Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right O que é que o padel tem?

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

Desporto, Marcas Portuguesas, Padel, Volt
©DR

O que é que o padel tem?

A modalidade está na berra, com cada vez mais adeptos, praticantes, federados e campos para bater bolas em Portugal. Pegámos na raquete e foi tentar perceber porquê.

Por Vera Moura
Publicidade

Sofia Araújo e Miguel Oliveira, os portugueses com melhor classificação no World Padel Tour (WPT), tentaram explicar a febre da modalidade no nosso país.

O padel já está a bombar em países como o Brasil ou Espanha há muito tempo, mas só recentemente os portugueses o descobriram. Como é que vês esta febre do padel no nosso país?

Sofia Araújo (SA) – É incrível! É giro ver a quantidade de pessoas que nunca fizeram desporto e que agora não largam o padel. Há cada vez mais jogadores, mais clubes, mais torneios, mais patrocinadores interessados. Portanto diria que é um desporto que veio para ficar e que ainda tem muito para dar!

Miguel Oliveira (MO) – O padel está a crescer cada vez mais e, além do nível social ser cada vez maior, também já se vê alguma profissionalização e jogadores e jogadoras que começam a fazer vida disso. Além dos adultos e veteranos a jogar, o que se tem notado é um imenso crescimento a nível juvenil. Os miúdos jogam cada vez mais padel – e isso é o futuro.

O que é que o padel tem para ser tão atraente mesmo para amadores?

SA – É muito fácil começar a jogar. Qualquer pessoa que joga pela primeira vez consegue acertar na bola, o que não acontece no ténis ou no golfe, por exemplo. Outra das razões é que se joga sempre a pares, o que torna o padel um desporto muito social. Por último, mas para mim o mais importante, o padel é muito divertido!

MO – Tem duas particularidades interessantes: é um desporto fácil de praticar e de evoluir e depois tem uma componente social interessante no pré e pós exercício físico. Também sendo a dois (tenho sempre de arranjar uma pessoa para jogar comigo e mais duas para jogar contra mim) faz com que a roda e o mundo do desporto gire – hoje jogo com um, amanhã com outro, hoje aquele é meu parceiro, amanhã jogo contra ele.

Já começamos a ter uma geração padel em Portugal ou a grande maioria dos jogadores continua a vir do ténis?

SA – No padel mais social vê-se de tudo, pessoas que nunca fizeram desporto, pessoas que vêm do ténis e pessoas que aderiram simplesmente ao padel. Se estivermos a falar da vertente de competição, ainda há muito poucos jogadores apenas com base no padel. Penso que todos da selecção nacional ainda vieram do ténis, o que tem pontos positivos mas também negativos.

MO – A nível profissional, os melhores vieram todos do ténis. Na parte amadora há muitas pessoas que nunca praticaram desportos de raquetes e que acabam por ficar muito envolvidas. Já temos vários exemplos de jovens que só jogam padel – e provavelmente eles é que vão ser os futuros campeões. Penso que as pessoas que vêm directamente do padel, sem passar pelo ténis, terão mais vantagem e sucesso, se bem que o ténis pode ser bom para perceber melhor o movimento e a forma como se desenvolve a pancada.

Estão no n.º 17 (Sofia) e 70 (Miguel) do ranking do WPT. Quais os planos para 2021?

SA – Ainda não estou em Madrid e, portanto, ainda não tive hipótese de delinear os meus objectivos mais concretos com a minha [nova] parceira [Eli Amatriaín, n.o 10 do WPT] e com o meu treinador. Mas a minha ambição é chegar a uma final e acabar a época entre as oito melhores duplas do mundo!

MO – O meu melhor ranking foi o 52 do mundo. Em 2021 gostava de recuperar um bocadinho essa posição e essas sensações. O ano que passou, devido à situação que vivemos, foi complicado porque não saí de Portugal para treinar, apenas para participar em torneios internacionais. Pessoalmente sofri com isso: faltou-me ritmo, trabalho, aprender lá fora, sobretudo em Espanha, onde está a elite do padel mundial.

Recomendado: Campos para jogar padel em Lisboa

Desporto entre quatro paredes

exercícios
Li Sun / Pexels

Do yoga ao treino intensivo: as melhores aulas e treinos em casa

Coisas para fazer Eventos desportivos

Rebolar é um verbo que não queremos usar quando a pandemia deixar de assombrar o quotidiano, mesmo quando o conforto do lar nos leva a crer que o sofá é o melhor sítio para estar. Sintonize-se nestas iniciativas que, em streaming ou por vídeos, vão pô-lo a mexer.

Publicidade
exercício
Kelly Sikkema/Unslapsh

Mexa-se: 13 apps para ficar em forma

Coisas para fazer

Sabia que para alguns treinos precisa de menos de 10 minutos? Mais intenso, menos intenso, para tonificar ou para perder peso, há de tudo nesta lista. Seja como for, saia do sofá, faça o download destas apps para ficar em forma e ponha-se a mexer.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Também poderá gostar

        Publicidade