0 Gostar
Guardar

Os melhores filmes para (re)ver em família

Cabem todos no sofá, enroscados uns nos outros? Para aqueles dias em que o melhor programa é ficar em casa, eis os melhores filmes infantis de todos os tempos. Para ver e rever em família, sem sapatos nem cerimónias.

Estes filmes não são para crianças. São para famílias inteiras. Pequenas ou numerosas, jovens ou envelhecidas. Dez clássicos obrigatórios para filhos, pais e até avós. 

Os melhores filmes para (re)ver em família

Up - Altamente (2009)

Up - Altamente (2009)

Os miúdos vão querer entrar para os escuteiros. Os pais vão delirar com a casa a voar, puxada por balões. As mães vão choramingar com a mais bela história de amor alguma vez contada pela Pixar, ao estilo de “até que a morte nos separe”. Amizade, velhice, amor e sonhos – tudo em apenas 96 minutos.  

Música no Coração (1965)

Música no Coração (1965)

Continua a ser um sucesso, 50 anos e muitas gerações depois. A freira mais adorável da história do cinema (não, não estamos a falar de Whoopi Goldberg), a família numerosa von Trapp e as músicas que mesmo quem nunca viu o filme sabe de cor fazem deste clássico muito mais do que um frete na programação televisiva natalícia.  

O Rei Leão (1994)

O Rei Leão (1994)

Com a banda sonora mais vendida da história da animação, este filme da Disney é um sucesso para todas as idades. Há vistas deslumbrantes, animais de todas as espécies, lições de vida e até mensagens sexuais subliminares escondidas na savana. Consegue descobrir uma mulher semi-nua de costas no poster do filme? E a palavra “sex” numa nuvem de poeira? 

O Feiticeiro de Oz (1939)

O Feiticeiro de Oz (1939)

Um clássico de Hollywood, que continua a arrancar uaus mais de 70 anos depois da estreia, graças ao seu imaginário – com macacos voadores, espantalhos velozes e bruxas boas – e à sua mensagem intemporal. Uma pessoa pode ir para fora e descobrir o mundo, viver aventuras e fazer novos amigos, mas no final nada sabe tão bem como regressar a casa. 

Toy Story (1995)

Toy Story (1995)

Os miúdos agora gostam é de brincar com tablets, mas na verdade, não precisam de ter um cowboy ou um astronauta para se identificarem com o primeiro filme da Pixar. Nestes desenhos-animados, os brinquedos ganham vida e passam por aventuras hilariantes quando os seus donos não estão a ver. E se o tablet também acordasse depois de eles irem para a cama?     

Wall-e (2008)

Wall-e (2008)

Fazer com que um filme cujo cenário é o planeta Terra à beira do fim seja adorado por crianças de todo o mundo é um feito. Um feito do Wall-e, que conta a história de um robot apaixonado. Se até agora não ligou nenhuma à conversa sobre a reciclagem que o seu filho trouxe da escola, sente-se com ele e aprenda qualquer coisinha. 

Querida, encolhi os miúdos (1989)

Querida, encolhi os miúdos (1989)

Poças de lama, formigas e uma taça de cereais de pequeno-almoço são os grandes obstáculos a ultrapassar pelos miúdos deste filme, que foram encolhidos através de uma engenhoca inventada pelo próprio pai. Quem viu no cinema quando era adolescente, pode agora matar saudades e rever em casa. Provavelmente, na companhia dos próprios filhos. 

A Fuga das Galinhas (2000)

A Fuga das Galinhas (2000)

Os mais novos vão ver a aventura de um bando de galinhas a tentar escapar da quinta. Os mais velhos vão encontrar uma belíssima metáfora ao Holocausto, que consegue ser ao mesmo tempo hilariante e comovente. Todos a olhar para o mesmo ecrã.

A Viagem de Chihiro (2001)

A Viagem de Chihiro (2001)

Até está disposto a ver desenhos-animados com os miúdos, mas recusa-se a assistir a uma história infantilóide. Escolha então o mundo mágico do realizador japonês Hayao Miyazaki e acompanhe a difícil jornada de Chihiro. Distinguido com o Urso de Ouro no Festival de Berlim e com o Óscar na categoria de Melhor Filme de Animação, é uma referência para todas as gerações. 

O Estranho Mundo de Jack (1993)

O Estranho Mundo de Jack (1993)

Nunca o Natal foi tão macabro. Ou não estivéssemos a falar do Natal de Tim Burton. Monstros, fantasmas, bruxas, vampiros e lobisomens substituem renas, duendes, luzinhas e pais Natal, numa história que, afinal, até acaba bem: com um beijo apaixonado num cemitério.

Comentários

1 comments
Laura S
Laura S

Os dez clássicos que realmente importa rever em família :)