A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Outono
©Crisferrari1500

Sete sítios para ver as folhas a cair em Lisboa

O que era verde começa a ficar castanho e o que nos cobria as cabeças está agora a quebrar por baixo dos nossos pés. Nestes sítios em Lisboa, pode ver as folhas a cair.

Escrito por
Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

Quando mais alto está, maior é a queda. O provérbio português tanto é verdade metafórica como literal – é o caso das folhas e dos seus flutuantes saltos para o precipício. Quem de baixo olha, bonito lhe parece. Também deve haver um adágio nacional equivalente. Por isso, fomos à procura dos melhores sítios para a prática deste desporto outonal e contemplativo: ver as folhas, no seu vetusto castanho avermelhado, a desprenderem-se dos ramos e a regressar à terra, para dali vir vida nova. Descubra sete sítios para ver as folhas cair em Lisboa.

Recomendado: Oito filmes românticos de Outono para (re)ver

Seis sítios para ver as folhas a cair em Lisboa

  • Coisas para fazer
  • Alvalade

Nasceu em terrenos de antigas quintas da cidade, como a de Alvalade, Charca e Narigão, e por isso mesmo grande parte da vegetação é anterior ao projecto do arquitecto paisagista Gonçalo Ribeiro Telles, que transformou este espaço verde, também conhecido como Mata de Alvalade, em 1951. Escolha um dos dois parques de merendas para contemplar o Outono a acontecer.

Publicidade
  • Atracções
  • São Sebastião

Desenhado pelos arquitectos paisagistas Gonçalo Ribeiro Telles e António Viana Barreto e concluído em 1969, o Jardim Gulbenkian é um dos símbolos da capital, como lugar de descanso e leitura. E há muitas faias, árvores de folha caduca, neste jardim. O que significa que haverá muita folha a cometer suicídio e a atirar-se do topo dos ramos para o chão.

Tapada das Necessidades
  • Atracções
  • Parques e jardins
  • Estrela/Lapa/Santos

Terá inspirado Manet para pintar o famoso Almoço na Relva, e continua a ser um dos melhores sítios da cidade para passar fins-de-semana com bom tempo. Com a chegada do Outono, as pessoas são cada vez menos. Ficam as folhas que caem e os gansos, que fazem parte da mobília. Se quer tranquilidade para a contemplação, é aqui que tem de apreciar o cair das folhas.

Publicidade
  • Atracções
  • Estrela/Lapa/Santos

Plantado no coração de Lisboa, tem um bom parque infantil onde os miúdos se podem espojar, meia dúzia de clareiras relvadas a pedir piqueniques e tardes de sorna com um livro enquanto o frio não chega. A servir de apoio, duas esplanadas. O Quiosque Gengibre da Estrela é uma boa opção para pequenos-almoços bucólicos a dar migalhas aos patos-reais, embora as tostas de cabra, manjericão e tomate (5€) aconselhem antes um lanche, a ver as folhas a cair.

  • Atracções
  • Parques e jardins
  • Avenida da Liberdade/Príncipe Real

O Jardim do Torel é agora um "jardim do amor". Foi alvo de uma requalificação verde e muito bem cheirosa que devolveu à cidade um conceito de jardim que juntou muitos casais alfacinhas. As zonas de estadia foram renovadas e plantadas diferentes espécies, como lavanda, verbena, maçaroco (orgulho-da-Madeira) ou mesmo papiro, que envolvem os utilizadores com plantas aromáticas, cheiros, cores e texturas diferentes. Um miradouro para a cidade que oferece aquela nostalgia de Outono, enquanto as folhas vão caindo e nos sentimos num filme.

Publicidade
  • Atracções
  • Edifícios e locais históricos
  • Avenida da Liberdade

É uma das vias mais movimentadas da cidade, mas também é zona de estadia. E uma das mais antigas da cidade. Considerada a Champs-Elysées de Portugal, começou a ser construída entre 1879 e 1886 e chamava-se Passeio Público. Centro de cortejos, festividades e manifestações é ponto de eleição de escritórios, lojas de renome internacional e também de árvores centenárias. No Outono, as suas folhas tapam as pedras da calçada e pode apreciar o fenómeno num banco de jardim ou numa das muitas esplanadas que encontra entre o Marquês e os Restauradores.

Lisboa ao ar livre

  • Atracções
  • Parques e jardins

Sempre que tiver tempo para arejar as ideias, opte pelo ar puro e pelos espaços que pintam a cidade de verde. Com todos os cuidados que deve ter e mantendo a distância social recomendada pelas autoridades de saúde, faça o favor de apanhar um arzinho por aqui. Seja para uma breve caminhada, corrida ou para uma visita prolongada aos relvados. Evite por agora os parques infantis (brincar na relva também é divertido), os circuitos desportivos ou as mesas comunitárias para piqueniques. Do jardim da Estrela ao pulmão verde de Lisboa – falamos do Monsanto, pois claro –, espaços verdes não faltam na cidade e mais além.

  • Restaurantes

Passamos o Inverno a sonhar com elas. Ao primeiro raio de sol primaveril voltamos a corrê-las, ansiosos, e durante o Verão instalamo-nos confortavelmente (ainda que com todos os cuidados que os tempos agora exigem), porque não queremos outra coisa a não ser esplanadas. Receitamos-lhe inúmeras doses para repor os níveis de vitamina D: das novidades do ano aos sítios para ver navios, para comer fora ou para rebolar na relva. Quiosques, rooftops, esplanadas de rua, interiores, enfim, as opções abundam consoante a vontade e também pode contar com sítios para abanar o corpo nestas que são as melhores esplanadas em Lisboa (e não só).

Publicidade
  • Atracções
  • Atracções turísticas

Não é exagero se dissermos que Lisboa é uma das cidades europeias com mais miradouros. Todos com vistas espectaculares sobre os telhados da cidade, os monumentos mais imponentes, o Tejo, a Ponte 25 de Abril ou a outra margem. Há até pérolas intocadas quando o assunto se resume a pontos com vistas privilegiadas e, na sua maioria, de acesso livre. Só tem de escolher um dos melhores miradouros em Lisboa e se a decisão se revelar difícil, a maioria não vai a lado nenhum e espera por si num dia de sol (ou de chuva). Na companhia de um amigo ou de um livro, descubra os vários pontos de vista da cidade.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade