Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Todas as praias da Arrábida

Todas as praias da Arrábida

A menos de uma hora de Lisboa, a Arrábida é um postal encaixado entre a serra e o Atlântico, onde não faltam praias para todos.

Por Francisca Dias Real e João Pedro Oliveira |
Publicidade
Ribeira do Cavalo - Praia
Fotografia: Arlindo Camacho Praia do Ribeiro do Cavalo

Poucos areais ao longo da costa portuguesa oferecem imagens tão dignas de postal quanto as praias da Arrábida o fazem. As águas cristalinas rodeadas de vegetação e areia branca fazem roer de inveja qualquer um. Este paraíso, a menos de uma hora de Lisboa, mudou recentemente o jogo das acessibilidades durante a época balnear. Isto para evitar grandes congestionamentos de trânsito e condutores preguiçosos e pouco habilidosos que teimavam em bloquear a estrada de acesso às praias com estacionamentos em ambas as bermas.

O programa Arrábida Sem Carros | Praias de Setúbal para Todos põe em acção um plano, que arrancou já a 15 de Junho e vai até 15 de Setembro, que condiciona a circulação e estacionamento automóvel em dois troços: o primeiro entre a Praia da Figueirinha e a do Creiro (entre o segundo túnel da Figueirinha e o parque de estacionamento do Creiro; 08.00-20.00) e o outro entre a Casa do Gaiato e o Portinho da Arrábida (entre a estrada de acesso ao Portinho, após a Casa do Gaiato, e o Portinho da Arrábida; 08.00- 19.00). Portanto, como é que, afinal, chega às praias dos Coelhos, Galapinhos e Galapos, que estão entre estes extremos? Deixa o veículo num dos limites, ora na Figueirinha, ora no Creiro, e chega cedo para arranjar lugar.

A partir daí está por sua conta: ou dá uso às perninhas que lhe deram e passa as cancelas vermelhas, que impedem a passagem dos carros e são vigiadas pela polícia, ou apanha boleia dos autocarros que fazem as travessias de uma ponta à outra. A Transportes Sul do Tejo tem carreiras (abrangidas pelo passe Navegante) de vários pontos de Setúbal e da Brejoeira (Azeitão), assegurando as ligações às praias da Arrábida. Pode ainda apanhar os autocarros vaivém gratuitos que partem da Figueirinha para o Creiro, e vice-versa, com paragem nas praias de Galapos e Galapinhos (saia aqui para a dos Coelhos), e funcionam a cada 20 minutos entre as 08.00 e as 20.00. Também existe outro vaivém entre o cruzamento do Portinho da Arrábida (EN 379-1) e a praia do Portinho da Arrábida, das 09.00 às 19.00. 

Recomendado: Coisas para fazer na Arrábida

Todas as praias da Arrábida

Praia do Porto da Baleeira (Praia do Paraíso)
Fotografia: Arlindo Camacho
Atracções, Praias

Praia do Porto da Baleeira (Praia do Paraíso)

icon-location-pin Grande Lisboa

É conhecida como Praia do Paraíso – e o paraíso pode ser uma cama de pedras. É o que acontece aqui: quando a maré sobe, sobra apenas uma manta de seixos. Esta pequena baía é muito procurada para baptismos de mergulho. É a primeira praia selvagem depois do Cabo Espichel.

COMO CHEGAR: Passando a Azóia, siga pela N379 até à rua da Baleeira, uma estrada de terra batida à sua direita. Siga até junto do segundo caminho que encontrar à direita e pare o carro (se tiver GPS, chega aqui com as coordenadas N 38° 24.930 W 009° 11.366). Caminhe pelo estradão de terra batida, depois terá de descer por um pequeno carreiro inclinado mas seguro que começa à sua direita. No total, são 1500 metros a penantes.

praia do penedo
Fotografia: Arlindo Camacho
Atracções, Praias

Praia do Penedo (Praia do Inferno)

É conhecida como Praia do Inferno. Mas na Arrábida o inferno é um lugar relativo e no tempo quente, mesmo quando a maré sobe nesta ligeira enseada, o areal é generoso. Além disso, se concorda com Sartre e acha que o Inferno são os outros, bem-vindo ao Paraíso.

COMO CHEGAR: Partindo da Aldeia nova, junto à estrada N379, é uma hora a calcorrear trilho de serra que finaliza com uma descida abrupta. 

Publicidade
Praia da Cova da Mijona
Fotografia: Arlindo Camacho
Atracções, Praias

Praia da Cova da Mijona

icon-location-pin Grande Lisboa

Fica numa enseada larga, protegida a poente por uma ponta da falésia, e tem uma língua de areal bastante simpática. É aqui que se encontra o único calhau totalmente recuperado desta costa (o Calhau da Mijona), que é o sonho de qualquer eremita com vocação para o trocadilho.

COMO CHEGAR: Partindo da Aldeia nova, junto à é uma hora a calcorrear trilho de serra que finaliza com uma descida abrupta. Para a Cova da Mijona, ainda tem de vencer um trilho escavado na ravina. Vá com quem sabe ou, melhor ainda, apanhe uma boleia de barco. Aconselhamos os transfers Vertente Natural (www.vertentenatural.com).

Ribeira do Cavalo - Praia
Fotografia: Arlindo Camacho
Atracções, Praias

Praia da Ribeira do Cavalo

icon-location-pin Grande Lisboa

Durante muito tempo foi segredo, mas agora é como um cavalo escondido com a crina de fora. É a primeira das praias selvagens a oeste de Sesimbra e tem sido descoberta por cada vez mais gente. O areal é extenso, mesmo na maré alta, e a paisagem dá outro sentido ao slogan “vá para fora cá dentro.”

COMO CHEGAR: No fim do porto de abrigo, depois do parque de estacionamento junto ao Clube Naval, siga pela estrada de terra batida do lado direito, até onde o caminho é interrompido. Desmonte e siga a pé. São uns 2,5 km de mato, meia hora a trote.

 

Publicidade
Sesimbra
Fotografia: Arlindo Camacho
Atracções, Praias

Praia de Sesimbra

icon-location-pin Grande Lisboa

A Praia de Sesimbra são duas (Ouro a Poente, Califórnia a nascente), que se estendem por toda a marginal da vila. Não é o areal mais pacato do mundo, mas oferece um ambiente urbano que nenhuma outra tem. O melhor peixe do mundo nasce nas águas que tem à sua frente e acaba nos restaurantes que tem nas suas costas.

COMO CHEGAR: Como ir: siga as placas, não vamos perder tempo com isso.

alpertuche
Fotografia: Arlindo Camacho
Atracções, Praias

Praia de Alpertuche

icon-location-pin Grande Lisboa

Está virada a Sudeste e apenas revela o areal na maré baixa. Quando a água sobe, é uma praia de calhaus rolados (rolling stones, se quiser soar cool). Mas acredite, vale a pena a visita. A encosta está povoada pelo casario que aqui se foi erguendo até 1976, altura em que toda a construção foi proibida no Parque Natural.

COMO CHEGAR: Pelo trilho de terra batida, a 100 metros do cruzamento para o Portinho da Arrábida, antes do Museu Hidrográfico.

Publicidade
portinho da arrábida
Fotografia: Arlindo Camacho
Atracções, Praias

Praia do Creiro / Portinho da Arrábida

icon-location-pin Grande Lisboa

Cá em baixo, tem um areal extenso ao longo da baía. Para poente, tem o Portinho da Arrábida, a pequena aldeia piscatória que, diz a lenda, foi criada por frades franciscanos para pescadores que aqui chegavam fugidos à pirataria. Atenção às interdições aplicáveis este ano.

COMO CHEGAR: Conte com interdição total da circulação de automóveis ligeiros, nos dois sentidos, entre os parques de estacionamento da Figueirinha e do Creiro.

Praia dos Coelhos
Fotografia: Arlindo Camacho
Atracções, Praias

Praia dos Coelhos

icon-location-pin Grande Lisboa

É a última praia selvagem desta costa, não tem concessionário e já foi cenário de dezenas de campanhas publicitárias. Apesar de não ser segredo para ninguém, é avessa a grandes enchentes. Para a alcançar é preciso vencer um caminho que dá trabalho e nem toda a gente está para isso.

COMO CHEGAR: O trilho começa lá em cima, junto à estrada, depois dos Galapinhos. A única indicação que vai encontrar é uma placa a pedir para não deixar lixo (o que não é pedir muito). Depois são 10 minutos a descer.

Publicidade
Galapinhos
Fotografia: Arlindo Camacho
Atracções, Praias

Praia dos Galapinhos / Galapos

icon-location-pin Grande Lisboa

Não se deixe enganar pelo diminutivo: em extensão de areal, os Galapinhos são maiores que os Galapos e têm tudo para fazer as delícias das publicações estrangeiras, que passaram 2017 enamoradas por este destino azul. Vai encontrar o mesmo enquadramento postal de serra protectora da vizinha – e a mesma água transparente que parece importada do Índico (em câmaras frigoríficas, a avaliar pela temperatura). 

COMO CHEGAR: Sejamos honestos, o melhor mesmo é aderir ao transporte colectivo. A autarquia setubalense garante mais de uma dezena de carreiras para ligação às praias, com partidas de Setúbal e de Azeitão, e também de acesso directo entre zonas balneares.

Figueirinha
Fotografia: Arlindo Camacho
Atracções, Praias

Praia da Figueirinha

icon-location-pin Grande Lisboa

Foi a praia de infância de muita gente e continua a ser. Apesar do diminutivo, tem o areal mais extenso entre Setúbal e Sesimbra e um banco de areia que cresce mar adentro e cria uma enseada tranquila, ideal para deixar os gaiatos à solta. Estamos à boca do Sado, por isso a água costuma estar um grau ou dois acima das praias seguintes.

COMO CHEGAR: Não tem nada que enganar, siga a estrada da Serra a partir de Setúbal e é sempre em frente. Há autocarros a partir das estações rodoviárias de Setúbal. 

Publicidade
Albarquel
Fotografia: Arlindo Camacho
Atracções, Praias

Praia de Albarquel

icon-location-pin Grande Lisboa

Estamos na foz do Sado, ligeiramente a Leste do paraíso, mas a água já tem aquele calibre de aquário. Albarquel é a última praia da linha de costa da Arrábida, tem um areal extenso e é a única em que ir a pé desde Setúbal não se qualifica como treckking.

COMO CHEGAR: 20 minutos a pé a partir do limite poente da Avenida José Mourinho. Dois de carro.

Comer aqui ao lado

O Filipe
Arlindo Camacho
Restaurantes

Restaurantes em Sesimbra onde deve reservar mesa

O mote da iniciativa que promove a tradição piscatória e a cultura gastronómica da vila diz quase tudo. Sesimbra é tudo de bom do que vem do mar. E tanto podem ser uns carapaus gordos, como umas sardinhas, robalos ou pregados, salmonetes ou imperadares. Falta dizer que é também a arte que há em terra para cuidar tanto tesouro – não é só na grelha que se esconde o segredo de um bom prato à mesa.

Casa Santiago - Rei do Choco Frito
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

Os melhores restaurantes em Setúbal

É verdade que em Setúbal se come bom peixe, mas não pense que se fica por aí. Não, longe disso. Apesar de haver poucos sítios no mundo (sim, no mundo) tão bons para o comer. E é por isso que começamos então por celebrar uma mão cheia de uniões perfeitas entre peixe fresco e grelha quente. Pelo caminho, somamos grandes alternativas (sim, também há choco). 

Publicidade