2 Gostar
Guardar

Paraísos perto de Lisboa

Farto da cidade? Não hesite: meta a mala na bagageira e faça-se à estrada. Mesmo aqui ao lado há lugares tão bonitos e surpreendentes como os que costuma ver nas melhores revistas de viagens

Fotografia: Arlindo Camacho
Portinho da Arrábida

Estamos a leste do paraíso. E a oeste, a norte e a sul também. Lisboa é tudo o que lhe mostramos todos os dias, mas é também uma cidade com uma localização privilegiada. Seleccionámos dez destinos dignos de capa de revista em qualquer parte do mundo. Dez lugares de sonho que ficam já ali, a maioria a pouco mais de uma hora de distância, suficientemente perto para ir e voltar no mesmo dia.
 Ou não. Para um lisboeta, o céu pode esperar, que o paraíso está mesmo à porta.

Ponha-se a caminho

1
Trafaria – 25 minutos

Trafaria – 25 minutos

A Quinta do Tagus Village é uma espécie de oásis com 
a melhor vista de sempre para Lisboa, no Monte da Caparica, apenas a 25 minutos do centro da cidade. E ninguém diria que estamos num sítio chamado Costas de Cão. Aqui vai conseguir virar as costas a tudo excepto à outra margem do Tejo, porque é difícil olhar para outra coisa. Não há praia, mas há uma piscina de onde não vai querer sair, a não ser para a pequena prancha de saltos. Se quer levar a extravagância a outro nível, pode chegar aqui de helicóptero, nem que seja só para comer sushi num dos melhores japoneses que pode encontrar. 

ONDE FICAR: Quinta do Tagus Village

As suites são muito procuradas por casais, até para noites de núpcias. No Verão os preços disparam e chegam perto dos 180 euros por noite. Ainda assim, ninguém se parece queixar. Costas de Cão, Monte da Caparica. 21 295 4359. www.quintadotagus-village.com

A NÃO PERDER: Cova do Vapor

Comece por pedir 
um Cai Bem, essa especialidade 
desta que é a primeira praia da
 Costa da Caparica e uma pequena aldeia que em tempos foi de pescadores – hoje até já tem um hostel para surfistas, o Bugio à Vista. A bebida feita de ginjinha e limões do Oeste cai, obviamente, que nem ginjas. Na praia vai encontrar um restaurante simpático para comer peixe, o Albatroz, ou para transformá-lo no seu escritório durante o Verão (tem wi-fi). Cova do Vapor, Trafaria. Todos os dias das 10.00 às 22.00, de quinta a sábado das 10.00 às 23.00.

PARA FAZER CONVERSA: A Quinta do Tagus Village foi em tempos a casa de Rafael Bordalo Pinheiro. Pode ser que aqui também se sinta inspirado para desenhar.

MOMENTO INSTAGRAM: Tire uma foto aos cavalos da quinta e comprove que a vida de campo pode estar aqui mesmo em Almada.

FICA A CAMINHO: Se veio de ferry de Belém e atracou na Trafaria, não deixe de experimentar os petiscos da Tasquinha do Aires. Rua Tenente Maia, 18, Trafaria. 21 295 0846. Segunda a sexta 17.00-00.00, fins-de-semana 13.00-00.00. 

2
Sintra – 46 minutos

Sintra – 46 minutos

Impossível falar em paraísos a uma hora de Lisboa sem referir Sintra, que pode até entrar na categoria Paraísos a Uma Hora do Porto (de avião). Para além do centro histórico da vila, das florestas e pinhais, há algumas das praias mais bonitas de Portugal, como a semi-secreta Praia da Ursa, em Colares.

ONDE COMER: Restaurante da Adraga

O local é referência para quem adora tudo o que tenha escamas – excepto dragões. O peixe fresco é obrigatório e as filas de espera atestam a qualidade de tudo o que é ali servido. O melhor é reservar, ir mais cedo ou ir mais tarde. Evite as horas de ponta. Todos os dias das 12.00 às 22.30. Estrada da Praia da Adraga, 63, Colares.

A NÃO PERDER: Os travesseiros 
d’A Periquita estão a par
 das queijadas entre os doces mais emblemáticos de Sintra. Se precisa realmente de uma desculpa para provar, diga a si mesmo: “Doçaria é gastronomia e gastronomia é cultura”.

ONDE FICAR: São Miguel Guesthouse

Dormir num palácio no centro de Sintra não está ao alcance de qualquer um. Ou o herdámos de um tio-avô solteiro e brasonado ou o conseguimos comprar depois de anos de sacrifícios – ou depois de uma viagem ao futuro de onde trouxemos a chave do Euromilhões. Felizmente, a São Miguel Guesthouse aproxima-nos mais dessa experiência. Uma casa do século XIX que em tempos fez parte dos terrenos afectos ao Palácio da Vila, com vista para o Palácio da Pena e para a Quinta da Regaleira, dos nossos primos. Quartos a partir de 110€/noite. Rua de Soto Maior, 15, Sintra.

PARA FAZER CONVERSA: Sabia que há druidas nas florestas de Sintra? A Ordem dos Bardos, Ovates e Druidas fica em Sintra, na Casa do Fauno. Lá pode tirar esse curso de bardo que anda há tempos para fazer.

UMA DATA: Aos segundos e quartos domingos de cada mês há a Feira de São Pedro, no Largo D. Fernando I, porque Sintra não é só romance e naquelas paisagens bucólicas também nascem rabanetes e couves.

MOMENTO INSTAGRAM: O poço iniciático da Quinta da Regaleira é um dos cenários mais repetidos no hashtag #sintra.

FICA A CAMINHO: Cabo da Roca, o ponto mais ocidental da Europa ou, como disse Camões, o lugar "onde a terra se acaba e o mar começa". 

3
Arrábida – 57 minutos

Arrábida – 57 minutos

A piada é frequente: “Olha só onde vim parar!” No ecrã do seu telemóvel surgirá então uma praia de águas cristalinas rodeada de vegetação e areia branca que o fará começar a roer o que tiver à mão de inveja. “Caraíbas?”, “Sardenha?”. Não se enterre mais. O seu amigo não tem onde cair morto e o mais provável é estar na Arrábida. Praia dos Coelhos 
é a resposta certa e o melhor é pôr-se também 
a caminho. Chegar lá também não é fácil. Leve ténis e prepare-se para um trilho inclinado junto 
ao cruzamento que desce para a Praia do Creiro. Tudo aqui é quase um sonho, excepto, claro, 
a temperatura da água.

PARA PETISCAR: Casa Morena

Todos os pretextos são bons para passar por Setúbal a caminho da Arrábida, mas o peixe assado talvez seja o melhor. Na Casa Morena, com uma modesta esplanada de plástico com vista para o grelhador comunitário do largo da Fonte Nova, come-se, como toda a gente gosta: bem e barato. Salmonetes, massacotes e alcorrazes sempre frescos – e carregue nos érres quando fizer o pedido, como qualquer bom setubalense. Praça Machado dos Santos, Setúbal. 26 522 1492. Almoços e jantares de Junho a Setembro. Fecha à segunda.

E ainda... O 
Leo do Petisco

Não diga que se foi embora de Setúbal sem uma dose de choco frito. O restaurante ganhou fama entre habitantes e visitantes da terra de Mourinho por ser dos melhores para provar a iguaria. O melhor é guardar o ritual para depois da praia, para não se preocupar com a digestão. Rua da Cordoaria 33, Setúbal. 26 522 8340. Seg-Sáb, 12.00-15.00 / 19.00-22.00.

ONDE FICAR: Quinta dos Moinhos de São Filipe

Nada melhor do que dormir num moinho para arejar as ideias. Na Quinta dos Moinhos de São Filipe, na encosta da Serra da Arrábida, a vista para o mar é de ficar a ver navios. O proprietário, António, tal como os seus 
cães de estimação, 
costuma conquistar os hóspedes que por lá ficam e prometem voltar. Apartado 172, Setúbal. 93 550 5401. www.moinhossaofilipe.com

PARA FAZER CONVERSA:
 Nos últimos tempos, a flora protegida da Serra da Arrábida tem sido ameaçada por uma praga de javalis e a situação está “fora de controlo”, já avisou a presidente da Junta de Freguesia de Azeitão. Até há relatos de javalis a 
passear à beira-mar, todos contentes.

FICA A CAMINHO: Insista em fazer o desvio por Azeitão no regresso a casa. É aí, no quilómetro 17 da Estrada Nacional 10, que vai encontrar a Fábrica das Tortas de Azeitão, ideal para ir buscar a sobremesa.

MOMENTO INSTAGRAM: A praia de Galapos ou a de Galapinhos (depende da 
sua preferência por
 diminutivos) e a sua água transparente dão óptimas 
fotos e hashtags como 
#natureporn ou 
#amarportugal. Esperamos que seja mais criativo. 

4
Ericeira – 1 hora e 8 minutos

Ericeira – 1 hora e 8 minutos

É desde 2011 a primeira reserva de surf da Europa, o que significa que todas as ondas – boas e más ondas – são protegidas. Também significa que esta praia a uma hora de Lisboa é um dos destinos mais procurados da Costa Oeste para ir a banhos, mesmo por aqueles que não usam fatos de neoprene.

ONDE COMER: Pizzamobile


Muito antes da moda dos food trucks a Ericeira já tinha uma pizzaria sobre rodas. Começou por ser uma Ford Transit estacionada no extinto surfcamp, mas agora está junto à Praia de São Lourenço. Tem pizzas, focaccias, uma lasanha vegetariana e serve caipirinhas numa esplanada abençoada pelo sol e com uma vista privilegiada para a praia. É bem melhor do que comprar um frango assado e levar para casa. Pizzamobile, Praia de São Lourenço.

ONDE FICAR: Vila Galé Ericeira


A Ericeira é um dos sítios fora das grandes cidades com mais hostels e airbnbs. Mas a jóia da coroa da hotelaria ericeirense é o Vila Galé. Parece um paquete atracado à beira-mar, tem uma vista privilegiada e quartos a partir de 100€/dia. Estrada da Fonte Boa dos Nabos.

PARA FAZER CONVERSA:
 Sabia que houve um Rei da Ericeira?
 Na verdade não existiu rei nenhum. Apenas um monge parecido com o Rei D. Sebastião que se fez passar pelo monarca desaparecido e chegou até a controlar um pequeno exército.
 Os monarcas espanhóis não gostaram da brincadeira e mandaram-no estrear 
a sua nova guilhotina.

MOMENTO INSTAGRAM: A Praia da Ribeira de Ilhas fotografada a partir de uma das colinas que a ladeiam.

PARA MARCAR NA AGENDA: A festa da Nossa Senhora da Boa Viagem, no terceiro fim-de-semana de Agosto. 

FICA A CAMINHO: A Aldeia Típica José Franco, uma espécie de Portugal dos Pequenitos em miniatura. 

5
Santa Cruz – 1 hora e 15 minutos

Santa Cruz – 1 hora e 15 minutos

Santa Cruz faz-se difícil. Requer tempo, paciência, dedicação. Requer um corta-vento. Mas assim que apanhamos um daqueles dias em que se está bem na praia até o Sol desaparecer do horizonte – os chamados “dias bons para vender casas” – estamos rendidos. E damos por nós a fazer a A8 dispostos a enfrentar a nortada e um microclima cheio de superstições: “Se se vêm as Berlengas é porque vai chover”, “se há carneirinhos no mar é porque o tempo vai mudar”. Não é um amor à primeira vista, mas dá nas vistas assim que chegamos àquelas falésias e vemos um dos areais mais bonitos da Costa Oeste – depois de uma semana a ver Arial 12 no Microsoft Word, é um bálsamo pôr os olhos num areal de 20 quilómetros com dez praias a hastear orgulhosamente uma bandeira azul.

E SE ESTIVER MAU PARA A PRAIA: Piscinas do Vimeiro

Nos montes e vales 
que detiveram a primeira Invasão Francesa (ver: Batalha do Vimeiro) há uma piscina
 que promete proteger-nos da nortada, entre árvores e rochedos. Quem não conseguir saltar da prancha mais alta é um ovo podre. Entrada a 5,85€, durante a semana e 8,15€ aos sábados, domingos e feriados. Crianças pagam 2,80€ e 3,25€ nesses mesmos dias. Maceira, Vimeiro.

ONDE FICAR: Areias do Seixo


As Areias do Seixo dão-nos aquela sensação de coordenadas trocadas sem mudar de fuso horário – é como ser emigrante a uma hora de Lisboa. Este hotel de charme está de tal forma integrado na natureza que mal damos por ele, como a casa de um vilão de James Bond. Fica a cinco minutos a pé da praia e tem uma horta própria que abastece o restaurante, liderado por Leonardo Pereira, cozinheiro que passou pelo NOMA, de Copenhaga, um dos melhores restaurantes do mundo. Quartos a partir de 295€. Mexilhoeira, Póvoa de Penafirme.

NÃO DEIXE DE PROVAR: O pão do Oeste


Está encontrada a causa à qual os seus maxilares se vão querer dedicar para o resto da vida. Quente, com manteiga, é uma das refeições de corredor da morte de muitos habitantes da região. A partir de 0,60€, Rua do Moinho, Caixeiros.

MOMENTO INSTAGRAM: A Praia Formosa. Nunca um areal teve um nome tão apropriado.

FICA A CAMINHO: De Peniche. E quem diz Peniche diz Berlengas. E quem diz Berlengas diz 
“leva um saco para o enjoo”. 

6
Lagoa de Óbidos – 1 hora e 20 minutos

Lagoa de Óbidos – 1 hora e 20 minutos

Podíamos começar por gabar a diversidade avifaunística ou a riqueza piscícola desta lagoa, mas vamos parar um pouco para contemplar a vista. Afinal, esta é a maior lagoa da Península Ibérica e, na nossa opinião, a mais bonita. Fica perto da vila histórica de Óbidos e tem uma mão cheia de praias à mão de semear: Foz do Arelho, Estrela, Bom Sucesso, Rei do Cortiço e Baleal, entre outras. Em tempos a lagoa tinha como actividades lúdicas apenas a pesca e os passeios de gaivota (o barco a pedais, não a espécie), mas hoje faz-se vela, windsurf, canoagem, kiteboard e aquele desporto moderno que é um bocado fazer troça dos náufragos, o stand up paddle. 

A PETISCAR: Covão dos Musaranhos

Amêijoas à Bulhão Pato.
 Se estas quatro palavras são suficientes para eriçar as suas papilas gustativas, então tem de visitar esta barraca de madeira à beira da lagoa. As amêijoas são apanhadas mesmo ali e há quem jure que são as melhores do país. As outras especialidades são a enguia frita, os lingueirões e outras amostras da riqueza piscícola da lagoa. Quinta do Bom Sucesso, Vau. Todos os dias a partir das 11.00.

A NÃO PERDER: Ginjinha de Óbidos

Mesmo se quiser evitar a bebida típica da região, não vai conseguir. É omnipresente e surge na sua variação normal – “com elas” ou “sem elas” – e em copo de chocolate, uma invenção recente a que é muito difícil de resistir.

ONDE FICAR: Rio do Prado


Se vê folhas de Excel de cada vez que fecha os olhos, então se calhar está a precisar de fugir para este eco resort. Tem 15 suites completamente integradas na paisagem e parece o sítio perfeito para fugir a um apocalipse zombie ou ir de férias – dois cenários em que as folhas de Excel são irrelevantes. O Rio do Prado tem cinco lagos, duas piscinas, um spa e um restaurante, bem como um jardim e uma horta biológica. Uns dias lá e a sua pegada de carbono reduz-se ao ponto de vir a precisar de uns sapatos de carbono novos. Suites a partir de 200€/noite. Rua das Poças, Arelho (Lagoa de Óbidos).

MOMENTO INSTAGRAM: O pôr-do-sol na lagoa, um cenário livre de selfies porque você fica em contraluz. Pense nisso.

FICA A CAMINHO: Jardim Buddah Eden, de Joe Berardo, no Carvalhal. 

 

7
Montargil – 1 horas e 33 minutos

Montargil – 1 horas e 33 minutos

Vai demorar bem mais que uma hora para aqui chegar, mas tudo depende da velocidade. Atenção que não estamos a mandá-lo ir depressa. Até porque na barragem de Montargil não há pressas e o tempo passa devagar, ou não estivéssemos em pleno Alentejo. À volta da barragem há várias opções de alojamento, de hotéis e resorts de luxo ao parque de campismo onde pode montar a mais modesta das tendas e ainda assim passar uns dias de sonho. Canoagem, wakeboard, passeios a pé ou de bicicleta e ainda desportos como o canyon hiking – já vamos explicar. Aqui não se vai aborrecer de certeza.

ONDE FICAR: Hotel do Lago


A imagem da piscina infinita deste hotel deve ficar guardada na memória e recuperada de cada vez que estamos quase a desesperar em mais uma reunião. O Hotel do Lago fica na albufeira da Barragem de Montargil, um espelho de água ao qual se juntam mais quatro piscinas exteriores e uma interior. Para além dos 99 quartos e 6 suites há 11 villas para quem quer mais privacidade. Quartos a partir de 120€, Lago Montargil & Villas, Estrada Nacional 2, Montargil.

PARA PETISCAR: Retiro do Mocho


Não espere grandes luxos, a não ser nas doses. Está aqui para comer bem e o Retiro do Mocho tornou-se popular por isso mesmo. Aos fins-de-semana é difícil arranjar mesa, mas vale a pena esperar. Migas de espargos, sopa de cação ou lombinhos com gambas. Tudo a preços acessíveis. Foros do Mocho, Montargil. Todos os dias, 12.00-15.00 / 19.00-00.00. 24 290 4271.

A NÃO PERDER: Canyon hiking


Já ouviu falar em marmitas de gigante?
 Na barragem vai encontrar estas crateras que lhe vão fazer lembrar muita coisa – tupperwares de um gigante, porque não? 
A empresa de aquaturismo Azenhas da Seda organiza passeios de canyon hiking em Montargil que duram meio dia. Prepare-se para andar de capacete dentro de água, subir a rochas, visitar “o interior de canyons semi-secos” e descobrir piscinas 
naturais. 24 euros para adultos,18 euros para jovens e 12 euros
 para crianças. 26 644 8036. www.azenhasdaseda.com

MOMENTO INSTAGRAM: Um passeio de barco, caiaque ou mota de água no rio.

FICA A CAMINHO: Vá um bocadinho mais longe, até Mora, e visite o Fluviário, com várias espécies que habitam nos rios, como por exemplo as lontras – muito diferentes das que se encontram no Oceanário.

 

8
São Martinho do Porto – 1 hora e 36 minutos

São Martinho do Porto – 1 hora e 36 minutos

Acontece o mesmo com alguns filmes ou livros de culto: as pessoas que os conhecem ficam imediatamente ligadas por uma experiência comum e um sentimento de exclusividade partilhada. A baía de São Martinho do Porto tem um efeito parecido. Quem mergulhou naquelas águas sempre calmas – seja maré cheia ou vazia – ou já passou um Verão a pedinchar gelados na Avenida Marginal, conhece a magia desta praia.

O QUE TEM DE FAZER: Subir a Duna do Salir

No Sul da baía está a Duna do Salir, aquela que em tempos foi a maior duna da Europa. Lá do alto dos seus 50 metros de altura, está mesmo a pedi-las. Mas a pedir o quê ao certo? Que passemos 25 minutos a subi-la e 25 segundos a descê-la a rebolar. É o tipo de relaxamento que não existe em nenhum spa e cujos efeitos esfoliantes estão comprovados.

PARA FAZER CONVERSA: O que é feito da foca?

Há uns tempos uma simpática foca chegou à praia de São Martinho e por lá ficou. Dormiu nos insufláveis, posou para fotos e transformou-se em atracção turística. A foca Martinha, como foi baptizada, até deu origem a uma linha de merchandising e página de Facebook. Depois cansou-se da fama e desapareceu. Será que volta um dia destes?

ONDE COMER: Boca do Mar
, peixe fresco na Marginal com vista para a baía.

A NÃO PERDER: Os bolos da pastelaria Concha

É uma instituição da zona histórica de São Martinho do Porto. Uma pastelaria tradicional que honra
 a expressão “fabrico próprio” há mais de 60 anos. As tranças, os pastéis de nata, as areias e as argolas de ovo estão entre os favoritos da sua exigente clientela. Rua José Bento da Silva, 39.

MOMENTO INSTAGRAM: A baía, um cenário quase Disney que a sereia Ariel não desdenharia.

FICA A CAMINHO: Das Caldas da Rainha, do Museu José Malhoa, das cavacas e da loja da Fábrica Bordallo Pinheiro.

UMA CARTA DE AMOR 
A SÃO MARTINHO: 
No livro São Martinho do Porto, Momentos há mais de 70 imagens como a desta página, do fotógrafo Pedro Soares de Mello, acompanhadas pela prosa poética de Filipa Vera Jardim, que evoca memórias e um conhecimento profundo desta praia. Parsifal, 14 €. 

9
Comporta – 1 hora e 42 minutos

Comporta – 1 hora e 42 minutos

Na praia do Carvalhal não vai viver nenhuma odisseia no espaço – espaço para estacionar, espaço para estender a toalha. Basta afastar-se um pouco da confusão e poderá estender a toalha num areal quase só seu. A Praia do Carvalhal costuma entrar em qualquer competição de praias que se preze. Desde 2002 que tem consecutivamente Bandeira Azul e, mais ainda, a distinção de “Qualidade de Ouro”, uma espécie de Óscar das praias.

PARA PETISCAR: O Sal, na Praia do Pego


O restaurante Sal foi este ano considerado o melhor restaurante de praia do mundo – imagine-se – pela revista Condé Nast, à frente de restaurantes em destinos exóticos como a Tanzânia. Peixe fresco, picanha e sangria são as recomendações dos leitores da revista num menu onde também se destaca a sopa de peixes frescos com aioli e o shot de camarinha com molho de hortelã. Praia do Pego. Ter-Dom, 13.00-21.30. 26 549 0129. www.restaurantesal.pt

ONDE FICAR: Casas na Areia


Quem está ansioso por se descalçar e enterrar os pés na areia nem precisa de ir mais longe. Nas Casas na Areia nem tem de se sacudir bem à saída da praia. As quatro casas de luxo pensadas pelo arquitecto Manuel Aires Mateus numa antiga aldeia de pescadores ficam mesmo em cima da areia e também têm uma 
pequena piscina. Um paraíso. Os preços é que já são mais dos infernos: 600€/dia por um mínimo de 7
 noites (Sítio da Carrasqueira, Comporta). Para os
 mais remediados há alojamentos locais como a simpática Toca do Grilo, com quartos a partir de 40€/dia (Avenida 18 de Dezembro, Carvalhal) ou o Verde e Mar, a 70€/dia (Brejos da Carregueira de Cima).

A NÃO PERDER: Cavalos na Areia


Aqui os cavalos são tranquilos, já nos tinha garantido o dono da empresa Cavalos na Areia. Geralmente fazem-se dois passeios por dia, ambos de duas horas e para maiores de 11 anos. A viagem começa na Praia da Torre. Praia da Torre, Comporta. www.cavalosnaareia.com Passeios a 50 euros com duração de duas horas. Reservas com 48 horas de antecedência para o 91 900 2545.

PARA FAZER CONVERSA: Se a Comporta é um paraíso, também pode ser um paraíso para as melgas. Leve repelente para não ser devorado como foi há uns anos Cristina Espírito Santo numa entrevista ao Expresso sobre a Herdade da Comporta onde, dizia ela, “brincavam aos pobrezinhos”.

MOMENTO INSTAGRAM: No barco de Setúbal para Tróia, que até tem Via Verde.

FICA A CAMINHO: Se vai apanhar o barco em Tróia, vá até ao Casino e tente a sua sorte na banca francesa. Talvez faça dinheiro suficiente para prolongar a sua estadia por mais uns tempos. 

10
Vale do Gaio – 2 horas

Vale do Gaio – 2 horas

Quem diria que este paraíso fica a 115 km de Lisboa?
 O Hotel Vale do Gaio, mesmo em cima da barragem Trigo de Morais, 
a menos de 30 quilómetros de Alcácer do Sal, é tudo o que precisa para desligar o telemóvel, parar de pensar em trabalho e finalmente atacar aquela pilha de livros que anda a adiar ler porque adormece sempre que chega à cama. Está tão longe da civilização que vai ter tempo de se dedicar a outras tarefas, como os mergulhos na piscina e a observação de pássaros – ou de astros, para quem de aves só quer saber da perdiz no prato.

ONDE FICAR E FICAR: Hotel Vale do Gaio

A antiga pousada foi recuperada e é agora um dos melhores hotéis do Alentejo, de onde vai ser difícil sair. Vistas para a barragem, uma piscina com um deck de madeira e várias actividades para quando já estiver farto de não fazer nada. Barragem Trigo de Morais, Alcácer do Sal. 26 566 9610. Desde 135 euros por noite. www.valedogaio.com

PARA PETISCAR: Restaurante do Vale do Gaio

Os donos do hotel também são proprietários do restaurante XL, em Lisboa, e isso é razão mais do que suficiente para que se preocupem com a qualidade do restaurante do hotel, com comida alentejana com um toque sofisticado. Experimente, por exemplo, o entrecosto de porco com açorda alentejana de tomate ou a lagueirada de polvo com batata a murro. Reservas: 26 566 9610.

A NÃO PERDER: O passeio 
de balão


A Passeios e Companhia organiza vários tipos de passeios e actividades na zona, desde birdwatching a rafting, passando por desafios de orientação que chegam a durar três horas. O mais invulgar parece ser o passeio de balão, que dura perto de uma hora e meia. A partir de 175 euros por pessoa. 96 808 4584. www.passeiosecompanhia.com

MOMENTO INSTAGRAM: Por aqui há várias pistas 
de geocaching espalhadas 
e até já foi criado o hashtag #geocachingalentejo. Enriqueça a colecção com fotos das paisagens que for encontrando pelo caminho. E boa sorte a descobrir a próxima caixa.

FICA A CAMINHO: Nada como um bacalhau à Boa Viagem para tornar a viagem mais longa. Faça uma paragem no Café Boa Viagem, onde a especialidade também é o cozido à portuguesa e o feijão de cebolada com carapauzinhos fritos. E.N.120, Olival Queimado. 26 562 2287. Encerra ao domingo.

 

Comentários

2 comments
Sílvia N
Sílvia N

Michelle H esta foto que colocou do bungalow é onde mesmo? Obrigada

Michelle H
Michelle H

Onde ficar no Numero 6 e 7:  Quinta Japonesa, com jardim japones e alojamento apropriado para respirar a natureza! a 1 hora e 15 minutos de Lisboa!