Global icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right O melhor de Marvila

O melhor de Marvila

Este é um bairro em acelerada renovação – sem depender do turismo para se reinventar e avançar. Descubra o melhor de Marvila.
Marvila
Fotografia: Manuel Manso
Por Editores da Time Out Lisboa |
Publicidade

Marvila é a única zona da cidade em acelerada renovação sem ter o turismo como motor. Antigos armazéns abandonados são agora espaços de cowork onde também se pode andar de skate, há fábricas de cerveja artesanal a cada canto do bairro (e até formam um distrito de quarteirão e meio entre elas), salas de espectáculo ou de raves, onde cabem mil pessoas, e espaçosas galerias de arte, uma vertente crescente por estes lados graças ao espaço que ainda há para ocupar.
 Fomos espreitar e descobrir as maravilhas de Marvila para lhe trazer um roteiro completo do bairro. 

Recomendado: Roteiro de arte urbana em Lisboa

O melhor de Marvila

Armazém 16
©DR
Coisas para fazer

Roteiro perfeito

Chegou a ser o ponto cardeal mais desprezado de Lisboa, mas começou a ganhar vida e pontos de interesse. É em Marvila que tem sido semeado talento e criatividade que fertiliza dezenas de novos projectos, sempre com a ajuda dos armazéns que o bairro ainda vai disponibilizando, quer seja para abrir galerias de arte, restaurantes ou fábricas de cerveja. Eis uma longa série de desculpas para rumar ao bairro da moda e descobrir a maravilha que é Marvila, das galerias aos restaurantes, passando pelas lojas e cervejeiras.

Tap Room Dois Corvos
Fotografia: Arlindo Camacho
Noite

Onde beber um copo

Marvila já não é uma surpresa, é uma certeza lisboeta, cheia de pinta e de empreendedores. A vida nocturna não foge à regra: há muitos bons bares, incluindo os do Lisbon Beer District, o sítio onde tem de estar para beber boa cerveja.

Publicidade
Coisas para fazer

Onde encontrar arte urbana

Foi em 2017 que o Festival Muro transformou 17 paredes laterais de prédios em 17 telas de grandes dimensões, contando com a intervenção de artistas portugueses e internacionais. Entretanto, a arte urbana continua bem e recomenda-se. E Marvila, a zona que acolheu este projecto cheio de cor, tem seguido pelo mesmo caminho. Autêntica galeria a céu aberto, este é só mais um bom motivo para partir à descoberta da zona oriental da cidade. Anote como coordenadas o Bairro das Salgadas, a Quinta Marquês de Abrantes e o Bairro da Quinta do Chalé, três dos núcleos abrangidos pelos artistas das tintas. Para um roteiro com orientação a preceito, consulte as visitas-guiadas da Galeria de Arte Urbana. Ah, e de caminho, não se esqueça de passar pela Galeria Underdogs, meca da cultura visual e de passar a pente fino a restante oferta ao nível das artes. 

Café com Calma
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes

Onde comer

Marvila não precisa de hordas de turistas à procura de pastéis de nata, munidos de paus de selfie e montados em segways, para crescer. Neste bairro, comem-se pizzas, pequenos-almoços almoçarados, os melhores pratos de bacalhau e até comida sul-americana. Rume a Oriente, olhe o rio, veja uma arte numa galeria independente e sente-se à mesa num dos melhores restaurantes em Marvila.

Publicidade
musa
Fotografia: Francisco Santos
Coisas para fazer

Paragens obrigatórias na Rua do Açúcar

A leste pode estar o paraíso e Marvila é prova disso. O bairro mais cool da cidade tem o seu epicentro na Rua do Açúcar (assim chamada graças à antiga fábrica de açúcar) e na Praça David Leandro da Silva, com o nome de um comerciante que morreu no fim do século XIX. Depois de décadas ao abandono, a zona industrial está mais viva do que nunca e em cada armazém esconde-se uma surpresa. Dos restaurantes à cerveja artesanal, há muitas razões para se orientar por estas bandas.

Outros bairros de Lisboa

monsanto, keil do amaral, vista do rio
Fotografia: Arlindo Camacho
Coisas para fazer

O melhor de Monsanto

Monsanto é, sem discussão possível, o pulmão da cidade. Mas podemos vê-lo também como o pulmão extra que ajuda a respirar os lisboetas em todas as idades. Para os mais novos é um enorme playground com vários parques infantis e equipamentos que os entretêm durante horas; para os adolescentes é aquele sítio chave onde podem passar horas entre piqueniques, passeios e selfies nos miradouros; para os adultos é uma pista de atletismo, um green para exercício físico, um campo aberto para passear o cão e, de novo, um local para depositar os miúdos. O ciclo fecha-se nestes 1000 hectares de natureza.

árvore do jardim do principe real
Fotografia: Manuel Manso
Coisas para fazer

O melhor do Príncipe Real

Foi no Príncipe Real que se instalou a nova dinastia da restauração lisboeta, para comer como um príncipe, os terraços para beber copos se multiplicaram e as concept stores apareceram porta sim, porta não. Sem esquecermos os nomes sonantes que, num cirandar constante, também têm poiso no bairro, do chef Kiko aos designers Lidija Kolovrat ou Nuno Gama. 

More to explore

Publicidade