Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Paraísos perto de Lisboa

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

Praia do pego
Fotografia: Arlindo Camacho Praia do Pêgo, na Compota

Paraísos perto de Lisboa

Farto da cidade? Não hesite: meta a mala na bagageira e faça-se à estrada

Por Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

Estamos a leste do paraíso. Na verdade, a oeste, a norte e a sul também. Lisboa é tudo o que lhe mostramos todos os dias e é, sobretudo, uma cidade com uma localização privilegiada. À sua volta, há ainda mais recantos bonitos e surpreendentes. Por isso (e porque não resistimos a ir laurear a pevide), seleccionámos dez destinos dignos de capa de revista em qualquer parte do mundo. Dez lugares de sonho que ficam já ali, a maioria a pouco mais de uma hora de distância, suficientemente perto para ir e voltar no mesmo dia.
 Ou não, o que sabe mesmo bem é ir e ficar. Mas é como quiser. Para um lisboeta, o céu pode esperar, que o paraíso está mesmo à porta. Boa viagem.

Recomendado: Escapadinhas de um dia a partir de Lisboa

Paraísos perto de Lisboa

Trafaria, Lisboa vista do Tagus Village
Trafaria, Lisboa vista do Tagus Village
Fotografia:Arlindo Camacho

1. Trafaria – 25 minutos

A Quinta do Tagus Village é uma espécie de oásis com 
a melhor vista de sempre para Lisboa, no Monte da Caparica, apenas a 25 minutos do centro da cidade. E ninguém diria que estamos num sítio chamado Costas de Cão. Aqui vai conseguir virar as costas a tudo excepto à outra margem do Tejo, porque é difícil olhar para outra coisa. Se quer levar a extravagância a outro nível, pode chegar de helicóptero, nem que seja só para comer sushi num dos melhores japoneses que pode encontrar. 

ONDE FICAR: Quinta do Tagus Village

As suites são muito procuradas por casais, até para noites de núpcias. No Verão os preços disparam e chegam perto dos 180 euros por noite. Costas de Cão, Monte da Caparica. 21 295 4359.

A NÃO PERDER: Na Cova do Vapor, comece por pedir 
um Cai Bem, essa especialidade 
desta que é a primeira praia da
 Costa da Caparica e uma pequena aldeia que em tempos foi de pescadores – hoje até já tem um hostel para surfistas, o Bugio à Vista. A bebida feita de ginjinha e limões do Oeste cai, obviamente, que nem ginjas.

ONDE COMER: Na mesma praia vai encontrar um restaurante simpático para comer peixe, o Albatroz, que tem peixe fresco também nos meses frios. Cova do Vapor, Trafaria. Todos os dias das 11.00 às 20.00.

PARA FAZER CONVERSA: A Quinta do Tagus Village foi em tempos a casa de Rafael Bordalo Pinheiro. Pode ser que também se sinta inspirado para desenhar.

MOMENTO INSTAGRAM: Tire uma foto aos cavalos da quinta e comprove que a vida de campo pode estar mesmo em Almada.

FICA A CAMINHO: Se veio de ferry de Belém e atracou na Trafaria, não deixe de experimentar os petiscos da Tasquinha do Aires. Rua Tenente Maia, 18, Trafaria. 21 295 0846. Seg-Sex 17.00-00.00, encerrado à quarta-feira.

sintra
sintra
Fotografia: Arlindo Camacho

2. Sintra – 46 minutos

Impossível falar em paraísos a uma hora de Lisboa sem referir Sintra, que pode até entrar na categoria de “Paraísos a uma hora do Porto (de avião)”. Aventure-se no centro histórico da vila, nas florestas e pinhais. Se quiser aproveitar o sol, encontra também algumas das praias mais bonitas de Portugal, como a semi-secreta Praia da Ursa, em Colares.

ONDE FICAR: São Miguel Guesthouse

Dormir num palácio no centro de Sintra não está ao alcance de qualquer um. Ou o herdámos de um tio-avô solteiro e brasonado ou o conseguimos comprar depois de anos de sacrifícios – ou depois de uma viagem ao futuro de onde trouxemos a chave do Euromilhões. Felizmente, a São Miguel Guesthouse aproxima-nos mais dessa experiência. Uma casa do século XIX que em tempos fez parte dos terrenos afectos ao Palácio da Vila, com vista para o Palácio da Pena e para a Quinta da Regaleira, dos nossos primos. Quartos a partir de 110€/noite. Rua de Soto Maior, 15, Sintra.

A NÃO PERDER: Os travesseiros 
d’A Periquita estão a par das queijadas entre os doces mais emblemáticos de Sintra. Se precisa realmente de uma desculpa para provar, diga a si mesmo: “Doçaria é gastronomia e gastronomia é cultura”.

ONDE COMER: No Restaurante da Adraga, um local de referência para quem adora tudo o que tenha escamas – excepto dragões. O peixe fresco é obrigatório e as filas de espera atestam a qualidade de tudo o que é ali servido. O melhor é reservar, ir mais cedo ou ir mais tarde. Evite as horas de ponta. Todos os dias das 12.00 às 22.30. Estrada da Praia da Adraga, 63, Colares.

PARA FAZER CONVERSA: Sabia que há druidas nas florestas de Sintra? A Ordem dos Bardos, Ovates e Druidas fica em Sintra, na Casa do Fauno. Lá pode tirar esse curso de bardo que anda há tempos para fazer.

UMA DATA: Aos segundos e quartos domingos de cada mês há a Feira de São Pedro, no Largo D. Fernando I, porque Sintra não é só romance e naquelas paisagens bucólicas também nascem rabanetes e couves.

MOMENTO INSTAGRAM: O poço iniciático da Quinta da Regaleira é um dos cenários mais repetidos no hashtag #sintra.

FICA A CAMINHO: Cabo da Roca, o ponto mais ocidental da Europa ou, como disse Camões, o lugar "onde a terra se acaba e o mar começa". 

Publicidade
Serra, Mar, Arrábida
Serra, Mar, Arrábida
Fotografia: Arlindo Camacho

3. Arrábida – 57 minutos

A piada é frequente: “Olha só onde vim parar!” No ecrã do seu telemóvel surgirá então uma praia de águas cristalinas rodeada de vegetação e areia branca que o fará começar a roer o que tiver à mão de inveja. “Caraíbas?”, “Sardenha?”. Não se enterre mais. O seu amigo não tem onde cair morto e o mais provável é estar na Arrábida. A Praia dos Coelhos 
é a resposta certa e o melhor é pôr-se também 
a caminho. Chegar lá não é fácil. Leve ténis e prepare-se para um trilho inclinado junto 
ao cruzamento que desce para a Praia do Creiro. Tudo aí é quase um sonho, excepto, claro, 
a temperatura da água. Mas também não é Verão para desatar a mergulhar: fique-se pelo passeio.

ONDE FICAR: Quinta dos Moinhos de São Filipe

Nada melhor do que dormir num moinho para arejar as ideias. Na Quinta dos Moinhos de São Filipe, na encosta da Serra da Arrábida, a vista para o mar é de ficar a ver navios. O proprietário, António, tal como os seus 
cães de estimação, 
costuma conquistar os hóspedes que por lá ficam e prometem voltar. Apartado 172, Setúbal. 935 505 401.

PARA PETISCAR: Casa Morena

Todos os pretextos são bons para passar por Setúbal a caminho da Arrábida, mas o peixe assado talvez seja o melhor. Na Casa Morena, com uma modesta esplanada de plástico com vista para o grelhador comunitário do largo da Fonte Nova, come-se, como toda a gente gosta: bem e barato. Salmonetes, massacotes e alcorrazes sempre frescos – e carregue nos érres quando fizer o pedido, como qualquer bom setubalense. Praça Machado dos Santos, Setúbal. 265 221 492. Seg-Dom 12.00-22.00.

E ainda... O 
Leo do Petisco

Não diga que se foi embora de Setúbal sem uma dose de choco frito. O restaurante ganhou fama entre habitantes e visitantes da terra de Mourinho por ser dos melhores para provar a iguaria. Rua da Cordoaria 33, Setúbal. 26 522 8340. Seg-Sáb, 12.00-15.00 e 19.00-22.00.

 

PARA FAZER CONVERSA:
 No ano passado, a flora protegida da Serra da Arrábida foi gravemente ameaçada por uma praga de javalis e a situação esteve “fora de controlo”, avisou a presidente da Junta de Freguesia de Azeitão. Até há relatos de javalis a 
passear à beira-mar, todos contentes.

FICA A CAMINHO: Insista em fazer o desvio por Azeitão no regresso a casa. É aí, no quilómetro 17 da Estrada Nacional 10, que vai encontrar a Fábrica das Tortas de Azeitão, ideal para ir buscar a sobremesa.

MOMENTO INSTAGRAM: A praia de Galapos ou a de Galapinhos (depende da 
sua preferência por
 diminutivos) e a sua água transparente dão óptimas 
fotos e hashtags como 
#natureporn ou 
#amarportugal. Sim, esperamos que seja mais criativo. 

Ericeira
Ericeira
Fotografia:Ana Luzia

4. Ericeira – 1 hora e 8 minutos

É desde 2011 a primeira reserva de surf da Europa, o que significa que todas as ondas – boas e más ondas – são protegidas. Também significa que esta praia a uma hora de Lisboa é um dos destinos mais procurados da Costa Oeste, mesmo por aqueles que não usam fatos de neoprene.

ONDE FICAR: You and the Sea

A Ericeira é um dos sítios fora das grandes cidades com mais ofertas para pernoitar. Mas este You and the Sea abriu onde melhor se podia esperar: mesmo de frente para o mar. Neste hotel e aparthotel não falta conforto e boa comida. Rua das Silvas (Ericeira). 261 243 370.

ONDE COMER: Pizzamobile


Muito antes da moda dos food trucks a Ericeira já tinha uma pizzaria sobre rodas. Começou por ser uma Ford Transit estacionada no extinto surfcamp, mas agora está junto à Praia de São Lourenço. Tem pizzas, focaccias, uma lasanha vegetariana e serve caipirinhas numa esplanada abençoada pelo sol e com uma vista privilegiada para a praia. Fora do Verão, só abre ao fim-de-semana. Pizzamobile, Praia de São Lourenço.

 

PARA FAZER CONVERSA:
 Sabia que houve um Rei da Ericeira?
 Na verdade não existiu rei nenhum. Apenas um monge parecido com o Rei D. Sebastião que se fez passar pelo monarca desaparecido e chegou até a controlar um pequeno exército.
 Os monarcas espanhóis não gostaram da brincadeira e mandaram-no estrear 
a sua nova guilhotina.

MOMENTO INSTAGRAM: A Praia da Ribeira de Ilhas fotografada a partir de uma das colinas que a ladeiam. 

FICA A CAMINHO: A Aldeia Típica José Franco, uma espécie de Portugal dos Pequenitos em miniatura. 

Publicidade
Praia Formosa - Santa Cruz
Praia Formosa - Santa Cruz
Photograph: Arlindo Camacho

5. Santa Cruz – 1 hora e 15 minutos

Santa Cruz faz-se difícil. Requer tempo, paciência, dedicação. Requer até um corta-vento, mesmo no Verão. Não é um amor à primeira vista, mas dá nas vistas assim que chegamos àquelas falésias e vemos um dos areais mais bonitos da Costa Oeste – depois de uma semana a ver Arial 12 no Microsoft Word, é um bálsamo pôr os olhos num areal de 20 quilómetros.

ONDE FICAR: Areias do Seixo


As Areias do Seixo dão-nos aquela sensação de coordenadas trocadas sem mudar de fuso horário – é como ser emigrante a uma hora de Lisboa. Este hotel de charme está de tal forma integrado na natureza que mal damos por ele, como a casa de um vilão de James Bond. Fica a cinco minutos a pé da praia e tem uma horta própria que abastece o restaurante. Quartos a partir de 295€. Póvoa de Penafirme, Torres Vedras.

NÃO DEIXE DE PROVAR: O pão do Oeste
, a causa à qual os seus maxilares se vão querer dedicar para o resto da vida. Quente, com manteiga, é uma das refeições de corredor da morte de muitos habitantes da região. A partir de 0,60€ no Moinho dos Caixeiros, Rua do Moinho 1, Caixeiros.

MOMENTO INSTAGRAM: A Praia Formosa. Nunca um areal teve um nome tão apropriado.

FICA A CAMINHO: De Peniche. E quem diz Peniche diz Berlengas. E quem diz Berlengas diz 
“leva um saco para o enjoo”. 

Lagoa de Óbidos
Lagoa de Óbidos
©Dipl. Ing. Guido Grassow

6. Lagoa de Óbidos – 1 hora e 20 minutos

Podíamos começar por gabar a diversidade avifaunística ou a riqueza piscícola da Lagoa de Óbidos, mas vamos parar um pouco para contemplar a vista. Afinal, esta é a maior lagoa da Península Ibérica e, na nossa opinião, a mais bonita. Fica perto da vila histórica de Óbidos e tem uma mão cheia de praias à mão de semear: Foz do Arelho, Estrela, Bom Sucesso, Rei do Cortiço e Baleal, entre outras. Em tempos a lagoa tinha como actividades lúdicas apenas a pesca e os passeios de gaivota (o barco a pedais, não a espécie), mas hoje faz-se vela, windsurf, canoagem, kiteboard e aquele desporto moderno que é um bocado fazer troça dos náufragos, o stand up paddle.

ONDE FICAR: Rio do Prado


Se vê folhas de Excel de cada vez que fecha os olhos, então se calhar está a precisar de fugir para este eco resort. Tem 15 suites completamente integradas na paisagem e parece o sítio perfeito para fugir a um apocalipse zombie ou ir de férias – dois cenários em que as folhas de Excel são irrelevantes. O Rio do Prado tem cinco lagos, duas piscinas, um spa e um restaurante, bem como um jardim e uma horta biológica. Uns dias lá e a sua pegada de carbono reduz-se ao ponto de vir a precisar de uns sapatos de carbono novos. Suites a partir de 200€/noite. Rua das Poças, Arelho (Lagoa de Óbidos).

A PETISCAR: O Covão dos Musaranhos

Amêijoas à Bulhão Pato.
 Se estas quatro palavras são suficientes para eriçar as suas papilas gustativas, então tem de visitar esta barraca de madeira à beira da lagoa. As amêijoas são apanhadas mesmo ali e há quem jure que são as melhores do país. As outras especialidades são a enguia frita, os lingueirões e outras amostras da riqueza piscícola da lagoa. Quinta do Bom Sucesso, Vau. Todos os dias a partir das 10.30.

A NÃO PERDER: Ginjinha de Óbidos

Mesmo se quiser evitar a bebida típica da região, não vai conseguir. É omnipresente e surge na sua variação normal – “com elas” ou “sem elas” – e em copo de chocolate, uma invenção recente a que é muito difícil de resistir.

MOMENTO INSTAGRAM: O pôr-do-sol na lagoa, um cenário livre de selfies porque você fica em contraluz. Pense nisso.

FICA A CAMINHO: Jardim Buddah Eden, de Joe Berardo, no Carvalhal. 

Publicidade
Lago Montargil e Villas, do Hotel do Lago
Lago Montargil e Villas, do Hotel do Lago
©Hotel do Lago

7. Montargil – 1 horas e 33 minutos

Vai demorar bem mais que uma hora para aqui chegar, mas tudo depende da velocidade. Atenção que não estamos a mandá-lo ir depressa. Até porque na barragem de Montargil não há pressas e o tempo passa devagar, ou não estivéssemos em pleno Alentejo. À volta da barragem há várias opções de alojamento, de hotéis e resorts de luxo ao parque de campismo onde pode montar a mais modesta das tendas e ainda assim passar uns dias de sonho. Canoagem, wakeboard, passeios a pé ou de bicicleta e ainda desportos como o canyon hiking – já vamos explicar. Aqui não se vai aborrecer de certeza.

ONDE FICAR: Hotel do Lago


A imagem da piscina infinita deste hotel deve ficar guardada na memória e recuperada de cada vez que estamos quase a desesperar em mais uma reunião. O Hotel do Lago fica na albufeira da Barragem de Montargil, um espelho de água ao qual se juntam mais quatro piscinas exteriores e uma interior. Para além dos 99 quartos e 6 suites há 11 villas para quem quer mais privacidade. Quartos a partir de 120€, Lago Montargil & Villas, Estrada Nacional 2, Montargil.

PARA PETISCAR: Retiro do Mocho


Não espere grandes luxos, a não ser nas doses. Está aqui para comer bem e o Retiro do Mocho tornou-se popular por isso mesmo. Aos fins-de-semana é difícil arranjar mesa, mas vale a pena esperar. Migas de espargos, sopa de cação ou lombinhos com gambas. Tudo a preços acessíveis. Foros do Mocho, Montargil. Todos os dias, 12.00-15.00 / 19.30-00.00. 242 904 271.

A NÃO PERDER: Canyon hiking


Já ouviu falar em marmitas de gigante?
 Na barragem vai encontrar estas crateras que lhe vão fazer lembrar muita coisa – tupperwares de um gigante, porque não? 
A empresa de aquaturismo Azenhas da Seda organiza passeios de canyon hiking em Montargil que duram meio dia. Prepare-se para andar de capacete dentro de água, subir a rochas, visitar “o interior de canyons semi-secos” e descobrir piscinas 
naturais.

MOMENTO INSTAGRAM: Um passeio de barco, caiaque ou mota de água no rio.

FICA A CAMINHO: Vá um bocadinho mais longe, até Mora, e visite o Fluviário, com várias espécies que habitam nos rios, como por exemplo as lontras – muito diferentes das que se encontram no Oceanário.

Praia do Pego na Comporta
Praia do Pego na Comporta
Fotografia:Arlindo Camacho

8. Comporta – 1 hora e 42 minutos

Fica meio adormecida mal vê a época alta chegar ao fim, mas a Comporta não deixa de ter os seus encantos mesmo no resto do ano. Se não pode estender a toalha para lagartar de fato de banho, opte por passear na areia, comer bem ou fazer boas compras.

ONDE FICAR: Casas na Areia


Quem está ansioso por se descalçar e enterrar os pés na areia nem precisa de ir mais longe. Nas Casas na Areia nem tem de se sacudir bem à saída da praia. As quatro casas de luxo pensadas pelo arquitecto Manuel Aires Mateus numa antiga aldeia de pescadores ficam mesmo em cima da areia e também têm uma 
pequena piscina. Um paraíso. Os preços é que já são mais dos infernos: 600€/dia por um mínimo de sete noites (Sítio da Carrasqueira, Comporta). Para os mais remediados há alojamentos locais como a simpática Toca do Grilo, com quartos a partir de 40€/dia (Avenida 18 de Dezembro, Carvalhal) ou o Verde e Mar, a 70€/dia (Brejos da Carregueira de Cima).

PARA PETISCAR: Comporta Café


No princípio eram as caipirinhas. Servidas nesta mesma Praia da Comporta, muito antes de a zona entrar na moda. Luís Carvalho, o dono do restaurante, passa férias aqui desde miúdo e, quando em 94 decidiu trocar Lisboa pela Comporta, foi com o intuito de montar um restaurante a sério. A formação em Gestão Hoteleira e um rally de estudo de norte a sul do país serviram de base para abrir um restaurante de praia, em 2002. A cozinha é feita com produtos da região, “principalmente arrozes e peixe”, adaptados a todo o tipo de pratos, desde petiscos, a saladas, peixes grelhados ou em receitas de tacho. Entre as especialidades há arroz de choco com tinta – “com a tinta dos próprios chocos” –, camarão com molho Comporta Café ou misto de cogumelos salteado com fumeiro. Guarde espaço para as sobremesas. Praia da Comporta. Seg-Dom 11.00-18.00.

A NÃO PERDER: Cavalos na Areia


Aqui os cavalos são tranquilos, já nos tinha garantido o dono da empresa Cavalos na Areia. Geralmente fazem-se dois passeios por dia, ambos de duas horas e para maiores de 11 anos. A viagem começa na Praia da Torre. Praia da Torre, Comporta. Passeios a 50 euros com duração de duas horas. Reservas com 48 horas de antecedência para o 91 900 2545.

MOMENTO INSTAGRAM: No barco de Setúbal para Tróia, que até tem Via Verde.

FICA A CAMINHO: Se vai apanhar o barco em Tróia, vá até ao Casino e tente a sua sorte na banca francesa. Talvez faça dinheiro suficiente para prolongar a sua estadia por mais uns tempos. 

Publicidade
Hotel Vale do Gaio, em Vale do Gaio
Hotel Vale do Gaio, em Vale do Gaio
©Gustavo Figueiredo/Hotel Vale do Gaio

9. Vale do Gaio – 2 horas

Quem diria que este paraíso fica a 115 km de Lisboa?
 O Hotel Vale do Gaio, mesmo em cima da barragem Trigo de Morais, 
a menos de 30 quilómetros de Alcácer do Sal, é tudo o que precisa para desligar o telemóvel, parar de pensar em trabalho e finalmente atacar aquela pilha de livros que anda a adiar ler porque adormece sempre que chega à cama. Está tão longe da civilização que vai ter tempo de se dedicar a outras tarefas, como a observação de pássaros – ou de astros, para quem de aves só quer saber da perdiz no prato.

ONDE FICAR E FICAR: Hotel Vale do Gaio

A antiga pousada foi recuperada e é agora um dos melhores hotéis do Alentejo, de onde vai ser difícil sair. Vistas para a barragem, uma piscina com um deck de madeira e várias actividades para quando já estiver farto de não fazer nada. Barragem Trigo de Morais, Alcácer do Sal. 265 669 610. Desde 135 euros por noite.

PARA PETISCAR: Restaurante do Vale do Gaio

Os donos do hotel também são proprietários do restaurante XL, em Lisboa, e isso é razão mais do que suficiente para que se preocupem com a qualidade do restaurante do hotel, com comida alentejana com um toque sofisticado. Experimente, por exemplo, o entrecosto de porco com açorda alentejana de tomate ou a lagueirada de polvo com batata a murro. Reservas: 265 669 610.

A NÃO PERDER: O passeio 
de balão


A Passeios e Companhia organiza vários tipos de passeios e actividades na zona, desde birdwatching a rafting, passando por desafios de orientação que chegam a durar três horas. 96 808 4584.

MOMENTO INSTAGRAM: Por aqui há várias pistas 
de geocaching espalhadas 
e até já foi criado o hashtag #geocachingalentejo. Enriqueça a colecção com fotos das paisagens que for encontrando pelo caminho. E boa sorte a descobrir a próxima caixa.

FICA A CAMINHO: Nada como um bacalhau à Boa Viagem para tornar a viagem mais longa. Faça uma paragem no Café-Restaurante Boa Viagem, onde a especialidade também é o cozido à portuguesa e o feijão de cebolada com carapauzinhos fritos. E.N.120, Olival Queimado. 265 622 287. Encerra ao domingo.

Quer fugir para longe?

Ribeira d'Ilhas
Fotografia: Arlindo Camacho

Escapadinhas de um dia a partir de Lisboa

Coisas para fazer

Não custa nada ir passear e mudar de ares. Sobretudo quando pode visitar destinos que não ficam a mais de uma hora de distância de Lisboa. De Cascais a Óbidos, há apontamentos culturais, sugestões carregadas de história, mesas simpáticas, tudo o que se quer. E tudo à mão de semear. Inspire-se nesta lista de escapadinhas de um dia a partir de Lisboa.

six senses douro valley
©DR

Sete hotéis românticos em Portugal para uma escapadinha a dois

Hotéis

Fevereiro é o mês mais propício a escapadinhas românticas, mas todos os dias do ano são bons para levar a sua cara-metade a passear – e melhores ainda para experimentar uma nova cama king size ou ver as vistas à mesa do restaurante do hotel. Para não deixar nada ao acaso, fomos à procura de hotéis românticos em Portugal e encontrámos várias propostas nos destinos mais encantadores do país.

Publicidade
Evoramonte - Estremoz
AX

Escapadinhas gastronómicas que valem a viagem

Restaurantes

Lisboa importou restaurantes de todo o país, sobretudo (mas não só) do Norte e do Alentejo. Nada se compara, contudo, à experiência de ir comer à terra de origem. O caminho pode ser longo e demorado, mas estas escapadinhas gastronómicas valem muito a pena. Passámos o país a garfo fino para lhe dizer quais são as dez mesas que justificam cada quilómetro. Tem paragens para todos os gostos.

Recomendado More from Christmas

    More from Christmas

      Também poderá gostar

        Publicidade