A Time Out na sua caixa de entrada

Lisboa, unida, é sempre BIP/ZIP

Por Renata Lima Lobo
Publicidade

Está fechada a sétima edição deste programa municipal de parcerias locais com a aprovação do apoio a mais 38 projectos sociais.

Desde que foi criado em 2011 já distribuiu 11 milhões de euros para projectos que têm dinamizado os bairros da cidade através de parcerias e pequenas intervenções que fazem a diferença e dão outra energia a Lisboa. O Programa BIP/ZIP – Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária de Lisboa cria emprego, apoia populações mais desfavorecidas, tanto financeira como socialmente, e estabelece sinergias entre entidades de forma a resolver as necessidades de cada local.

É o caso do projecto Memórias do Casal Ventoso, promovido pelo PROJECTO ALKANTARA – Associação de Luta Contra a Exclusão Social. Através de um levantamento de memórias dos 180 anos de vida do Casal Ventoso é proposta a criação de um Núcleo de Interpretação do Casal Ventoso, um livro sobre este tema ou mesmo um grupo de teatro intergeracional com residentes. Elementos que o projecto considera serem "facilitadores para aquisição de modelos de cidadania e para uma transformação positiva dos indivíduos oriundos do referido ex-bairro e entretanto realojados".

Já a Associação Histórias Desenhadas viu um projecto aprovado para outra zona de Lisboa. Chama-se Na Rua Com Histórias e vai aproximar a população de pelo menos um tuk tuk. Em vez de passear turistas, o tuk tuk vai passear livros em modo biblioteca itinerante pelas ruas estreitas dos bairros históricos de Alfama, Mouraria, Castelo, Graça e Sapadores. Leva livros, mas também "leitura em voz alta, notícias, esperança, laços afectivos, partilha e com ela a transformação individual e social", lê-se no projecto que paralelamente visa promover actividades que promovam os hábitos de leitura e diminuição do isolamento da população idosa.

E se o projecto A Avó Veio Trabalhar foi um dos grandes sucessos da história do BIP/ZIP, agora é a vez deles. Dos avôs. A Fermenta – Associação conseguiu o apoio para o projecto e o Avô Também que irá dinamizar workshops direccionados aos "guardiões da cultura imaterial do território", promovendo a aprendizagem na área dos ofícios tradicionais – carpintaria, tecelagem e serigrafia – em parceria com residentes do Cowork Lisboa da Lx Factory. O objectivo, além de combater o isolamento da população sénior, é criar quatro colecções de objectos que representem a cultura da comunidade local, num total de 300 produtos manufacturados que serão postos à venda.

Conheça todas as candidaturas vencedoras aqui.

+ Mezze: uma casa síria, com certeza

+ Claire de Santa Coloma vence Prémio Novos Artistas Fundação EDP

Últimas notícias

    Publicidade