Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right As melhores esplanadas para o Outono em Lisboa
Noobai
Fotografia: Manuel Manso Noobai

As melhores esplanadas para o Outono em Lisboa

A temperatura desce mas isso não significa ficar enclausurado em quatro paredes. Refastele-se numa das melhores esplanadas para o Outono em Lisboa.

Por Francisca Dias Real
Publicidade

Somos bons esplanadores e não é o Outono que nos vai fazer sair da cadeira ao lusco-fusco. Pelo contrário. Não deixe que os fins de tarde escuros o façam ir logo para casa e aproveite happy hours, esplanadas com aquecedores ou com aquela mantinha que já cai bem pelas costas. Saia de casa mas abrigue-se de brisas leves, ventanias e do briol que já se sente à noite numa destas esplanadas: temos propostas à beira-rio, nas alturas ou outras mais escondidas dentro de edifícios. Das já clássicas às novidades mais recentes, estas são as melhores esplanadas para o Outono em Lisboa.

Recomendado: Descubra aqui o melhor do bairro de Alvalade

Esplanadas para fingir que é Verão

Brunch Ferroviário
Brunch Ferroviário
DR

Ferroviário

Noite São Vicente 

Três anos, três novas vidas. O Ferroviário reabriu em 2018, em 2019 ganhou um restaurante e uma programação cultural. Este ano a pandemia obrigou a abrandar as badaladas festas de lotação esgotada e a repensar o espaço, que agora vê reforçada a sua parte de restauração abrindo apenas às sextas e fins-de-semana (Sex 16.00-01.00, Sáb-Dom 11.00-01.00) com menus de brunch e depois carta de petiscos – existe até uma carta só de panquecas para aquecer a alma nos dias outonais. Quando o frio bate à porta, o Ferroviário transforma-se num verdadeiro jardim de Inverno, digno de conto de fadas – o terraço fica coberto na sua maioria, há mantas nos sofás e luzes a pender do tecto, e as plantas continuam a dar o ar tropical. Tudo isto com uma vista incrível para a zona industrial da cidade e o azul do Tejo com bom ambiente e boa música.

Café na Fábrica Esplanada
Café na Fábrica Esplanada
©Inês Félix

Café da Fábrica

Restaurantes Alcântara

Esta espécie de casinha de bonecas vintage estende a magia ao pátio exterior com mesas de madeira corridas, plantas e luzinhas no telheiro que nem arraial. A esplanada é um bom poiso para começar o dia com um croissant quentinho e uma meia de leite. Mas também para fechá-lo de imperial ou copo de vinho à frente. Ao fim-de-semana é dia de brunch, e nos restantes dias há também bons sumos naturais, saladas variadas e tostas, com receitas sempre em renovação. Ah e há mantinhas e aquecedores quando começa a ficar frio.

Publicidade
Esplanada casanova
Esplanada casanova
©Ana Luzia

Casanova

Restaurantes São Vicente 

Não é por estar frio que as filas intermináveis do Casanova ficam mais pequenas. Se sabe bem no Verão estar na esplanada a comer uma das melhores pizzas de Lisboa com vista para o Tejo, saiba que também é bom com o frio. Há mantas e cogumelos aquecedores, como é habitual, que o protegem de eventuais arrepios. Tenha a fatia numa mão e o prosecco na outra.

JNcQUOI Avenida
JNcQUOI Avenida
Manuel Manso

JNcQUOI

Restaurantes Avenida da Liberdade

O JNcQUOI Avenida ganhou uma esplanada com 36 lugares em plena Avenida da Liberdade – há um estrado onde dantes estavam os lugares de estacionamento. A carta é assinada pelo chef António Bóia e traz um cold bar de onde saem ostras do Algarve, carpaccio de novilho, ceviche de garoupa ou um royal de marisco. No hot bar há ovos rotos trufados, pica-pau de novilho, bacalhau gratinado e plumas de porco ibérico. Não falham as saladas e as sanduíches, para refeições mais leves, e as tábuas de queijo para as horas de partilhar. Está aberta todos os dias do 12.00 às 23.00, mas é sempre melhor reservar (21 936 9900). Para além das mantas, que tem desde a sua abertura em pleno Verão, terá também aquecedores.

Publicidade
jncquoi asia
jncquoi asia
jncquoi

JNcQUOI Asia

Restaurantes Asiático contemporâneo Avenida da Liberdade

O dinossauro deu lugar ao dragão, a decoração respira motivos asiáticos, profundamente embebidos na presença portuguesa pelo Oriente e a cozinha, aberta, faz chegar sabores de todo o continente. O projecto é assinado por Lázaro Rosa Violán, o nome responsável pelo primeira aventura do grupo, o JNcQUOI Avenida, e destaca-se pelos interiores sofisticados e ambientes casuais de funcionalidade eclética. Ao todo são quatro espaços distintos: cocktail bar, restaurante, sushi bar e terraço. E aqui no terraço, na parte de trás do restaurante, que poderá ter o melhor dos dois mundos: estar ao ar livre e comer sem estar de casaco vestido, até porque terá aquecedores à sua espera. 

Lat.a
Lat.a
DR

Lat.A

Restaurantes Latino-americano Alcântara

O Grupo Capricciosa fez (mais) um makeover à Doca de Santo e abriu um novo restaurante lá dentro em Agosto. O Lat.A e tem um menu carregadinho de clássicos da gastronomia latino-americana, do Brasil, Chile, México, Argentina ou Peru, sempre com batuques do samba, salsa ou merengue em loop a acompanhar. Empanadas, pastéis de vento, ceviches, guacamole e tacos são alguns dos pequenos pratos para partilhar mas tem também moqueca, picanha ou costeleta de boi na brasa. Aos fins-de-semana há feijoada à brasileira com tudo o que manda a tradição, com carne seca, entrecosto de porco, calabresa, barriga fumada, orelha fumada, arroz, feijão, couve, farofa e laranja para duas pessoas. A esplanada lá do estaminé é bem protegida das ventanias e do ar fresco, uma espécie de floresta tropical.

Publicidade
Soão  esplanada
Soão  esplanada
Mariana Valle Lima

Soão

Restaurantes Asiático contemporâneo Alvalade

No Verão, o Soão fez o favor de alargar a experiência asiática ao exterior com meia dúzia de cadeiras e mesas mesmo encostadas ao restaurante. Por ali, continua a viagem pelo Japão, Índia, China, Vietname, Coreia e Tailândia, há paragens na Indonésia e no Laos e os cocktails de autor de Vasco Martins para brindar sem medos. No final de Outubro, a esplanada terá um revestimento com floreiras corta-vento para proteger das aragens. Além disso, o espaço terá guarda-sóis com aquecimento para os dias mais frios.

KOB by Olivier
KOB by Olivier
DR

KOB by Olivier

Restaurantes Global Avenida da Liberdade/Príncipe Real

O restaurante de carnes de Olivier da Costa mantém-se discreto na Rua do Salitre mas ganhou agora uma esplanada, com um deck elevado no exterior e uma espécie de pequeno bosque que tapa a vista a mirones e abriga do vento, sendo que para preparar o espaço para os dias frios há já aquecimento e uma das laterais está coberta. As cadeiras são almofadadas e há lugar para 16 comensais. Aqui comem-se carnes boas, algumas maturadas, oriundas da Austrália, Irlanda, EUA ou Japão. Assim que chegar, pergunte os cortes do dia e mostram-lhe a peça na mesa. Comece a refeição com um dos carpaccios, assinatura de Olivier, e siga depois para o ataque, de faca de serrilha em riste. O linguini de trufa ou o puré trufado são ambos boas opções para acompanhar as peças de carne. A ementa está disponível por QR Code.

Publicidade
Madame Petisca - Esplanada
Madame Petisca - Esplanada
Fotografia: Ana Luzia

Madame Petisca

Bares Chiado/Cais do Sodré

Vista para o Tejo, a ponte ao fundo e uma mantinha sobre as pernas – coisas boas da vida. A esplanada da Madame Petisca é um postal autêntico ou, nos tempos modernos, o cenário ideal para o Instagram. Há sempre um menu de almoço diferente todas as semanas, e outros petiscos para partilhar (regra na casa) como croquetes de choco, a tábua mista de quijos nacionais ou uns belos ovos rotos. E a happy hour aqui continua no tempo frio entre as 17.00 e as 19.00: a compra de um cocktail dá direito a outro.  

Les-a-Les 2
Les-a-Les 2
Gabriell Vieira

Lés-a-Lés

Restaurantes São Sebastião

O Lés-a-Lés é o novo projecto de Tito Serradas Duarte, anterior proprietário do extinto Mariscador, e de Frederico Pombares, argumentista conhecido pela autoria de programas de televisão como Último a Sair ou Telerural. Simples, com comida despretensiosa, entre o imaginário de uma tasca e o de um restaurante mais composto. A viagem faz-se em forma de itinerário gastronómico, percorrendo as diferentes regiões do país. A cabidela, a feijoada ou os sonhos são alguns dos pratos a provar, e pode fazê-lo no interior do restaurante ou na esplanda que é bem protegida por uma estrutura envidraçada, pronta para o vento de Outono e o frio de Inverno. 

Publicidade
lost in
lost in
Fotografia: Arlindo Camacho

Lost In

Restaurantes Cafés Avenida da Liberdade/Príncipe Real

Escondido do frenesim do Príncipe Real está o Lost In. A esplanada exterior tem mantas para pôr sobre os ombros quando começa a correr um arzinho enquanto come uma sopinha de tomate com ovo escalfado para forrar o estômago nestes dias. Ao lanche tem bons (e grandes) scones, com manteiga e compotas, e das 17.00 às 20.00 há happy hour.

Selllva
Selllva
Selllva

Selllva

Restaurantes Grande Lisboa

O grupo Capricciosa tem já 12 restaurantes no seu portefólio mas faltava-lhe um conceito mais saudável. O Selllva – os três L’s não são erro, precisa de os imaginar como uma garra –, na rua Mouzinho da Silveira, perto do Marquês de Pombal, junta-se ao clã como um restaurante saudável sem ser fundamentalistas, com opções vegetarianas e veganas mas também boas propostas para quem não quer abdicar da proteína animal. De volta à nova normalidade, o restaurante criou uma zona de esplanada ampla, à entrada, para fazer face às necessidades. Ficam assim 48 lugares no interior e 16 no exterior, tudo com as devidas distâncias e uma série de aquecedores para fazer frente aos dias gelados.

 

Publicidade
Honest Greens
Honest Greens
©Inês Félix

Honest Greens

Restaurantes Parque das Nações
O restaurante em Lisboa é enorme e segue a mesma linha de decoração dos restantes Honest Greens – muitas plantas naturais (obra da Superbotânica), tons terra, neutros, uma esplanada gigante, uma zona lounge com sofás no interior e uma mezzanine com mais mesas. O Honest Greens tem a esplanada pronta para o receber sempre com as distâncias recomendadas, debaixo de um belo telheiro e protegido das ventanias outonais. As propostas são todas sazonais, saudáveis e sustentáveis e a escolha é feita entre pratos com proteína como base (os market plates), e outros com salada na base (garden bowls). As mesas cá fora estão distantes e há espaço para todos poderem encher a barriga junto ao rio.
Royale
Royale
© Arlindo Camacho

Royale Café

Restaurantes Cafés Chiado

Tem esplanada no largo mas é a que está lá dentro que aconchega: emprestam mantas e por cima da porta está um aquecedor de parede. Continua a servir brunch aos domingos e a ser um sítio acolhedor para lanches com chá ou chocolate quente – há saladas de inverno, bolos caseiros e refeições completas para encher a barriga. Se preferir ficar na agitação do largo, a esplanada exterior também é acolhedora. 

Publicidade
esplanada noobai inverno
esplanada noobai inverno
Fotografia: Manuel Manso

Noobai

Restaurantes Cafés Chiado/Cais do Sodré

O Noobai anda nesta vida das melhores esplanadas de Lisboa há muito, seja qual for a estação. É o spot preferido de muitos para copos de final de dia com o pôr-do-sol em vista. O frio não importa: há mantas para pôr sobre as costas e aquecedores nos dois andares. A carta é extensa mas o que sai mais nos dias frios é o vinho a copo – há sempre um vinho do mês – e os chás quentinhos, do verde Gorreana à erva príncipe.

Soul Garden
Soul Garden
JACK HARDY

Soul Garden

Restaurantes Campolide

O Corinthia Lisboa Hotel, em Campolide, criou uma espécie de jardim interior: basta atravessar a entrada do hotel e chega a um oásis onde se serve comida leve de sabores equilibrados, casada com cocktails de assinatura da bartender Nadia Rôlo. A cozinha é do chef Miguel Teixeira, que preparou um menu com sabores dos quatro cantos do mundo. As plantas e os telheiros dão ao espaço aquele envolvente necessário para sentir que está numa espécie de estufa de inverno. 

Publicidade
chapitô
chapitô
Mariana Valle Lima

Chapitô à Mesa

Restaurantes Português Castelo de São Jorge

O ex-libris que é o panorâmico do Chapitô não deixa de o ser, mas em tempos como estes em que meio mundo procura uma esplanada para passar um bom bocado é aqui que entra o renovadíssimo terraço lá do sítio. Serve almoços e jantares com umas belas vistas para a nossa Lisboa, e ao leme da cozinha está agora o chef Pedro Bandeira Abril. Nas mesas caem coisas como salada de polvo ou de salmão, escabeche de coelho, bacalhau, polvo e atum grelhados, pregos ou abanicos de porco preto. É possível que haja menus especiais de quando a quando e eventos com chefs convidados, por isso vá deitando o olho ao Instagram do Chapitô à Mesa.

esplanada à margem inverno
esplanada à margem inverno
Fotografia: Arlindo Camacho

À Margem

Restaurantes Belém

O nome (e a foto) não deixam mentir, fica mesmo à beira rio e com vista para a outra margem. Os aquecedores a gás dão o calor necessário à esplanada interior envidraçada, caso queira ficar mais recolhido e não perder o Tejo de vista.

Publicidade
Le chat
Le chat
©DR

Le Chat

Bares Estrela/Lapa/Santos

É das esplanadas mais imperdíveis de Lisboa, e agora que mudou de gerência e de visual, tem mais noites temáticas e com DJ sets a acontecer. Se está frio, nada tema, pode continuar a apreciar a vista privilegiada para o Tejo, com uma mantinha sobre as pernas – calor reforçado dos aquecedores – e uma petiscada à mesa, sendo que os pregos em bolo do caco e o vinho quente (que não está na carta, mas pode tentar a sua sorte) caem que nem ginjas. 

Topo Chiado
Topo Chiado
©Manuel Manso

Topo Chiado

Restaurantes Chiado

Ainda que se divida entre 1500 m2, é difícil encontrar o Topo Chiado vazio. Nesta altura, veste-se a preceito com cogumelos aquecedores e mantas nas cadeiras e um toldo para ajudar ao abrigo. À parte dos hambúrgueres, pizzas e saladas, há também brunch aos fins-de-semana e feriados, e é dos poucos sítios em Lisboa onde pode beber cidra quente. 

Publicidade
Park
Park
© ARLINDO CAMACHO

Park

Bares Chiado/Cais do Sodré

Neste parque da Calçada do Combro estacionam lisboetas e turistas à procura de uma das melhores vistas – coisa que deixa de ter, mesmo com a cobertura de lona transparente com que o Park se veste na hora do tempo fresco. Não há frio que entre. Se entrar, não é nada que as mantas, os cogumelos aquecedores, os cocktails e as tábuas de enchidos não resolvam. E dançar ao som dos DJs também ajuda a aquecer nesta meca do hip-hop. 

Season Lisboa
Season Lisboa
©Manuel Manso

Season

Restaurantes Grande Lisboa

No primeiro piso deste restaurante há um bonito pátio com uma oliveira no meio, com paredes em madeira que aconchegam. As luzinhas fazem lembrar as noites quentes de Junho, mês de arraiais em Lisboa, e esquecer as mais frias que chegam. Há ainda um neón que indica a actual estação do ano afinal, neste restaurante dos mesmos donos do Água pela Barba da Bica, a aposta é na sazonalidade. A base de legumes e fruta está sempre a mudar, conforme o que chega fresco dos produtores.

Publicidade
A esplanada interior do #Treestory
A esplanada interior do #Treestory
Fotografia: Manuel Manso

#Treestory

Restaurantes Georgiano Avenida da Liberdade/Príncipe Real

O primeiro restaurante georgiano da cidade, o #Treestory, na Luciano Cordeiro, perto do Marquês de Pombal, dá a conhecer pratos típicos desse país, desconhecidos dos portugueses, numa enorme esplanada meio escondida na parte de trás do restaurante. Por enquanto ainda não vai sendo preciso grandes aquecedores, mas assim que o Outono-Inverno se impuser, os prédios altos vão certamente ser uma ajuda na protecção do frio. Prove os khachapuri, um dos pratos nacionais do país, para comer com as mãos e carregadinho de queijo, ou os khinkali, dumplings georgianos. Vai aquecer nas horas.

Boubou's
Boubou's
©Manuel Manso

BouBou's

Restaurantes Princípe Real

Se há coisa pelo qual o Príncipe Real é conhecido é pelos seus jardins interiores que se transformam em belas esplanadas, como é o caso da do Boubou’s. Nesta altura, parte da esplanada tem uma cobertura e há mantinhas em cada mesa, além dos aquecedores. É ideal para beber um cocktail da casa ou optar pelos clássicos vinho a copo e tábua de queijos. Há também menus para grupos, se for com amigos.

Outono em Lisboa

Outono
©Crisferrari1500

Sítios para ver as folhas a cair em Lisboa

Coisas para fazer

Fomos à procura dos melhores sítios para a prática deste desporto outonal e contemplativo: ver as folhas, no seu vestusto castanho avermelhado, a desprenderem-se dos ramos e a regressar à terra, para dali vir vida nova. 

desconfinamento
Fotografia: Mariana Valle Lima

A agenda cultural de Lisboa que não pode perder

Coisas para fazer

Pode odiar muitas coisas em Lisboa: reconhecemos que a nossa cidade tem uma série de defeitos, mas se há coisa de que não se pode queixar é da agenda cultural. É verdade, mesmo em tempos difíceis como os que agora se vivem, Lisboa continua a ter eventos de toda a espécie a preencher-lhe o calendário. É esta agenda que o obriga a sair porta fora quando a vontade de saltar do sofá é igual a zero. 

Recomendado

    Também poderá gostar

      Best selling Time Out Offers
        Publicidade