A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
WandaVision chega em Janeiro à Disney+
Disney+WandaVision é a nova aposta do Disney+

As melhores séries no Disney+

Começou por ser um serviço mais virado para os conteúdos familiares, mas hoje é muito mais do que isso. Estas são as séries do Disney+ que merecem ser vistas.

Escrito por
Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

O Disney+ tornou-se, em tempo recorde, um dos serviços de streaming com mais subscritores no mundo. Casa da Fox, da National Geographic e da Lucasfilm, além das produções da Disney, Pixar e Marvel, tem um catálogo cada vez mais diversificado. Além de produções próprias, como The Mandalorian, um spin-off de Star Wars, ou WandaVision, uma sitcom psicadélica com a chancela da Marvel, a nova área de entretenimento Star adicionou à plataforma dezenas de séries (e filmes), incluindo sucessos de audiências como Perdidos ou Uma Família Muito Moderna.

Recomendado: Bem-vindos ao novo mundo encantado do Disney+

As melhores séries no Disney+

Big Sky

Nesta série policial e de acção criada pelo veterano David E. Kelley (As Teias da LeiAlly McBealCausa JustaBig Little Lies), uma detective particular junta forças com uma ex-polícia, para procurarem duas irmãs que foram sequestradas por um camionista numa remota estrada do Montana. E acabam por descobrir que houve outros raptos na zona. Com Katheryn Winnick, Kylie Bunbury, Ryan Phillippe e Ted Levine.

High Fidelity

Robyn ‘Rob’ Brooks (Zoë Kravitz, que é também produtora executiva) é dona de uma loja de música em Crown Heights, Brooklyn, um bairro que sofre as dores da gentrificação. A loja já teve melhores dias e não é certo que se aguente aberta muito mais, ao mesmo tempo que a vida amorosa de Rob não ata nem desata e todos os seus relacionamentos parecem condenados. O que lhe vale ainda é o amor pela música. Na essência, esta história não está muito longe da do filme de 2000, protagonizado por John Cusack.

Publicidade

Love, Victor

Victor (Michael Cimino) é um novo aluno na Escola Secundária de Creekwood, a mesma de Simon do filme Love, Simon, realizado por Greg Berlanti e que se estreou em 2018. Ao contrário de Simon, que não sabia como revelar-se homossexual, Victor está ainda à descoberta da sua sexualidade, enquanto se adapta a uma nova escola e uma nova cidade. Quando tudo parece demasiado, Victor corresponde-se com Simon.

O Mundo Segundo Jeff Goldblum

Além de ter quase dois metros, Jeff Goldblum é o maior. E são a sua presença e carisma que fazem desta série documental nomeada para um Emmy televisão obrigatória. Em cada um dos 12 episódios estreados até ao momento, o actor norte-americano fala sobre um assunto diferente, desde sapatilhas a gelados, e de autocaravanas a piscinas, passando por ganga ou o que bem lhe apetece. Já está prometida uma segunda temporada.

Publicidade

Os Agentes S.H.I.E.L.D.

Muitos anos antes de WandaVision, Os Agentes S.H.I.E.L.D. foi a primeira série televisiva do Universo Cinematográfico da Marvel (MCU). Criada por Joss Whedon, o realizador das primeiras duas fitas dos Vingadores, com o seu irmão Jed Whedon e Maurissa Tancharoen, a série da ABC era protagonizada por Clark Gregg, no papel de Phil Coulson, um agente da S.H.I.E.L.D. que apareceu em vários filmes dos primórdios do MCU. Ao longo das suas sete temporadas, foram introduzidos diversos heróis e vilões dos comics e os acontecimentos dos filmes influenciaram directamente o desenrolar da história.

Os Simpsons

Muito temos que agradecer a Matt Groening, James L. Brooks e Sam Simon. Sem eles não poderíamos dizer “d’oh”, não poderíamos rir como Nelson nem ousar ter o cabelo de Marge. E aquilo que Os Simpsons têm de surreal é que continuam aí para as curvas, apesar de estarem connosco há mais de 30 anos. É a série americana há mais tempo no ar. E esperemos que seja para continuar. Nem queremos imaginar como vai ser da nossa vida sem esta família de Springfield.

Publicidade

PatoAventuras

Algumas das melhores, e mais saudosas, séries animadas do catálogo da Disney+ não se encontram disponíveis em Portugal – como Darkwing Duck ou a magnífica adaptação dos X-Men da década 90. PatoAventuras é a rara excepção. Além da versão contemporânea das aventuras do Tio Patinhas e dos seus sobrinhos Huguinho, Zezinho e Luisinho, também estão lá os 100 episódios da série original, exibida entre 1987 e 1990 nos Estados Unidos. Para mostrar à pequenada como os desenhos animados eram melhores na nossa altura.

Perdidos

Criada em 2004 por Jeffrey Lieber, J.J. Abrams e Damon Lindelof, Lost (ou Perdidos) tornou-se um dos maiores sucessos da televisão. Esta produção original da ABC acompanha os passageiros de um avião que se despenhou numa ilha misteriosa algures no Pacífico. E recorre a flashbacks, flashforwards e flashsideways para contar as histórias dos personagens, ao mesmo tempo que vão sendo revelados mais detalhes sobre a ilha onde eles se encontram e o que estão ali a fazer. Venceu múltiplos prémios, incluindo um Emmy e um Globo de Ouro em 2005 e 2006, respectivamente.

Publicidade

Segurança Nacional

Criada por Howard Gordon e Alex Gansa e baseada na série israelita Prisioneiros de Guerra, esta produção do Showtime segue Carrie Mathison (Claire Danes) depois de conduzir uma operação não-autorizada no Iraque e de ser colocada na divisão de contraterrorismo da CIA, nos Estados Unidos. Ao longo de oito temporadas, Carrie luta contra a bipolaridade e tenta desvendar e impedir ameaças de variadas ordens. Venceu um Emmy e dois Globos de Ouro.

Solar Opposites

Assinada por Justin Roiland, co-criador da bem afamada série de animação para adultos Rick and Morty, juntamente com Mike McMahan, chega esta série sobre uma família de extraterrestres que se vê obrigada a fugir do seu planeta para se refugiar numa pequena cidade dos EUA. Está por provar que essa tenha sido a melhor decisão, uma vez que tudo parece horrível.

Publicidade

The Mandalorian

A galáxia muito distante de A Guerra das Estrelas é um dos vértices do serviço de streaming, onde se encontram todos os filmes da franquia, algumas séries animadas e, claro, o original The Mandalorian. O criador Jon Favreau conseguiu fazer uma série mais próxima do espírito e da estética da trilogia original de George Lucas do que qualquer um dos filmes da Disney. Mas não a fez sozinho. Tem sabido rodear-se de gente boa, incluindo realizadores como Robert Rodriguez, Taika Waititi e Peyton Reed. E supomos que não seja preciso escrever nada sobre o bebé Yoda. 

The Walking Dead

Os comics de Robert Kirkman, ilustrados por Tony Moore e Charlie Adlard, ganharam corpo no pequeno ecrã em 2010. The Walking Dead conta a história de um pequeno grupo de sobreviventes num mundo pós-apocalíptico em que a principal ameaça não são os zombies que deambulam pelo território, mas os humanos – “os mortos-vivos somos nós”, diz-se a certa altura. Ao longo de dez temporadas, os protagonistas são confrontados com dilemas éticos, morais, enquanto tentam sobreviver num mundo muito diferente daquele que conheciam.

Publicidade

Uma Família Muito Moderna

É uma das mais populares sitcoms dos últimos anos. Talvez de sempre. Criada por Christopher Lloyd e Steven Levitan, acompanha a vida de uma das famílias mais disfuncionais que a televisão conheceu. Jay Pritchett (Ed O’Neill) e a sua mulher colombiana Gloria (Sofia Vergara) são a primeira entrada na árvore genealógica aqui presente. O resto já se sabe, um bando de filhos, netos e seus afluentes, que garantem constrangimentos familiares exagerados… ainda que possivelmente mais próximos da realidade do que possa parecer.

WandaVision

Foi a primeira minissérie ambientada no Universo Cinematográfico da Marvel a estrear em exclusivo no Disney+, mas não será a última. Concebida por Jac Schaeffer, realizada por Matt Shakman e protagonizada por Elizabeth Olsen (Wanda Maximoff, a Feiticeira Escarlate) e Paul Bettany (Vision, ou Visão), WandaVision é uma sitcom psicadélica, constantemente a piscar o olho aos clássicos do género e às histórias de quadradinhos. A acção passa-se depois do final de Vingadores: Endgame (2019) e marca o início de uma nova era no MCU.

Mais que ver no Disney+

  • Filmes

Os filmes da Disney são sensatos, divertidos e estimulantes – perfeitos para toda a família? Ou são uma lamechice que só serve para fazer uma lavagem cerebral às crianças? Todas a gente tem uma opinião sobre os mais de 50 filmes de animação que foram lançados ao longo dos anos pela empresa fundada por Walt Disney, a começar pela Branca de Neve, em 1937, até às galinhas dos ovos de ouro que foram Frozen: O Reino do Gelo e a sua continuação. E nós também. Eis os melhores e os piores filmes da Disney.

  • Filmes

Por muito que a gente adore o Homem-Aranha de Sam Raimi, o universo cinematográfico da Marvel só começou a ganhar forma em 2008, com o Homem de Ferro de Jon Favreau. E passados mais de dez anos encontra-se em grande, com filmes como Black Panther, de Ryan Coogler, a ganharem Óscares. Mas não foi fácil chegar até aqui. Sabendo que nos estamos a pôr a jeito das caixas de comentários, elencámos os 23 capítulos desta narrativa épica estreados até à data. Eis os piores e os melhores filmes da Marvel.

Publicidade
Os piores e os melhores filmes de Star Wars
  • Filmes

Será O Império Contra-Ataca, realizado por Irvin Kershner em 1980, o melhor de todos os filmes de Star Wars? E será mesmo A Ameaça Fantasma (1999), de George Lucas, o pior? Mas onde se encaixam aventuras paralelas como Rogue One (2016), de Gareth Edwards, ou Han Solo (2018), creditado a Ron Howard, no meio disto tudo? Agora que parece ter chegado ao fim a saga dos Skywalker, iniciada há muito tempo, numa galáxia muito, muito distante, respondemos a estas e outras perguntas com uma lista em que cabem todos os filmes da série.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade