O melhor do Outono em Lisboa

Tudo o que precisa de saber para aproveitar o melhor do Outono em Lisboa.

chuva em lisboa
Fotografia: Arlindo Camacho

Os dias estão mais curtos, as camadas de roupa aumentam e a chuva já começa a fazer parte dos nossos dias. Tudo isto pode motivar o seu enclausuramento entre quatro paredes, mas temos o guia perfeito para o arrastar para fora de casa e aproveitar o melhor da estação em Lisboa. Esqueça o sofá e a manta nas pernas, com tanto para fazer não tem como se aborrecer.

Recomendado: As melhores coisas para fazer em Lisboa este mês

 

Coisas para fazer no Outono

As melhores esplanadas para o Outono em Lisboa
Coisas para fazer

As melhores esplanadas para o Outono em Lisboa

Somos bons esplanadores e não é o Outono que nos vai fazer sair da cadeira ao lusco-fusco. Pelo contrário. Não deixe que os fins de tarde escuros o façam ir logo para casa e aproveite happy hours, esplanadas com aquecedores ou com aquela mantinha que já cai bem pelas costas. Saia de casa mas abrigue-se de brisas leves, ventanias e do briol que já se sente à noite numa destas esplanadas: temos propostas à beira-rio, nas alturas ou outras mais escondidas dentro de edifícios. Das já clássicas às novidades mais recentes, estas são as melhores esplanadas para o Outono em Lisboa. Recomendado: Descubra aqui o melhor do bairro de Alvalade

Seis sítios para ver as folhas a cair em Lisboa
Coisas para fazer

Seis sítios para ver as folhas a cair em Lisboa

Quando mais alto está, maior é a queda. O provérbio português tanto é verdade metafórica como literal – é o caso das folhas e dos seus flutuantes saltos para o precipício. Quem de baixo olha, bonito lhe parece. Também deve haver um adágio nacional equivalente. Por isso, vestimos o casaco e fomos à procura dos melhores sítios para a prática deste desporto outonal e contemplativo: ver as folhas, no seu vestusto castanho avermelhado, a desprenderem-se dos ramos e a regressar à terra, para dali vir vida nova. E pode fazê-lo com mantinha sobre o joelho e em plena happy hour. Do que precisa mais? Recomendado: Sete novidades de Outono a não perder

Os 18 melhores parques e jardins em Lisboa
Coisas para fazer

Os 18 melhores parques e jardins em Lisboa

Em Lisboa há parques para todos os gostos e nós escolhemos os melhores para brincar com os miúdos, ler um livro ou fazer um piquenique, independentemente da altura do ano. Afinal todos os dias são bons para uma pausa num destes parques e jardins de Lisboa. Do jardim da Estrela ao pulmão verde de Lisboa – falamos do Monsanto, pois claro –, espaços verdes não faltam na cidade. Com parques infantis, espaços para praticar desporto e correr ou simplesmente para se deixar estar. Vale tudo, menos ficar em casa. Recomendado: Gaste calorias sem gastar dinheiro nestes ginásios ao ar livre em Lisboa

A agenda cultural de Lisboa que não pode perder
Coisas para fazer

A agenda cultural de Lisboa que não pode perder

Pode odiar muitas coisas em Lisboa, até reconhecemos que a nossa cidade tem uma série de defeitos, mas se há coisa de que não se pode queixar é da agenda cultural. É ela que o obriga a sair porta fora quando a vontade de saltar do sofá é igual a zero. Os programadores culturais acabam-lhe com a letargia do corpo para poder aproveitar a cidade ao máximo, sobretudo no que diz respeito às exposições espalhadas por museus e galerias de Lisboa e aos espectáculos de teatro, dança ou comédia.   Aproveite o recheio desta agenda cultural de Lisboa e faça-se ao piso. Recomendado: Coisas para fazer em Lisboa em Setembro

Coisas para fazer em Lisboa em Outubro
Coisas para fazer

Coisas para fazer em Lisboa em Outubro

Quer aproveitar a cidade e não sabe por onde começar? Descubra as melhores coisas para fazer em Lisboa em Outubro

Lisboa assombrada: os espíritos andam aí
Coisas para fazer

Lisboa assombrada: os espíritos andam aí

Aqui está um programa do outro mundo. Desvendamos alguns dos locais mais assombrados da cidade. Para evitar. Ou não

E se não quer sair de casa

As melhores entregas ao domicílio em Lisboa
Restaurantes

As melhores entregas ao domicílio em Lisboa

São três palavrinhas mágicas: comida ao domícilio, ou uma apenas ("delivery"), se preferir recorrer à capacidade de síntese anglo-saxónica. Existem para nos facilitarem a vida (ou aumentarem a preguiça) e há cada vez mais. O que faz na rua costuma ser connosco mas desta vez dizemos-lhe para ficar em casa: pegue no telemóvel ou no computador e encomende a boa comida que há lá fora. Estas são as melhores entregas ao domicílio em Lisboa. Recomendado: + Comparámos cinco serviços de entrega de comida ao domicílio + Um chef em casa? É para já

Os filmes românticos de Outono para (re)ver
Filmes

Os filmes românticos de Outono para (re)ver

É, para muitos, a estação da depressão. A estação dos recomeços, do fim dos dias longos, a estação do vento que já faz tremer a pele e do desmpoeirar dos casacos. Mas o Outono comporta algo de profundamente poético na sua melancolia, e o cinema nunca lhe ficou indiferente. Não é que procuremos um masoquismo induzido quando os olhos se fixam no ecrã, mas fugir desse cliché soa quase a anti-natura. Na lista em baixo encontra títulos de resposta aos dias frescos, filmes perfeitos para trocar a rua pelo sofá, para abraçar a inércia e experimentar a nostalgia sem pudores. Conheça as nossas sugestões de filmes românticos de Outono para (re)ver. Recomendado: Os melhores filmes românticos de sempre

As melhores séries para ver na Netflix
Filmes

As melhores séries para ver na Netflix

São as melhores séries disponíveis na Netflix em Portugal. Tudo o que tem de fazer é sentar-se e escolher

As 23 séries da HBO que tem de ver
Filmes

As 23 séries da HBO que tem de ver

Clássicos obrigatórios e novidades que dão que falar: são estas as séries da HBO que não pode perder

Publicidade
11 séries na Amazon Prime Video que valem a pena
Filmes

11 séries na Amazon Prime Video que valem a pena

A companhia de Jeff Bezos tem vindo a preencher o catálogo. Saiba que séries na Amazon Prime Video não pode perder

Os melhores filmes no Disney+
Filmes

Os melhores filmes no Disney+

O Disney+ junta os clássicos de animação da Disney e da Pixar, os nove episódios da saga Star Wars, os grandes êxitos da Marvel e mais uma ou outra surpresa.

Sabores da estação

10 coisas para provar e fazer no Time Out Market Lisboa este Outono
Coisas para fazer

10 coisas para provar e fazer no Time Out Market Lisboa este Outono

Muda a temperatura, mudam-se as cartas dos restaurantes e bares do Time Out Market Lisboa. Não se deixe vencer pelo frio e aventure-se pelo mercado, onde há sempre muita coisa a acontecer. Pica daqui, pica dali. O difícil mesmo vai ser vir embora. Se não souber o que escolher, deixe-se guiar pelas nossas sugestões que não vai ficar desiludido. Entre eventos, doces e muitos pratos novos, os dias de Outono no Time Out Market Lisboa prometem ser preenchidos. Recomendado: O melhor dos próximos dias no Time Out Market Lisboa  

As melhores chocolatarias em Lisboa
Restaurantes

As melhores chocolatarias em Lisboa

Nas melhores chocolatarias em Lisboa há chocolates artesanais para adoçar a boca de todos.

As melhores lojas de doces em Lisboa
Compras

As melhores lojas de doces em Lisboa

Das gomas clássicas aos rebuçados artesanais, dos chocolates aos brigadeiros, estas são as melhores lojas de doces em Lisboa para resolver os desejos de açúcar.

Banda sonora para a estaçao

Dez versões clássicas de “Autumn in New York”
Música

Dez versões clássicas de “Autumn in New York”

“Autumn in New York” foi composta por Vernon Duke no Verão de 1934, quiçá tentando repetir o sucesso que obtivera dois anos antes com outra canção sobre estações-do-ano-em-cidades-famosas: “April in Paris”. A canção surgira sem um propósito definido, mas não tardou a surgir ensejo para o seu uso, quando Duke soube que o produtor John Murray Anderson precisava de uma canção que louvasse os encantos outonais de Nova Iorque para o musical Thumbs Up!. Duke propôs “Autumn in New York”, esta foi aceite e Thumbs Up! estreou a 27 de Dezembro de 1934. O acolhimento foi morno, o musical saiu de cena após 156 representações e “Autumn in New York” ficou esquecida até que, em 1947, Frank Sinatra pegou nela e a converteu num sucesso. “Autumn in New York” tornou-se mesmo numa espécie de “hino não-oficial de Nova Iorque” entre os cantores de inclinações jazzísticas, até à aparição em 1977 da espalhafatosa “New York, New York”, composta por John Kander (música) e Fred Ebbs (letra) para o filme homónimo de Martin Scorcese, e que seria celebrizada por Liza Minelli e (novamente) por Frank Sinatra. Recomendado: Dez versões de “Autumn Leaves”

10 obras clássicas para o Outono
Música

10 obras clássicas para o Outono

Para os poetas e para os compositores, o fim do Verão não é apenas uma data no calendário astronómico – é uma metáfora para o fim do amor e da vida. 

10 versões de “Autumn Leaves”
Música

10 versões de “Autumn Leaves”

O rasto destas folhas de outono leva-nos até Budapeste, onde nasceu, em 1905, o autor da música. Chamava-se então József Kosma, mas quando se mudou para Paris em 1933 adoptou um mais pronunciável “Joseph”. A composição nasceu como um trecho instrumental para o bailado Le Rendez-Vous (1945), com enredo de Jacques Prévert e coreografia de Roland Petit, e seria convertida, no ano seguinte, com letra de Prévert e com o título “Les Feuilles Mortes”, numa canção da banda sonora da adaptação cinematográfica do bailado por Marcel Carné, que teve por título Les Portes de la Nuit e contou com Yves Montand e Nathalie Nattier nos papéis principais. A canção chegou aos ouvidos de Johnny Mercer, que reconheceu o seu potencial e, em 1949, lhe enxertou uma letra em inglês. A letra de Prévert recorda uma paixão passada – “Naquele tempo a vida era mais bela/ E o sol mais caloroso do que hoje” – e contempla-a numa perspectiva agridoce: “As folhas mortas agarram-se à pele/ Como as recordações e os remorsos/ Mas o meu amor, silencioso e fiel,/ Não deixa de sorrir e agradece à vida// Amava-te tanto e eras tão bela/ Como posso eu esquecer-te?”. E conclui, em tom resignado: “A vida separa os que se amam/ Muito suavemente, sem ruído/ E o mar apaga na areia/ Os passos deixados pelos amantes desunidos”. A letra de Mercer para “Autumn Leaves” é substancialmente diferente, mas retém a analogia entre o Verão da paixão – “os lábios, os beijos de Verão, as mãos bronzeadas que eu costumava agarrar” – e o O