamente 120 igrejas para descobrir na cidade. Foi difícil, mas conseguimos escolher os templos católicos que nem o mais convicto ateu pode contornar. Não servem apenas para rezar. As igrejas são odes à arquitectura e guardam muitas histórias entre vitrais, azulejos, pinturas e talhas douradas. Não é possível viver em Lisboa e não conhecer pelo menos estas dez igrejas, sempre de porta aberta para que possa entrar sem pedir permissão à hora que lhe der mais jeito. Siga este roteiro de igrejas em Lisboa para ficar mais perto do céu, sem tirar os pés da terra.

Publicidade
Pavilhão de Portugal
Fotografia: Ana Luzia

Prémio Valmor: siga o roteiro dos edifícios distinguidos em Lisboa

Atracções

São prédios com prémio, passando o trava-línguas. Criações com assinatura de prestigiados arquitectos que mantêm o seu espaço na cidade. O famoso Prémio Valmor remonta a 1898, quando foi instituída a atribuição de um valor pecuniário para repartir por arquitecto e proprietário da construção. A ideia foi do 2º visconde de Valmor, Fausto de Queirós Guedes, e a distinção começou a ser atribuída em 1902. Em pouco tempo, tornou-se num dos galardões mais prestigiados na cidade nesta área. Dos primórdios do século XX aos projectos mais recentes, viaje pelo passado e presente ao sabor de edifícios emblemáticos em Lisboa.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade