Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Filmes de animação na Netflix que não pode perder

Filmes de animação na Netflix que não pode perder

Para miúdos e graúdos, estes são alguns dos melhores filmes de animação na Netflix. A não perder

Por Editores da Time Out Lisboa |
Publicidade
Zootrópolis
DR

Há muitos filmes para crianças na Netflix, mas o cinema de animação há muito que não é apenas para os mais pequenos. Os filmes animados tornaram-se num dos géneros mais populares em todo o mundo, onde trabalham algumas das melhores mentes criativas do cinema, e onde a inspiração cómica, um registo habitual, é muitas vezes genial.

Há carências óbvias no catálogo de filmes de animação na Netflix em Portugal, no entanto, em comparação com a parca oferta de bons filmes de outros géneros no serviço de streaming, a selecção destaca-se pela positiva.

Recomendado: Os piores e os melhores filmes da Disney

 

Filmes de animação que não pode perder na Netflix

Akira (1988)

O mais celebrado anime produzido fora dos Estúdios Ghibli começa com uma aparente explosão nuclear, em Tóquio, termina com um Big Bang e pouco deixa para o meio do enredo. Enredo, aliás, demasiado elaborado e complexo para ser aqui resumido, o que não impede de referir que nele se incluem gangues de motociclistas e mutantes à solta por um Japão pós-apocalíptico. É um filme ilustrativo das consequências que experiências militares sem controlo podem provocar na humanidade, mantendo-se ao mesmo tempo assustador e plausível mesmo nos seus mais desembestados momentos.

Wallace & Gromit A Maldição do Coelhomem (2005)

A primeira longa-metragem de Wallace e o seu cão Gromit, as míticas personagens dos estúdios Aardman, conta com ilustres no elenco de voz, como Helena Bonham Carter e Ralph Fiennes, na versão original, ou Nuno Markl, em Portugal. Com realização de Steve Box e Nick Park, esta produção anglo-americana levou para casa o Óscar num ano em que também estavam apontados desenhos animados como Noiva Cadáver (de Tim Burton) e O Castelo Andante (de Hayao Miyazaki). O que diz muito sobre o seu real valor.

Publicidade

Madagáscar (2005)

Os animais do jardim zoológico de Central Park são bem tratados e levam uma vida boa, dentro dos possíveis. Porém, os bichos não foram feitos para viver em cativeiro e, certo dia, um grupo foge do zoo e vai parar a Madagáscar. O que não se revela tão bom como estavam à espera, neste filme de Eric Darnell e Tom McGrath, com um elenco vocal de luxo que, na versão original, inclui Ben Stiller, Chris Rock, Sacha Baron Cohen ou Andy Richter. Em Portugal também não nos podemos queixar: estão aqui Bruno Nogueira e os Gatos Fedorentos. A história não acabou aqui, e as suas continuações também se encontram na Netflix.

O Panda do Kung Fu (2008)

Porque a vida também é feita de animais fofinhos, lutas muito vagamente orientais e piadas em rajada. Dentro do género, o filme de Mark Osborne e John Stevenson continua a ser imbatível. A história é de um panda gordo e preguiçoso, Po, que por um daqueles acasos do destino e das comédias de animação se vê no lugar de um mestre do Kung Fu, o grande Dragão Guerreiro, e fica com o futuro de uma comunidade inteira nas suas patas. Seria para um público mais adulto um prazer culpado se não fosse tudo tão divertido. O Netflix tem também disponível a continuação, mas o original é o melhor.

Publicidade

Monstros vs Aliens (2009)

Susan é atingida por um meteorito no dia do seu casamento, e em resultado do acidente começa (naturalmente) a transformar-se num gigante com mais de 15 metros. Ao mesmo tempo, o governo americano está a braços com um super-cérebro alienígena que quer (mais uma vez naturalmente) controlar a Terra. Juntando dois mais dois, as autoridades mobilizam Susan para salvar o planeta e a civilização tal como a conhecemos. Conrad Vernon, produtor da série Shrek e realizador, entre outros, de Salsicha Party é o cérebro 100 por cento humano por detrás deste divertidíssimo Monstros vs Aliens.

Up – Altamente (2009)

Premiada com o Óscar de Melhor Filme de Animação em 2010 (também estava nomeada na categoria de Melhor Filme), a longa-metragem de Pete Docter agrada a toda a gente. Os miúdos vão querer entrar para os escuteiros. Os pais vão delirar com a casa a voar, puxada por balões. As mães vão choramingar com a mais bela história de amor alguma vez contada pela Pixar, ao estilo de “até que a morte nos separe”. Amizade, velhice, amor e sonhos – tudo em apenas 96 minutos.

Publicidade

A Origem dos Guardiões (2012)

Quando o espírito maligno Pitch lança um ataque à Terra, os Guardiões – compostos pelo Pai Natal, o Coelho da Páscoa, a Fada dos Dentes e outros ilustres do imaginário colectivo – unem-se para proteger a inocência das crianças por todo o mundo. Chris Pine, Alec Baldwin, Jude Law, Hugh Jackman ou Isla Fisher são alguns dos actores que emprestam a voz às personagens desta produção da Dreamworks nomeada para Melhor Filme de Animação nos Globos de Ouro norte-americanos.

Monstros: A Universidade (2013)

O sucesso de Monstros e Companhia levou a Pixar a rodar não uma continuação, mas sim uma prequela, a primeira da produtora. Monstros: A Universidade recua no tempo para os dias em que Mike e Sulley frequentavam o “ensino superior” dos monstros, onde se conheceram. O filme aproveita clichés, personagens-tipo e situações feitas dos college movies, trabalhando-as a partir da perspectiva do universo cómico-fantástico em que a acção decorre. O twist da história reside no facto de Mike e Sulley, grandes amigos em Monstros e Companhia, não o serem em Monistros: A Universidade, cujo argumento mostra como é que eles passaram de monstros que não se podiam ver um ao outro, a companheiros inseparáveis.

Publicidade

A Viagem de Arlo (2015)

Uma produção da Pixar e da Disney, esta longa-metragem animada e em 3D parte da seguinte premissa: e se o asteróide que colidiu com a Terra e causou a extinção dos dinossauros, não tivesse atingido o nosso planeta, e estes animais tivessem evoluído paralelamente aos humanos? Um jovem dinossauro chamado Arlo, o mais fraco da sua ninhada, perde-se da família depois de um acidente e é ajudado por Spot, um menino das cavernas órfão. Ficam amigos e encetam uma jornada para que Arlo possa reencontrar a família, mas são perseguidos por pterodáctilos carnívoros.

Zootrópolis (2016)

Num mundo imaginário habitado por animais antropomórficos, uma coelha chamada Judy sonha ser polícia, uma profissão normalmente destinada a poderosos predadores e um estereótipo que a pequena Judy quer mudar em Zootrópolis. Inicialmente é destacada para a Divisão de Trânsito, mas com a ajuda do vigarista Nick, uma raposa matreira, tem uma missão importante para si e para a comunidade: procurar uma lontra que desapareceu juntamente com outros treze predadores. Com realização de Byron Howard e Rich Moore, foi vencedor de um Óscar para o melhor filme de animação.

Mais Netflix

Filmes

Dez filmes para ver em família na Netflix

Estes filmes não são só para crianças. São mesmo para toda a família. Seja pequena ou numerosa, qualquer unidade familiar pode passar um bocado a ver (ou rever) estes dez títulos obrigatórios para filhos, pais e até avós. Há desde produções animadas da Pixar, como Up – Altamente, a clássicos dos anos 80, como E.T. – O Extra-Terrestre, passando por filmes de super-heróis, como o primeiro Homem-AranhaÉ só escolher um destes filmes para a família na Netflix.

Roma
©Netflix
Filmes

15 filmes originais Netflix que tem de ver

Para lá das séries, há muito cinema para ver na Netflix, que tem apostado cada vez mais em filmes. Começou com os documentários, depois com os filmes de autor e, mais recentemente, entrou no campeonato de Hollywood e dos grandes festivais de cinema. Roma é o melhor exemplo disto: o filme de Alfonso Cuarón conquistou o Leão de Ouro em Veneza e conseguiu para o serviço de streaming um triunfo nas nomeações para os Óscares com dez indicações. 

Publicidade
Filmes

As melhores séries para ver na Netflix

O catálogo da Netflix, em Portugal, tem algumas falhas. Isso é notório sobretudo nos filmes, mas também nas séries. Só é possível colmatar esse problema devido a umas quantas parcerias estratégicas e ao facto de algumas das melhores produções do momento serem originais do serviço de streaming. O que é inegável é que, com uma ou outra excepção de peso, como Os Malucos do Circo dos Monty Python, a maior parte das séries disponíveis na Netflix foi feita neste século. 

You may also like

    Publicidade