Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right O maravilhoso mundo dos azulejos em Lisboa
Cortiço & Netos
Duarte Drago

O maravilhoso mundo dos azulejos em Lisboa

Contam histórias, desdobram-se em arco-íris cerâmicos ou revestem monocromaticamente divisões ou fachadas da cidade.

Por Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

Os azulejos fazem parte da identidade gráfica da cidade e lá vão contando histórias do passado de Lisboa. Os primeiros azulejos hispano-mouriscos foram importados de Sevilha por volta de 1503, mas o seu uso foi democratizado após o grande terramoto de 1755, quando muitos aproveitaram azulejos dos escombros para decorarem as suas casas, longe de serem palácios. Não demoraram muito tempo a ser produzidos em Lisboa e são hoje (e desde há muito tempo, na verdade) um dos cartões de apresentação da cidade. Os criativos e artesãos da cidade vão trazendo esta arte para o século XXI, e assim, em Lisboa, podemos saltitar entre quadradinhos de outros tempos e contemporâneos.

Recomendado: Monumentos portugueses que fazem justiça pela própria arte

O maravilhoso mundo dos azulejos em Lisboa

memorial a sophia de mello breyner
memorial a sophia de mello breyner
Fotografia: Inês Félix

Memorial de homenagem a Sophia e Menez

Notícias Vida urbana

Em Belém, foi erguido no início de 2020 um memorial em azulejo projectado pela Galeria Ratton a partir de um projecto da artista plástica Menez (nome artístico de Maria Inês da Silva Carmona, 1926-1995) com poemas de Sophia de Mello Breyner no exterior. Um casamento artístico que ao mesmo tempo recorda a amizade entre a poeta (Sophia não gostava da palavra poetisa) e a pintora e um encontro entre a imagem e a poesia que não é coisa inédita no passado da galeria. O memorial chama-se Espaço Entre a Palavra e a Cor e, mais do que uma homenagem, pretende-se que a obra em azulejo com poemas de Sophia (seleccionados pela filha Maria Andresen de Sousa Tavares), e imagens de Menez seja igualmente um espaço de cultura, no centro de duas meias luas separadas por 16 metros.

Fotografia: Inês Félix

A ligação de Menez à Galeria Ratton remonta aos anos 80: foi uma dos artistas (a par de Lourdes Castro, João Vieira, Bartolomeu Cid dos Santos e Paula Rego) que participaram na exposição inaugural da galeria em 1987, chamada “Azulejos para a arquitectura”. Nessa altura, pretendia-se voltar a olhar para o azulejo como veículo de expressão artística, como tinha acontecido no século XVIII, missão que a Ratton tem cumprido até hoje. Uma das intervenções de referência no espaço urbano com assinatura de Menez e produção da Galeria Ratton é “Dança” (1990), um painel na Rua Marcos Portugal. Mais conhecida é a série de personagens e episódios de vida do Marquês pintadas a azul sobre fundo de azulejos brancos (1995) na Estação do Marquês de Pombal.

+ O maravilhoso mundo dos azulejos em Lisboa

+ Os melhores restaurantes em Belém

add fuel, louvor da vivacidade
add fuel, louvor da vivacidade
©DR

As escadarias da Infante Santo

Em 1959, a Câmara Municipal de Lisboa instalou em quatro escadarias da Avenida Infante Santo painéis de azulejos de Maria Keil, Alice Jorge e Júlio Pomar, Rolando Sá Nogueira e de Carlos Botelho. Em 1994 chega o painel cerâmico de Eduardo Nery, encomendado para Lisboa Capital Europeia da Cultura. Mas há cinco escadarias da avenida e faltava decorar a que dá acesso à Rua Joaquim Casimiro. Um “problema” resolvido em 2017 com a arte de Add Fuel (Diogo Machado), conhecido por reinterpretar o design tradicional dos azulejos portugueses que num painel de 200m2, homenageou os artistas da azulejaria de padrão e os restantes trabalhos da Infante Santo.

Publicidade
quinta dos azulejos
quinta dos azulejos
Aline Macedo/Jardins Abertos

Jardim da Quinta dos Azulejos

Coisas para fazer Lumiar

Desde 1935 que num antiga casa senhorial do século XVII funciona o Colégio Manuel Bernardes. E desde a década de 60 do século passado que o jardim desta quinta é considerado Imóvel de Interesse Público. E é uma espécie de paraíso azulejar. Alguns azulejos, em estilo Barroco Rococó, são mesmo anteriores ao terramoto de 1755, revestem colunas, muros e bancos e alongam-se entre cenas bíblicas, nobre, campestres ou mitológicas.

tardoz
tardoz
Fotografia: Duarte Drago

Tardoz

Compras Arte, artesanato e passatempos Marvila

Isabel Colher é uma das grandes especialistas portuguesas no restauro de azulejos tradicionais portugueses – e trata com a mesma dedicação um exemplar do século XVI e um do século XX. Na sua pequena oficina em Marvila, um espaço que partilha com o colega e amigo Loubet Simões, também técnico de restauro, não tem mãos a medir. É no seu blogue (tardoz.wordpress.com) que vai mostrando o desenrolar e os frutos do seu trabalho de restauro – e também de ceramista, uma espécie de passatempo que vai tendo cada vez mais saída. Tem pequenos contentores em terracota para regar as plantas, medidores da humidade da terra dos vasos, marcadores para ervas aromáticas ou relógios de sol em barro. Da Tardoz já sairam réplicas de azulejos do painel criado por Júlio Pomar e Alice Jorge em 1958 para a Avenida Infante Santo, da Porta do Alhandra no principal acesso ao Palácio da Pena ou das fachadas do hotel O Artista e da pastelaria Pão de Canela.

Publicidade
viuva lamego
viuva lamego
©DR

Viúva Lamego

Compras Intendente

Não tem como se enganar: é o edifício com a fachada integralmente decorada por azulejos figurativos. São a prova do pioneirismo desta antiga olaria no uso da publicidade. Lá dentro encontra os azulejos e os objectos de cerâmica que a casa produz desde 1849 e que estão por toda a cidade (no metro do Intendente, por exemplo, com assinatura de Maria Keil).

oficina santa rufina
oficina santa rufina
Fotografia: Inês Félix

Oficina Santa Rufina

Compras Arte, artesanato e passatempos Castelo de São Jorge

Um espaço que mora na colina do Castelo há cerca de cinco décadas, mas que é mais famoso entre quem nos visita. Poucos portugueses tocam à campainha da oficina hoje liderada pela artesã e desenhadora Cristina Lopes, nascida na Mouraria e formanda de Querubim Lapa na António Arroio. Começou a trabalhar nesta oficina com apenas 19 anos, conhece bem os cantos à casa e os cantos de todo o tipo de azulejos. 

Publicidade
solar antiques
solar antiques
©Inês Félix

Solar Antiques

Compras Antiguidades Avenida da Liberdade/Príncipe Real

É a maior e mais antiga loja do mundo especializada em azulejos originais. Verónica Leitão é a terceira geração da família a abraçar o negócio que inclui um número infindável de azulejos portugueses dos séculos XV a XIX, painéis originais, como o Painel dos Saltimbancos que nasceu no século XVIII na Quinta dos Anjos de Carnide (por 8200€ é seu), muita porcelana das Caldas da Rainha, colunas em talha, portas, peças de exterior, um cantinho Bordalo – tudo, enfim, o que Manuel Leitão, filho do fundador, acredita ser a alma de um povo. “Não estamos a vender, estamos a transmitir conhecimento e peças a gerações futuras”, defende. E é seguro comprar aqui azulejos: “Não compramos em pequenas quantidades, porque podem ser azulejos roubados. Tudo o que compramos é reportado à polícia”, explica Verónica. Se quiser um bonito azulejo, por 10€ vai bem servido.

Igreja da Madre de Deus
Igreja da Madre de Deus
©Museu Nacional do Azulejo

Museu Nacional do Azulejo

Museus Beato

O azulejo é a prova física do sentido prático dos portugueses que escolheram este material convencionalmente pobre para decorar espaços interiores e edifícios. No Museu, instalado no Convento da Madre de Deus, estão representados alguns dos mais significativos exemplares da azulejaria nacional, do século XV até aos nossos dias.

Publicidade
cortico e netos
cortico e netos
Fotografia: Duarte Drago

Cortiço & Netos

Compras Decoração Lisboa

Os netos do senhor Cortiço herdaram um dos maiores stocks de azulejos da cidade. Nesta verdadeira azulejoteca encontra todo o tipo de formas, relevos e cores, entre azulejos mais comuns e outros mais raros. Se partiu um azulejo antigo na cozinha lá de casa, esta loja pode ser mesmo a única solução para tapar o buraco. Mas a Cortiço & Netos não se limita a vender quadradinhos. Os tabuleiros, também feitos com azulejos antigos, têm muita saída, fora os projectos desenvolvidos pela loja, já com um pé nas artes. Afinal, instalações, exposições e projectos de design, como o Bairro do Avillez, só ficam bem no currículo de uma das lojas mais especiais de Lisboa.

fábrica santana, fornos
fábrica santana, fornos
Fotografia: Arlindo Camacho

Fábrica Sant’Anna

Compras Arte, artesanato e passatempos Alcântara

A cada passo que damos, numa das mais antigas fábricas de Lisboa, encontramos quadrados de história nas paredes. Inaugurada em 1741 na Rua de Sant’Anna à Lapa, mudou-se para a Junqueira quando a Avenida Infante Santo rasgou a fábrica ao meio. Nos anos 30 instalou-se na Ajuda, onde ainda funciona hoje, também como loja (além da segunda loja na Rua do Alecrim). Aqui tudo se cria através do uso de técnicas ancestrais e processos artesanais, da modelação à cozedura. Tanto pode encomendar um azulejo com padrões do século XVI, painéis de azulejos e faiança, encomendar um restauro ou mesmo frequentar um workshop de azulejos. Estará a aprender com os melhores.

Publicidade
surrealejos
surrealejos
©DR

Surrealejos

Compras Arte, artesanato e passatempos Castelo de São Jorge

Um jovem italiano mudou-se para Lisboa para dar à azulejaria portuguesa uma pitada de surrealismo.Estes azulejos têm caveiras, elefantes, crustáceos de toda a espécie, insectos, sardinhas, tesouras e alfinetes de ama. Além de os poder comprar individualmente, o artista também está aberto a outras sugestões, seja um conjunto de quatro azulejos dentro de uma moldura minimalista, seja uma encomenda megalómana de um painel surrealista. Quer forrar as paredes da casa de banho? Também se arranja.

Galeria Ratton
Galeria Ratton
©DR

Galeria Ratton

Arte Chiado/Cais do Sodré

Um projecto tornado possível graças à colaboração de artistas portugueses, alemães, espanhóis e americanos, como Paula Rego, Júlio Pomar, Menez, Costa Pinheiro, Jorge Martins, Graça Morais, Lourdes Castro, João Vieira, Bartolomeu dos Santos, Pedro Proença, Andreas Stöcklein, Querubim Lapa, Isabel Azeredo, Cristina Lamas, lluis Hortallà, Pedro Cabrita Reis e Betty Woodman, entre outros. Em 1987, a galeria Ratton apostava na produção de cerâmica, convidando pintores e artistas plásticos a trabalharem o azulejo, essa bandeira nacional. Encetava-se assim um trajecto de recuperação da tradição deste ex-líbris, não só pelo enfoque na evolução das técnicas de produção como pelas novas formas de viver os espaços, com o azulejo a reflectir as tendências dos dias que correm.

Publicidade
Mural de André Saraiva
Mural de André Saraiva
Fotografia: Ana Luzia

Mural de azulejos de André Saraiva

André Saraiva criou para o Jardim Botto Machado (junto à Feira da Ladra) um megalómano mural com 188 metros de comprimento 1011m2 de área e precisamente 52 738 mil azulejos. André, luso-francês, ficou conhecido nos anos 90 com o seu alter ego Mr. A, uma personagem que também funciona como a sua assinatura e que se espalhou por algumas cidades europeias. Este mural reinterpreta a cidade com alusão a alguns dos principais monumentos, misturados com outros elementos, como uma Torre Eiffel.

livros sobre lisboa
livros sobre lisboa
©DR

Livro Azulejo em Lisboa

Os azulejos de Lisboa são um dos tesouros da Europa. E como qualquer tesouro que se preze, precisa de um mapa para ser encontrado, mesmo que muitas das suas joias estejam à vista de todos. Este álbum fotográfico da editora Zest chama-se Azulejo em Lisboa, é da autoria da Direcção Municipal de Cultura e além das fotografias, assinadas por José Vicente, traz um mapa acoplado que pode ser comprado em conjunto ou em separado. A viagem proposta começa no século XVI e ao longo de palácios, igrejas ou fachadas, dará atenção a artistas mais antigos, como o Ferreira das Tabuletas (Loja Viúva Lamego, no Largo do Intendente), a outros mais modernos, como Almada Negreiros (Rua do Salitre, 132).

Preço: 26€ em www.zestbooks.pt

Arte nas ruas da cidade

Arte Urbana, André Carrilho, Estação de Sete Rios
©Melissa Vieira

As novas obras de arte urbana em Lisboa

Arte Arte ao ar livre

São muitos os artistas urbanos que têm encontrado na cidade de Lisboa as telas perfeitas para exprimir a sua arte. Uma arte cada vez mais apoiada não só pela Câmara Municipal de Lisboa (através do Gabinete de Arte Urbana) e juntas de freguesia, mas também por vários negócios da cidade. Desde Março, a cidade ganhou grandes peças de arte urbana, graças aos muitos os talentos que saíram à rua para dar novas cores à cidade, tendo por base os mais variados temas. Seguimos o cheiro da tinta e propomos um roteiro fresquinho para descobrir este Verão.

Festival Iminente 2020
Gabriell Vieira

A arte urbana está bem de saúde no Panorâmico de Monsanto

Arte

A Oficina Iminente assumiu-se como o novo modelo do festival Iminente, mas adaptado às novas circunstâncias. O festival mudou e aconteceu de 9 a 19 de Setembro no Panorâmico de Monsanto num formato híbrido, dividido entre transmissões online de concertos e conversas, e workshops e intervenções de arte urbana. Ao longo dos dias de festival, nasceram novas obras de arte que ficarão no Panorâmico para apreciação de todos, assim que este abrir enquanto miradouro – coisa que se prevê para Outubro. Add Fuel, AkaCorleone, Francisco Vidal, Tamara Alves e Wasted Rita foram os culpados das novas intervenções com a curadoria e direcção artística da Galeria Underdogs.

Publicidade
arte urbana
Fotografia: Hazul

Um roteiro de arte urbana em Marvila

Coisas para fazer

Nos últimos anos, Marvila tornou-se uma autêntica galeria a céu aberto. Anote como coordenadas o Bairro das Salgadas (Rua Dinah Silveira de Queiroz), a Quinta Marquês de Abrantes (Rua Alberto José Pessoa) e o Bairro da Quinta do Chalé (Rua José do Patrocínio), três dos núcleos abrangidos pelos artistas das tintas. Para um roteiro com orientação a preceito, consulte as visitas-guiadas da Galeria de Arte Urbana. De caminho, não se esqueça de visitar a Galeria Underdogs, meca da cultura visual, e de passar a pente fino a restante oferta ao nível das artes.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade