Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Os melhores filmes de terror na Netflix

Os melhores filmes de terror na Netflix

Estes são os melhores filmes de terror na Netflix, ideais para uma noite sem pregar olho

The Conjuring
Warner Bros. Pictures
Por Editores da Time Out Lisboa |
Publicidade

A história do cinema de terror já vai longa. Desde o início do século XX que dezenas de realizadores, desde grandes mestres como Alfred Hitchcock a heróis de culto como George Romero, expandem e redefinem os limites do género. Esta amplitude referencial e estética está bem patente na nossa lista dos 100 melhores filmes de terror de sempre. Já a oferta de filmes de terror na Netflix é muito limitada, mas encontram-se lá clássicos absolutos como Veio do Outro Mundo, de John Carpenter. E uns quantos filmes mais recentes, com destaque para o premiado Foge (2017), de Jordan Peele.

Recomendado: Clássicos de cinema para totós: especial Terror

Os melhores filmes de terror na Netflix

Veio do Outro Mundo (1982)

Como outros clássicos de horror futurista, Veio do Outro Mundo, de John Carpenter, foi praticamente odiado na altura da estreia. Foi descartado como um clone de Alien, o Oitavo Passageiro, mais interessado em ultrapassar as limitações dos efeitos especiais de então do que no desenvolvimento das personagens ou na criação de tensão. Foi um desastre financeiro e pôs em causa a reputação do realizador como mestre do cinema de terror. O que é difícil imaginar, agora, com o benefício da distância (e repetidos visionamentos), pois Veio do Outro Mundo, neste oceano cinematográfico, emerge como um dos mais poderosos filmes de terror modernos, combinando arrepios com paranóia e incerteza em relação ao outro.

Psycho (1998)

O Psycho de Alfred Hitchcock é um dos melhores filmes de sempre. Um clássico que não mudou apenas o cinema, mas a sociedade em si mesma, ajudando a pavimentar o caminho para os tremores de terra culturais e respectivas revisões morais dos 60s. É escusado dizer que esta recriação plano-por-plano de Gus Van Sant não tem o mesmo impacto. E, apesar de ser basicamente o mesmo filme, os puristas acham-no muito inferior ao original. Contudo, é uma interessante experiência. Uma tentativa de actualizar o filme para o presente (que hoje parece quase tão distante como os anos 60 em que foi feito o original), com novos actores e cores onde antes tudo era preto-e-branco.

Publicidade

O Renascer dos Mortos (2004)

Como muito bem sabem os aficionados de The Walking Dead os zombies não só estão para durar como o cinema e a televisão que tratam das suas aventuras não lhes dão descanso. Pelo que não admira que em 2004, Zack Snyder, com argumento de George A. Romero, se atirasse a nova versão do clássico. O que admira é como o realizador enfrentou a sombra de um passado tão honroso e trouxe o tema para a actualidade, equilibrando cenas de violência ao mesmo tempo nojentas e arrepiantes com deliciosos pormenores sobre as personagens interpretadas por Sarah Polley, Ving Rhames e Mekhi Phifer.

Filmes, Terror

A Evocação (2013)

Baseado em factos reais, o filme de James Wan conta a história da família Perron, que em 1971 se muda para uma propriedade em Harrisville, Rhode Island, nos Estados Unidos. Logo após a sua chegada à casa, os cinco filhos começam a presenciar ocorrências anormais e é aí que entra em cena Ed e Louraine Warren, um casal de investigadores paranormais que tenta ajudar a família a perceber o que se está a passar. Protagonizado por Patrick Wilson, Vera Farmiga e Ron Livingston. 

Publicidade

Distrito 9 (2009)

Ninguém esperava um filme assim. Distrito 9 é produção de orçamento curto, primeira obra do realizador Neill Blomkamp, rodada na África do Sul. Estrelas não se encontram entre o elenco e as referências culturais obscuras. Todavia é descarada a consciência política, e a brutalidade da violência é preenchida com terror no grau extremo da escala. Com certeza por isso, esta história de um homem que dá por si infectado por um esporo de origem extra-terrestre rendeu mais de 200 milhões de dólares e foi nomeado para o Óscar de Melhor Filme. Nem tudo é perfeito, mas é sem dúvida entretenimento do mais vicioso, carregado de humor sombrio e sem qualquer medo de ser diferente.

Filmes, Terror

Verónica (2017)

O pai morreu e a adolescente Verónica não está preparada para tomar conta dos irmãos mais novos. Assoberbada pelas tarefas domésticas e escolares neste filme de Paco Plaza, com Sandra Escacena, Bruna González e Claudia Placer, a rapariga lá encontra um bocadinho para descontrair jogando Ouija com as amigas, Rosa e Diana. Estamos em Madrid, em 1991, em pleno eclipse solar, toda a escola no telhado a observar o fenómeno, e elas, na cave, a tentar contactar familiares mortos, o que parece uma brincadeira, mas desta vez não é, pois a protagonista começa então a sentir uma estranha força em si.

Publicidade
Filmes, Terror

Under The Shadow (2016)

Nos dias que antecedem o fim da guerra entre o Irão e Iraque, nos anos 1980,  uma mãe tenta proteger a filha de um espírito que tomou conta da sua casa, enquanto o marido luta na frente de guerra. No meio das bombas que vao caíndo, Shideh tenta salvar a filha da violência humana e da entidade que lhes assombra a casa.

Foge (2017)

O cinema de terror apresenta-se no seu melhor quando o medo emana da condição humana propriamente dita. É isso que faz do filme de Jordan Peele (vencedor do Óscar para Melhor Argumento Original) uma das obras essenciais da memória cinematográfica recente. Protagonizado pelo actor britânico Daniel Kaluuya, no papel de Chris, um fotógrafo que acompanha a namorada branca em visita à família num fim-de-semana que dá para o torto, o terror, nesta película, nasce da forma como a narrativa funciona como um espelho para o persistente racismo da sociedade. Na construção da obra, Peele subverte as expectativas, claramente traçando um novo nicho do género pela utilização de partes iguais de horror, comédia e comentário social.

Publicidade

Pesadelo em Elm Street (1984)

Um monstro que invade os nossos sonhos, estraçalhando a nossa psique com as suas luvas-navalhas é, sem dúvida, um dos melhores achados do cinema de terror. E mesmo que os filmes seguintes da série tenham optado por um tom de auto-paródia (por exemplo, colocando à venda bonecos de Freddy Krueger dirigidos ao público pré-adolescente), o original permanece como um dos mais desafiantes, inventivos e realmente aterrorizadores filmes-choque do século XX. O controlo de Wes Craven sobre o material filmado e a montagem final foi absoluto, e não serão meia-dúzia de efeitos especiais rascas a minar a importância deste pesadelo esteticamente vanguardista. Por outro lado, convém não esquecer, esta é a película que deu dimensão à New Line Cinema. Na altura em que os produtores deram 1,8 milhões de dólares a Craven para realizar a sua delirante visão, a empresa não era mais do que um grão de areia entre os estúdios independentes norte-americanos. Sete sequelas de Pesadelo em Elm Street depois e pouco mais de uma década passada sobre a estreia, a New Line Cinema financiou a trilogia Senhor dos Anéis. É obra, Freddy.

Annabelle: A Criação do Mal (2017)

Três anos após o lançamento de Annabelle, foi lançado este prelúdio, para mostrar a história de origem da temida boneca e de como acabou possuída por uma entidade do mal. E, ao contrário da primeira longa-metragem, a atmosfera do filme vai além de uns sustos aqui e acolá, graças à mudança de realizador, com David F. Sandberg, que já tinha sido responsável pelo sucesso de Lights Out: Terror na Escuridão (2016), a assumir funções. Entretanto, o terceiro da franquia chega este Verão: 4 de Julho, pode marcar na agenda.

Publicidade

Rings (2017)

The Ringremake realizado por Gore Verbinski do filme japonês Ringu, foi um grande sucesso na altura em que saiu  a personagem Samara, com os seus longos cabelos negros, será para sempre um ícone do cinema de terror. Este Rings é uma sequela moderna do franchise de terror, que conta como um grupo de estudantes universitários tenta descobrir os segredos sinistros por detrás de um rumor sobre um vídeo que mata quem o vê sete dias depois de o ter visto.

Fragmentado (2016)

Kevin sofre de transtorno dissociativo de identidade: dentro de si moram mais de 20 personalidades distintas. Um dia rapta três jovens, que terão de encontrar forma de escapar antes que a sua mais recente e perigosa personalidade assuma o comando. Esta é a sequela de O Protegido (2000), também escrito, produzido e dirigido por M. Night Shyamalan, e foi um gigantesco sucesso de bilheteira: quase 280 milhões de doláres de receitas em todo o mundo. Se não viu o primeiro, vale a pena marcar sessão de cinema prolongada, até porque Glass estreou-se recentemente e junta as histórias do primeiro e do segundo filme.

Mais Netflix

black mirror season 3
©Laurie Sparham/Netflix
Filmes, Ficção científica

Sete séries de ficção científica na Netflix a não perder

Nos últimos tempos, a aposta mais consensual entre os fãs de ficção científica – género que representa quase um terço das produções originais da Netflix – tem sido Black Mirror, uma antologia que mostra muitas vezes o lado mais negro da tecnologia e das redes sociais. Mas há mais propostas disponíveis no catálogo português da plataforma de streaming.

Roma
©Netflix
Filmes

14 filmes originais Netflix que tem de ver

Para lá das séries, há muito cinema para ver na Netflix, que tem apostado cada vez mais em filmes. Começou com os documentários, depois com os filmes de autor e, mais recentemente, entrou no campeonato de Hollywood e dos grandes festivais de cinema. Roma é o melhor exemplo disto.

Publicidade
Filmes

As melhores séries românticas para ver na Netflix

Romances históricos, comédias românticas, histórias caóticas e negras mas também de encantar. No que diz respeito ao amor, o serviço de streaming tem tudo para lhe dar, seja para ver sozinho enroscado no sofá ou para ver agarrado à sua cara metade. O que não faltam são séries românticas para ver na Netflix. 

Publicidade