Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Saia à rua e siga este roteiro pelos Dias do Desassossego

Saia à rua e siga este roteiro pelos Dias do Desassossego

Durante duas semanas, os Dias do Desassossego agitam a Casa Fernando Pessoa e a Fundação José Saramago

dias do desassossego
Por Francisca Dias Real |
Publicidade

É tudo a duplicar, duas datas e dois autores, mais o evento de celebração, que é só um mas é a dobrar. Os Dias do Desassossego voltam a agitar a cidade entre esta sexta-feira, 16, o dia de nascimento de José Saramago, e terminam a 30 de Novembro, assinalando o dia em que morreu Fernando Pessoa.

Esta é a quarta edição da iniciativa no actual formato, que une a Casa Fernando Pessoa e a Fundação José Saramago numa espécie de coligação que permite criar uma união mais forte entre as duas figuras literárias. No percurso que liga as duas casas e outros locais da cidade, os Dias do Desassossego trazem para a rua todo o tipo de manifestações artísticas, desde leituras encenadas, oficinas artísticas, concertos, passeios e visitas guiadas e até um mural de arte urbana. Siga o roteiro que lhe traçámos: isto é o que não pode perder nas próximas duas semanas.

Recomendado: Cinco exposições em Lisboa a não perder nos próximos meses

O que não pode perder nos Dias do Desassossego

Concerto El Sur

Saramago celebraria agora o seu 96.º aniversário. Esta sexta, na Casa dos Bicos, celebra-se a sua vida e obra – 20 anos depois da atribuição do Prémio Nobel – com um concerto dos El Sur, que marca também a abertura dos Dias do Desassossego. O quinteto português inspira-se nas músicas e tradições da América do Sul, e traz consigo a poesia de almas maiores como as de Violeta Parra ou Victor Jara. Ao longo deste dia a entrada na Fundação José Saramago é gratuita.

Casa dos Bicos. Sex 18.30. 4€.

Oficina para famílias

A Oficina do Silêncio é para pais e filhos que queiram acordar cedinho no sábado e saber mais sobre a biodiversidade aquática. Há seres vivos a habitar no fundo do mar de que ninguém faz ideia do nome ou do aspecto que têm – a não ser Marina Palácio, autora de literatura infantil, que conduz esta oficina e vai levar as famílias num mergulho no oceano com livros e ilustrações.

Casa Fernando Pessoa. Sáb 11.00. 2€ (criança) e 4€ (adulto). servicoeducativo@casafernandopessoa.pt

Publicidade

Leitura-concerto na Igreja

O cenário muda para a Igreja de Santa Isabel, em Campo de Ourique, e sob o céu pintado por Michael Biberstein, acontece uma espécie de missa cantada com ajuda da guitarra de Norberto Lobo e das leituras de Cristina Alfaiate – são poemas espirituais de Emily Dickinson, Pessoa ou Ruy Belo.

Igreja de Santa Isabel. Sáb 16.30. Entrada livre.

Passeio literário

Junte-se ao pelotão caminhante e percorra os lugares mais marcantes do romance O Ano da Morte de Ricardo Reis, no qual Saramago traçou um paralelo entre ele mesmo e Pessoa, entre a literatura e a história, entre o passado e o presente.

Ponto de encontro: Casa dos Bicos. Dom 10.00. Inscrições: secretaria@josesaramago.org. 7€.

Publicidade

Mesa-redonda

Ana Bacalhau junta-se a Samuel Úria numa conversa moderada pelo jornalista Gonçalo Frota, para porem em cima da mesa o percurso que cada um teve na literatura. Os artistas vão falar também sobre os livros que os marcaram e como essa literatura pesa e influencia na hora de fazer música.

Casa Fernando Pessoa. Seg 18.30. Entrada livre.

Leituras censuradas

Na Fundação José Saramago não há censuras que entrem. Livros proibidos em Espanha, purgas por autarcas da Frente Nacional em bibliotecas e livrarias em França, peças de teatro censuradas na Croácia ou mesmo a censura nas redes sociais – isto tudo são motivos para que João Carlos Barradas, Rui Tavares e Maria João Guimarães dêem voz a estes textos censurados na Europa com um ciclo de leituras.

Casa dos Bicos. 21 Novembro. 18.30. Entrada livre.

Publicidade

Teatro infantil

A história é simples: um lagarto aparece no Chiado, os lisboetas fogem e chamam ajuda. Nisto chega a Força Aérea, a Polícia e o Exército, tudo para encontrar e capturar o bicho. Tamanho aparato teatral acontece na Fundação José Saramago para entreter os gaiatos a um sábado à tarde.

Casa dos Bicos. 24 Novembro 16.30. 2€ (criança) e 4€ (adulto).

Concerto de Cristina Branco

No seguimento do projecto Biblioteca dos Músicos, é a fadista Cristina Branco que sobe ao palco do São Luiz para interpretar alguns temas feitos exclusivamente para os Dias do Desassossego. Entre eles está um poema de Saramago sobre o dia em que conheceu Pilar del Rio, e outro dos temas foi feito a partir de um poema de Alexander Search, pré-heterónimo de Pessoa.

Teatro São Luiz. 27 Novembro 21.00. 12€-15€.

Publicidade

Aula de poesia mundial

Nos Dias do Desassossego é certo que vai levar algum conhecimento para casa. Esta é uma aula de poesia, dada por professores e especialistas, que partem da Biblioteca Particular de Fernando Pessoa para apresentar os poetas que o autor leu – esta é dedicada a Camões.

Casa Fernando Pessoa. 29 Novembro 18.30. Entrada livre

Leitura encenada com Miguel Loureiro

Para encerrar o programa das festas e assinalar os 25 anos da Casa Fernando Pessoa e os 83 anos da morte do poeta, Miguel Loureiro encabeça uma leitura encenada onde reúne em palco Fernando Pessoa e os seus heterónimos para percorrerem a heteronímia e os escritos esotéricos.

Casa Fernando Pessoa. 30 Novembro (repete a 1 Dezembro) 18.30. 8€.

Mais que fazer em Lisboa

rage room, smash it, sala de raiva
Fotografia: Manuel Manso
Coisas para fazer

Novidades de Outono a não perder

Salas para partir a loiça toda, pão ao domicílio, um mercado renovado ou escadas rolantes ao ar livre são algumas das novidades que deram o pontapé de saída para mais uma estação, antecipando-se mesmo à queda das folhas dos plátanos. Afinal, há muitos motivos para ficarmos felizes com a chegada do Outono, sem contar com o fresquinho que a cidade já andava a pedir há algum tempo. Mas mesmo com a baixa das temperaturas está convidado a derreter-se com estas sugestões.

Coisas para fazer

32 coisas incríveis para fazer em Lisboa

Lisboa é tão bonita que há quem lhe chame Lisbonita. E há quem fale da luz, que parece ferir a vista, sobretudo quando reflectida numa parede de azulejo. E há também quem diga que as pessoas são simpáticas e que as ruas, mesmo que desenhadas em colinas difíceis de calcorrear, são inspiradoras. Juntámos três dezenas a duas unidades de ideias e criámos uma lista com sugestões de coisas para fazer. Entre uma ida a um restaurante que mantém a sua própria lavandaria, até à tarefa de subir ao pilar 7 da Ponte 25 de Abril, veja aquilo que ainda lhe falta conhecer. 

Publicidade