Lisboa zen: as modalidades alternativas que tem de experimentar

O stress da cidade leva-o à loucura? Não vá mais longe, estas modalidades ajudam a relaxar e a esquecer a confusão.

©DR

Inspirámos e expirámos para saber quais são as modalidades alternativas para combater o stress e entrar em modo zen. Relaxe e alinhe o corpo com a mente, do yoga ao tai chi. 

As modalidades alternativas que tem de experimentar

Meditação

Meditação

Hummm… inspire e expire. Encontre um lugar sem distracções, cruze as pernas à chinês e atinja o ponto máximo de relaxamento – é isso que a meditação promove. “Meditação é parar as ondas mentais, para entrar em estados de concentração máxima – é trazer o corpo junto com a mente”, conta-nos Jorge Moreira, professor na Yoga Live Academy (Ter 20.30 e Qui 20.45. Rua António Pedro, 1). Na meditação não existe tempo, cada corpo e cada mente tem o seu percurso, ou seja, qualquer pessoa de qualquer idade a pode praticar porque é uma modalidade que se adapta. Maior concentração, mais disciplina e consciência são algumas das valências que pode arrecadar. Para praticar meditação siga os métodos tradicionais em escolas como o Centro Upaya (Ter 19.30, Qua 13.00 e Qui 18.00; 20€/cartão de 5 sessões; Calçada dos Sete Moinhos, 143 A) ou procure uma opção mais alternativa, como o recente projecto No Teu Jardim, que arrancou em Janeiro e propõe uma aula de meditação guiada todas as semanas num jardim diferente de Lisboa (11 de Fevereiro no Jardim da Estrela, 10.00/ 5€. noteujardimlisboa@gmail.com).

Yoga

Yoga

Esta será talvez a modalidade que dispensa apresentações. “O yoga não é só físico, envolve sobretudo a mente”, explica Beatriz Katchi, professora na Associação de Yoga Integral (Seg-Qui vários horários; 25€/mês uma vez por semana; Av. de Madrid, 28- 1.º Dto). A base do yoga é sempre a mesma, o que varia são as suas vertentes, que podem exigir mais movimento – no caso do yoga dinâmico – ou algo mais vagaroso, no caso do yoga integral, e tudo isto depende da adaptação do próprio praticante e aquilo que o relaxa mais. “Uma das coisas mais importantes que se trabalha no yoga, em qualquer vertente, é a respiração e o seu ajuste às condições do dia-adia”, diz. O yoga, que pode ser praticado por todas as idades, acaba por equilibrar as atitudes físicas, o tónus muscular e o ritmo respiratório, conseguindo que cada pessoa se molde à prática. Inscreva-se nas aulas do Dhara Yoga & Mind Center (yoga integral e dinâmico de segunda a sábado; Avenida Conde de Valbom. 82- 7.º piso) ou na Casa Vinyasa para ashtanga yoga (Seg-Sáb 07.00-09.45; 12.30-14.00 e 18.30-21.00. Av. Sidónio Pais, 16). Sem esquecer o Centro Português de Yoga (Seg-Sáb nível iniciantes, intermédios e avançados; Av. Miguel Bombarda, 145 R/C).

Publicidade
Tai Chi

Tai Chi

Tem origem na China e pratica-se há mais de mil anos. A práctica constante cultiva o equilíbrio e harmonia, “é uma espécie de preparação do corpo e da mente para enfrentar o dia”, explica-nos Luís Moreira, professor da modalidade. O tai chi continua a provar que tem efeitos imediatos na mente e, feito com regularidade, ajuda as articulações do corpo e a adquirir mais elasticidade e coordenação. “Qualquer pessoa pode praticar, dos 8 aos 80, e mais do que isso, não tem limitações de espaço. Depois de aprenderem, as pessoas podem fazer tai chi em casa”, diz. Não é fácil encontrar locais onde possa praticar tai chi, mas para que nada lhe falte dizemos-lhe onde o pode fazer. Junte-se com os seus amigos e marque umas aulinhas ao ar livre em pleno Martim Moniz, no quiosque da Terra Heal (Aulas em grupo por marcação info.terraheal@ gmail.com; 20€/mês uma vez por semana). Tem a opção de aulas na Associação de Arte Orientais, a Neijia (Seg e Qui 19.00; Avenida Coronel Eduardo Galhardo, 28C) ou no Museu do Oriente (1.º e 3.º domingo de cada mês - aulas bimensais; 20€/mês; Avenida Brasília, 352).

Chi Kung

Chi Kung

Tanto o tai chi como o chi kung derivam do kung fu, portanto têm algumas coisas em comum. Ainda assim, o chi kung tem uma componente mais terapêutica que mexe e remexe com o nosso organismo. “No chi kung trabalhamos o sistema circulatório, osteomuscular, as emoções e, claro, mexemos com os sistemas energéticos que fazem parte do nosso corpo”, diz Margarida Bettencourt, professora no Instituto Macrobiótico de Portugal (Ter e Qui 12.30 e 18.45; 40€/ mês uma vez por semana; Rua Anchieta, 5, 2.ºesq). “É muito adaptável às condições das pessoas e aos problemas que elas apresentam”. A prática desta modalidade serve para regular a energia, o que resulta numa melhor postura e um corpo com menos tensões físicas e mentais — uma maravilha para ir trabalhar descansadinho. Experimente as sessões na Escola de Medicina Tradicional Chinesa (Seg, Qua e Sex 19.00 e Sáb 10.00. Rua de Dona Estefânia, 175), onde também pode cuscar as restantes aulas de artes marciais, ou as do Instituto de Reflexologia (Ter e Qui 18.30; 25€/mês uma vez por semana; Rua Dr. António Granjo, 12 - R/C).

Publicidade

Mais desporto em Lisboa

Os melhores sítios para praticar yoga em Lisboa

Ao ar livre ou dentro de portas, o yoga é uma modalidade em crescendo. Cada vez mais pessoas começam a preocupar-se em ter um estilo de vida saudável. Lugares clean e tapetes de borracha alinhados simetricamente pelo chão: tudo pronto para entrar em modo zen. 

Ler mais
Por Francisca Dias Real

Aulas de ginásio para ficar em forma

Equilíbrio dentro da piscina, ballet para totós, treinos de alta intensidade e exercícios para quem não tem medo de alturas – está oficialmente aberta a época do regresso ao ginásio (sobretudo agora com a época festiva e os abusos nos doces e salgadinhos). E já que é para suar à grande, ao menos que também seja divertido. 

Ler mais
Por Mauro Gonçalves
Publicidade

Os melhores sítios para correr em Lisboa

Matas, parques, zonas ribeirinhas. Basta escolher o cenário mais apelativo para começar, ou continuar, a correr em Lisboa. Decore as paragens que se seguem e fique em forma num instante. 

Ler mais
Por Editores da Time Out Lisboa

Comentários

0 comments