Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Cinco projectos portugueses para combater a Covid-19

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

coronavírus
Duarte Drago

Cinco projectos portugueses para combater a Covid-19

Estes projectos portugueses estão na linha da frente do apoio ao combate à pandemia provocada pelo novo coronavírus.

Por Tiago Neto
Publicidade

A recomendação de quarentena pode ter afectado a circulação e pintado as cidades de vazio mas isso não quer necessariamente dizer estagnação. Pelo contrário. Em Portugal, assim que os primeiros casos começaram a ser divulgados, foram vários os projectos a nascer para fazer frente à pandemia. Plataformas que, face às dificuldades, aglomeraram pessoas das mais variadas áreas com o propósito de encontrar soluções, mesmo que de forma inesperada. Da comunidade que junta pessoas pelo amor à impressão 3D, e que agora produz viseiras, à equipa do Instituto de Medicina Molecular que avançou com um teste produzido dentro de portas, o país tem sido notícia pela capacidade de coordenação e criatividade. Estes são alguns dos projectos portugueses contra a Covid-19.

Recomendado: Covid-19: imagens de uma Lisboa em quarentena

Cinco projectos portugueses contra a Covid-19

Tech4Covid19
Tech4Covid19
DR

Tech4Covid19

Nascida pela mão de fundadores de startups tecnológicas portuguesas, a Tech4Covid19 conta neste momento com 4700 pessoas (número que continua a crescer diariamente), provenientes de diversas empresas, das mais variadas áreas de actividade. Entre os projectos em curso estão vídeo-consultas grátis, serviço de entregas, app para rastreio de infectados ou potencialmente infectados, alojamento para profissionais de saúde ou angariação de fundos para compra de equipamentos. Tudo na mesma plataforma. 

Movimento Maker
Movimento Maker
©DR

Movimento Maker – Portugal

No Facebook, a comunidade fundada pelo engenheiro informático Bruno Horta vai crescendo em número todos os dias. Na prática, o Maker Portugal é um grupo de pessoas, de várias geografias, unido pela impressão em 3D, que começou a fazer frente à pandemia produzindo viseiras protectoras e doando-as às instituições que delas precisem. Tudo com design disponibilizado em open source para que mais membros possam fazer o mesmo a partir de casa.

Publicidade
FAN3D
FAN3D
DR

FAN3D

Outro caso de produção por meios próprios vem da FAN3D que, à semelhança do que acontece com o grupo Maker, começou a imprimir máscaras e viseiras e a disponibilizá-las gratuitamente a vários hospitais. Setúbal, Garcia da Horta, Curry Cabral, Santa Maria, Hospital da Guarda ou IPO do Porto foram alguns dos centros hospitalares que receberam material.

Project Open Air
Project Open Air
DR

#ProjectOpenAir

Encontrar ventiladores dispersos pelo país que não estejam a ser usados foi o repto para o vent2life.eu, site lançado pela plataforma #ProjectOpenAir, num apelo aberto à comunidade. Para já, estima-se que consigam chegar a 200 unidades, algumas das quais já estão identificadas e em avaliação por especialistas de forma a voltar ao serviço. Em comunicado, o Project Open Air recorda que seguiram as orientações de especialistas com o objectivo de servir de ponte entre entidades que têm ventiladores disponíveis e entidades que prestam cuidados de saúde. Mas há outros projectos em cima da mesa como a produção de ventiladores de código aberto, kits reutilizáveis de equipamento de protecção ou o projecto #masks4all. São mais de 1600 voluntários de 34 países a contribuir.

Publicidade
IMM
IMM
©Unsplash

Kit de diagnóstico Covid-19 português

O uso de reagentes fabricados em Portugal para facilitar o fabrico de testes para a Covid-19 foi a solução que Maria Manuel Mota, directora do Instituto de Medicina Molecular (IMM) da Universidade de Lisboa, e um grupo de voluntários encontraram para fazer frente à pandemia. Os kits, já aprovados pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, seguem as directrizes da Organização Mundial de Saúde e devem ser produzidos a um ritmo de 300 por dia, sendo o objectivo atingir os 1000 diários.

Dentro de portas

Publicidade
Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade