Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Cervejas há muitas: os principais estilos e tipos de cerveja artesanal

Cervejas há muitas: os principais estilos e tipos de cerveja artesanal

Há mais de cem estilos e tipos de cerveja (artesanal, ou nem por isso). Conheça alguns dos mais comuns

Oficina da Cerveja
DR
Publicidade

Cervejas há muitas. Há milhares de marcas e receitas espalhadas pelo mundo, e só os estilos e tipos de cerveja são mais de 100, uns com pequenas e outros com enormes diferenças entre si. Seria ingrato, e em última análise inútil, estar a enumerá-los todos, mas é preciso separar o trigo do joio. Ou da cevada. 

Basicamente, há duas grandes famílias de cerveja: as ales, de alta fermentação, que usam certas leveduras (como Saccharomyces cerevisiae), e as lagers, de baixa fermentação, que usam outras leveduras (normalmente Saccharomyces pastorianus) – no entanto, há ales que usam leveduras de lagers e vice-versa. E ainda há cervejas de fermentação espontânea, como as lambics. que não se inserem em nenhuma das duas categorias. Confuso? Continue a ler que já passa.

Recomendado: Os melhores sítios para beber cerveja artesanal em Lisboa

Ales

Amber Ale

É um daqueles termos que servem para designar diversos estilos de cerveja. No entanto, de uma maneira geral, falamos de ales caramelizadas, de cor âmbar ou acobreada, umas vezes com mais, outras com menos lúpulo.

Barleywine

É um estilo secular. A designação já era usado na antiguidade clássica e tem uma longa tradição em Inglaterra. São cervejas complexas e com muito álcool (entre 8% e 12%), que podem ser mais maltadas, no caso da variante inglesa, ou lupuladas, como as americanas.

Publicidade

Brown Ale

Como o nome indica, são cervejas acastanhadas. Tirando isso, são muito diferentes entre si, havendo desde brown ales adocicadas e pouco alcoólicas até exemplos mais amargos e mesmo torrados.

India Pale Ale

São cervejas muito lupuladas, com aromas e sabores frutados e herbáceos ou florais, de cor dourada a acobreada. Foram criadas originalmente na Inglaterra e exportadas para a Índia, mas quando hoje pensamos no estilo pensamos nas suas diversas variantes americanas.

Publicidade

Pale Ale

Há muitos estilos de pale ales. Desde as inglesas, mais amargas e secas, às americanas, mais frutadas e equilibradas, passando até por cervejas belgas com notas florais e condimentadas. A cor também pode variar entre o dourado e o cobre.

Porter

São cervejas escuras, quase pretas, produzidas na Inglaterra desde o século XVIII. São parecidas com as stouts – ao ponto de muitas pessoas não as conseguirem distinguir – mas costumam ser menos encorpadas e mais doces, com notas de chocolate.

Publicidade

Saison

Originárias da Bélgica, são cervejas claras, com muito gás e espuma. De aroma e sabor complexos, com notas de especiarias e citrinos. Antigamente tinham pouco álcool – perto de 3% – mas actualmente andam à volta dos 5 ou 6%. 

Sour Ale

Quando falamos de sour ales, falamos de cervejas de alta fermentação posteriormente inoculadas com brettanomyces, lactobacilos ou outras bactérias. É o caso de cervejas de trigo como as berliner weisses, ácidas e pouco alcoólicas, ou as goses, mais cítricas e salgadas.

Publicidade

Stout

São pretas, fortes e encorpadas, com maltes escuros e torrados. No aroma e sabor há normalmente notas de café e chocolate preto. Há inúmeras variações e sucedâneos deste estilo, das chamadas milk stouts, com lactose, às imperial stouts, com um elevado teor alcoólico.

Trappist

Mais do que um estilo, é a designação dada às cervejas produzidas por monges trapistas, sobretudo na Bélgica, mas também noutros países da Europa e até nos Estados Unidos. As cervejas vão desde blondes e outras ales com menos álcool, às dubbels, tripels e quadrupels, progressivamente mais alcoólicas e complexas.

Publicidade

Weizenbier

São as chamadas cervejas de trigo – apesar de também levarem alguma cevada. Originárias da Alemanha e tradicionalmente claras, podendo ou não ser turvas, são pouco ou nada amargas, com notas de banana no sabor e no aroma.

Lagers

Bock

Um estilo de lager de origem alemã. São fortes, robustas e nutritivas, normalmente de cor acobreada ou castanha. Com o malte muito presente no sabor e notas de caramelo e frutos secos. Há umas quantas variações deste estilo.

Dunkel

Dunkel quer dizer "escuro" em alemão. E é isso mesmo que as dunkels são: lagers escuras. Frequentemente adocicadas e complexas, com notas de frutos secos e chocolate no aroma e no sabor.

Publicidade

Pale Lager

Mais uma vez, em teoria e na prática, uma pale lager é qualquer lager clara. O termo aqui é usado, porém, para definir as lagers tradicionais, geralmente de produção industrial. São as cervejas mais consumidas do mundo, com um sabor neutro e de cor amarela clara e límpida.

Pilsner

O nome vem da cidade de Pilsen, na República Checa, onde foram produzidas pela primeira vez estas cervejas douradas, suaves e frescas, com um bom equilíbrio entre o malte e os lúpulos. É um dos estilos mais populares.

Publicidade

Schwarzbier

São cervejas pretas, opacas e ligeiramente amargas. Feitas com maltes torrados, que lhes conferem um sabor e aroma a café e chocolate preto. Normalmente têm cerca de 5%.

Vienna Lager

Apesar do nome, actualmente não se fazem muitas Vienna lagers em Viena. De cor âmbar ou castanha, são muito populares no México e no resto da América do Norte. São cervejas leves, com pouco corpo e sabor.

Lambics

Faro

Uma cerveja belga, de fermentação espontânea, que é misturada com uma segunda cerveja mais leve e, por fim, açúcar. Têm um sabor doce, açucarado, sem a acidez característica de outras lambics.

Gueuze

Uma mistura de lambic nova (com um ano) com uma velha (com dois ou três anos), posteriormente refermentada. É um estilo de cerveja azedo e complexo, que algumas pessoas comparam a um bom champanhe.

Publicidade

Kriek

Uma lambic à qual são adicionadas ginjas e volta a ser fermentada. O restultado final, idealmente, é uma cerveja menos ácida e mais frutada, sem ser doce. Há também lambics às quais são adicionadas outros frutos, como por exemplo framboesas, pêssegos, uvas ou morangos, mas aí já não se chamam krieks.

Cerveja para todos

Publicidade