Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right As melhores chocolatarias em Lisboa
Arcadia
©Manuel Manso Arcadia

As melhores chocolatarias em Lisboa

Nas melhores chocolatarias em Lisboa há chocolates artesanais para adoçar a boca de todos.

Por Mariana Correia de Barros, Inês Garcia e Sebastião Almeida
Publicidade

Frio ou calor, a verdade é que nunca se diz que não a um chocolate. Pode ser só um quadradinho, uma tablete inteira, bombons recheados com líquidos licorosos ou outros tipos de chocolates, mas ajudam sempre a melhorar o dia. De preferência se forem variados e de qualidade, o que ainda dá mais gula e menos sentimento de culpa na hora de abrir uma embalagem. Por isso, reunimos uma lista com as melhores chocolatarias em Lisboa, com fabrico com os mais puros cacaus vindos de todo o mundo, para comprar bombons à unidade ou tabletes do mais puro cacau e lambuzar-se todo.

Recomendado: As melhores pastelarias com fabrico próprio em Lisboa

Uma foto da Time Out Magazine

A Time In Portugal já está disponível

Pode ler a última edição no conforto do seu sofá

Ler a revista

As melhores chocolatarias em Lisboa

 Bettina & Niccolò Corallo
 Bettina & Niccolò Corallo
Fotografia: Manuel Manso

Bettina & Niccòlo Corallo

Compras Chocolates e doces Princípe Real

O nome Corallo entrou na vida dos lisboetas com a mesma suavidade com que o chocolate quente da marca entra nas nossas bocas em dias de frio. Pelo andar dos anos houve, é sabido, mudanças de instalações, de nome e de chefias. Agora, estão à frente do negócio Bettina, a matriarca da família, e Niccolò, o filho, para provar no seu estado mais puro - há mesmo um 100% cacau - como nas diferentes variações que são feitas ali mesmo, na loja-fábrica do Príncipe Real. Trabalham com cacau de São Tome e Príncipe - onde Claudio Corallo, da antiga loja, continua a ter as plantações e a dar que falar em todo o mundo - mas também com cacau de outras origens, sempre acima dos 70%. Há misturas com pimenta flor de sal, com gengibre ou com laranja caramelizada, mas continua a ser impossível ignorar o de avelã de Piemonte. Se estiver pelo Príncipe Real, passe nesta casa-mãe, ainda é capaz de apanhar a matriarca de volta dos bombons. Lá mais para baixo, perto do rio, tem o segundo espaço de Bettina no Time Out Market, com o melhor da casa, seja em forma de bombons, tabletes, brownie, salame ou sorvete de cacau.

Chocolates Arcádia
Chocolates Arcádia
Fotografia: Manuel Manso

Arcádia

Restaurantes Cafeteria Parque das Nações

Não é preciso ter nascido no Porto para conhecer a icónica Arcádia. Nascida e criada em 1933, tem feito um trabalho de expansão digno de estudo, com aberturas em quase todas as regiões do país, muitas delas em franchising. O que importa é que o conceito de fabrico artesanal não se perdeu, as receitas mantêm-se inalteradas e tudo é feito com chocolate belga que chega em pepitas e é derretido sem adição de outros ingredientes. Os chocolates podem ser escolhidos tal e qual como numa ourivesaria, numa vitrine que desarma qualquer guloso, mas cá para nós, se vier apenas uma caixa de línguas de gato de chocolate de leite está óptimo. A chocolataria abriu uma nova loja no Chiado em Setembro de 2019 e com ela trouxe uma novidade: agora há tabletes de chocolates, com 12 tipos e combinações diferentes. 

Publicidade
calçada do cacau, chocolataria, alfama
calçada do cacau, chocolataria, alfama
Manuel Manso

Calçada do Cacau

Restaurantes São Vicente 

A Calçada do Cacau abriu no final de 2017, no Campo de Santa Clara, e faz um trabalho de confecção 100% artesanal, com uma ligação ao trabalho de Vhils sobre Amália Rodrigues, feito com pedras da calçada. O mote serviu para fazer um conjunto de chocolates em pequenos cubos, os cubitos, a lembrar as próprias pedras da calçada. Existem em vários sabores e são misturados com produtos 100% portugueses, como a amêndoa do Douro, o figo de Trás-os-Montes, o piri-piri do Ribatejo ou o pinhão da Península de Setúbal. À frente do negócio está Diogo Damião, com várias formações em chocolataria, que usa cacau vindo da Venezuela e o trabalha na própria loja. Delicie-se com os cubitos ou as tabletes, feitas com cacau vindo de vários pontos do mundo, ou com as pepitas de chocolate para se aventurar em receitas lá em casa ou as cacau nibs, perfeitas para acrescentar ao iogurte do pequeno-almoço.

Chocolates da Denegro
Chocolates da Denegro
Fotografia: Ana Luzia

Denegro

Restaurantes Lisboa

Mais do que uma loja, a Denegro é uma oficina de chocolates. Um sítio onde todos os dias se mete as mãos na massa, quer dizer, no chocolate, para fabricar uma série de produtos, mais ou menos coloridos, mais ou menos insólitos, mais secos ou mais pastosos, que nem geram preferências diferentes em quem visita a loja. “Temos 30 e tal sabores diferentes”, atira Mário Andresen Leitão, um dos responsáveis, para depois explicar que cada um deles poderá ter uma ocasião específica para ser degustado. Só trabalham com chocolates da marca belga Callebaut e têm mesmo uma tablete exclusiva de nome Saudade, com pasta de cacau, açúcar, manteiga de cacau e baunilha. Além dos vários bombons, há também à venda gomas, trufas e bolos.

Publicidade
bonbons
bonbons
Fotografia: Manuel Manso

Leonidas

Restaurantes Grande Lisboa

A marca é centenária, nasceu na Bélgica em 1913, com o nome de um confeiteiro que criou a receitas para aqueles que são considerados, é unânime, uns dos melhores chocolates do mundo. O chocolate é belga, a baunilha vem de Madagáscar, as amêndoas da Califórnia, pode ler-se na história da empresa, e o resultado é um deleite para apreciadores de chocolate. Em Lisboa há já cinco franchisings da marca - o primeiro foi no Rato, há em Alvalade, no Campo Pequeno, na Praça de Espanha e Campo de Ourique. Todas as lojas estão carregadinhas de boa gula. Há cerca de 80 variedades de bombons, desde as trufas de chocolate à tablete de leite com nozes pecan, e tudo aquilo que vai fazer as delícias de todos.

Lisboa, doce Lisboa

Brigadeiros - Ponto mais doce da Cidade
Fotografia: Ana Luzia

Três sítios para comer brigadeiro

Restaurantes

São pequenas bolinhas de felicidade importadas do Brasil, mais especificamente de São Paulo. E não é fácil resistir a este doce que na sua versão mais tradicional é feito à base de leite condensado e chocolate (qual bomba calórica) e com uma preparação relativamente rápida e fácil de reproduzir em casa. Entretanto já há brigadeiros de todos os sabores, do amendoim ao morango, caramelo, caju, limão. Há até uns com nacionalidade luso-portuguesa que mantêm a base de leite condensando mas sabem a arroz doce, pastel de nata ou baba de camelo. Prove os brigadeiros destes três sítios e tire a sua prova dos nove. 

Boubou's - Pavlova
Fotografia: Manuel Manso

Três sítios para comer pavlova

Restaurantes

Parece um bolo meio desfeito mas é na verdade uma pavlova, um bolo com base de merengue feito pela primeira vez em homenagem à bailarina russa Anna Pavlova. Deve ser o equivalente a um espectáculo de fogo-de-artifício na boca, como diria Remy, o rato do Ratatouille, ou seja, deve ser crocante por fora e macio e suculento por dentro. Depois pode ter vários toppings mas o mais habitual são as frutas frescas, dos morangos às cerejas. Se não tem vagar para seguir a receita à risca em casa, e por mais desleixado que este bolo pareça, não é fácil. Siga as nossas sugestões e peça esta sobremesa num destes três sítios. 

Publicidade
Mousse de Chocolate - Cacué
©Manuel Manso

Três sítios para comer mousse de chocolate

Restaurantes

É a sobremesa caseira mais segura em todas as festas de aniversário e jantares de família ou amigos. Mas fora de casa, a coisa pode complicar-se. Antes de mais nada porque é facilmente comparável com a da avó, da mãe ou da tia, depois porque os níveis de cacau do chocolate variam facilmente e há quem goste dela mais intensa ou mais cremosa e consistente, outros preferem chocolate com menos percentagem de cacau ou com cheirinho. Nestes três restaurantes em Lisboa, a mousse de chocolate é servida como deve ser. Perfeita para um final de refeição guloso. 

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade