4 Gostar
Guardar

Escapadinhas gastronómicas que valem a viagem

De Alcochete a Trás-os-Montes, da Noélia, em Cabanas de Tavira, ao Álvaro, na Urra, saiba onde melhor se come em Portugal e o que não pode deixar de provar

Fotografia: Ana Luzia
As melhores escapadinhas gastronómicas

Lisboa importou restaurantes do resto do país, sobretudo do Alentejo e de Trás-os-Montes. Mas nada se compara à experiência de ir comer ao sítio de origem. O caminho pode ser demorado, mas passámos o país a garfo fino para lhe dizer quais são as 15 mesas que valem cada quilómetro.

A menos de uma hora

Taberna do Manelvina

Taberna do Manelvina

Cruzes

Tem de saber isto, antes de tudo: se não tem um GPS vai ser difícil dar com o sítio. Fica nas Cruzes, uma pequena aldeia algures entre as Caldas da Rainha e a Benedita, mas para se chegar lá há demasiadas curvas e cortadas por entre cabeços e aldeolas. Ainda assim, vale muito a pena, e prova disso é a lotação estar quase sempre esgotada (obrigatório reservar ao fim-de-semana). A cozinha é do mais simples que há: grelhados tratados como deve de ser pelo próprio sr. Manelvina, salada de tomates maduros com orégãos e pimento picado e palitos de batata frita caseira. O segredo do sucesso está no corte fino da carne e, sobretudo, no banho de limão que leva quando sai da grelha. Os preços são à peça, seja de entremeada (finíssima), febra ou costeleta, e são muito em conta. Há também excelentes enchidos assados: imperdíveis a morcela, a farinheira e o chouriço de carne. A decoração expressa duas paixões do dono, o vinho e as touradas, com vários cartazes de corridas a forrar as paredes (Manelvina é visto, frequentemente, nas trincheiras das praças portuguesas). No final, grite olé! 

Especialidade: entremeada finíssima com molho de limão. 
Preço: 10-15€.

Rua Principal, 21, Cruzes, Salir de Matos, Caldas da Rainha.
Seg-Sáb 12.00-15.00/18.30-01.00. 26 287 0010.

O Arrastão

O Arrastão

Alcochete

Deixe-se arrastar até à praia dos Moinhos, em Alcochete, onde fica este Arrastão, um dos restaurantes onde melhor se usa a grelha. Há desde chocos a cherne, garoupa a ovas, sopa de peixe diária, mas também um bacalhau famoso, que já não sendo do tamanho de um tijolo, como noutros tempos, continua bom. No tacho faz-se por encomenda (ligar um ou dois dias antes) uma caldeirada premiada com ouro no Concurso de Gastronomia de Alcochete.

Especialidades: peixe grelhado, sopa de peixe.
Preço: 15-30€.
 
Praia dos Moinhos, Alcochete. Ter-Sáb 12.00-15.00/19.30-22.00, Dom 12.00-15.0021 234 2151. 

Dona Isilda

Dona Isilda

Palmela

Pode um buffet ser um restaurante extraordinário? Não pode. A não ser que tenha à disposição 15 enchidos diferentes, do lombinho fumado ao salpicão do cachaço; outro tanto de queijos D.O.P. (Niza, Castelo Branco, Azeitão, naturalmente). E depois duas dezenas de pratos típicos, que podem ser o empadão de perdiz, a feijoada de choco, os pezinhos de coentrada, os choquinhos à algarvia, as favas à caramela ou o famoso arroz de pato. A terminar, uma amostra gigante de doces conventuais. Para sair do sítio a rebolar. De contente.  

Especialidade: empadão de perdiz, arroz de pato. 
Preço: buffet de 20€.

Rua da Serrinha, São Brás, Palmela. Qua-Seg 12.30-16.00/19.30-23.00.
21 233 3255/ 91 660 9686. 

Casa Morena

Setúbal

Ao domingo ninguém vai ao mar, portanto escusa de aparecer aqui à segunda-feira. Se vir ovas, mande grelhar de entrada. Peça branco da casa (é do Sado, como o peixe) e uma salada com pimentos assados. Tem 20 lugares lá dentro, mas o ideal é ficar na esplanada, junto ao grelhador comunitário que serve todo o largo da Fonte Nova, em Setúbal. Vai sentar-se numa cadeira de plástico, comer numa toalha de papel, perceber que assar peixe é uma arte sadina, pagar pouco e voltar depressa.  

Especialidade: Peixe grelhado.
Preço: 10-15€.

Praça Machado dos Santos, 18. 26 522 1491/ 96 511 7072. Ter-Dom 12.00-16.00.

A menos de duas horas

Casinha Velha

Leiria

Não há muitos sítios no país onde se comam tantos pratos típicos portugueses e tão bem feitos. É tudo bom e os produtos são de excelência, do cabrito da serra de Porto de Mós, ali ao lado, ao galo que vem de um criador que abastece o restaurante, passando pelo bacalhau de cura amarela ou pelo arroz de pato mudo. A cozinheira Aldina recomenda vivamente o galo, que vem “com batatinha assada e grelos ou nabiças, consoante seja o tempo de uns ou de outras, migas, saladinha e esparregado.” Serve-se à sexta-feira ou por encomenda, basta ligar com um dia de antecedência. À parte isto, há os tabuleiros: de queijos (todos os DOP portugueses), de enchidos da Casa do Porco Preto (inclui um presunto com 40 meses de cura). Nas entradinhas quentes, são incontornáveis a alheira com amêndoa torrada e o folhado de queijo de cabra com vinho do Porto e mel. Acrescente-se que o pão e a broa são feitos na casa, que a carta de vinhos é das melhores que o país tem (800 referências) e que para rematar há um pijama de doces conventuais. Chega? 

Especialidade: galo assado no forno. 
Preço: 40-60€.

Rua Professor Portelas, 23, Marrazes. Seg-Sáb 12.30-15.00/19.30-22.00, Dom 12.30-15.00. 24 485 5355. 

Ler mais

A Maria

Alandroal

O nome vem da D. Maria Monteiro, que é quem está nos tachos há mais de 20 anos e quem, juntamente com o marido, dá alma ao sítio. Do fogão saem só coisas boas, do cabrito assado às migas com carne de porco, à perdiz estufada (ligue de véspera) ou à sopa de cação. O cozido de grão é imperdível. Leva grão, feijão verde, batatas, abóbora, várias carnes de porco, vitela, farinheira, linguiça e morcela, tudo regado com caldo de hortelã. Mas há um prato que Maria não pode deixar passar: “O borrego estufado à Maria é cinco estrelas. Cozinho-o em vinho tinto, fica tão macio que nem calcula”, diz a própria. Interessante também o bacalhau dourado, que traz espanhóis de Espanha só para o comerem. O jornal Hoy elegeu-o como o melhor bacalhau dourado da Extremadura, e é uma espécie de “à Braz”, com batata finíssima, em palito, feita na casa. Nas sobremesas, ataque o pão de rala, a sericaia, a encharcada ou o rançoso. Não se esqueça de reservar. Sempre. 

Especialidade: cozido de grão. 
Preço: 20€.

Rua João de Deus, 12, Alandroal. Ter-Dom 12.00-16.00/19.30-23.00,
Seg 12.00-16.00.  96 394 5937. 

Ler mais

Pompílio

Elvas

Ninguém vai parar ao Pompílio por acaso. Situado em São Vicente, uma povoação remota com umas centenas de habitantes nos arredores de Elvas, o restaurante é um dos melhores e mais mal guardados segredos do Alto Alentejo. Aberto desde 1975, destaca-se pelos pratos de caça e pela gastronomia tradicional, como a sopa de tomate, o bacalhau dourado, as migas de espargos com carne de alguidar ou a sericaia com ameixa – é tudo confeccionado com produtos da região. Refira-se também a extensa carta de vinhos, com perto de uma centena de vinhos alentejanos com preços entre os 3 e os 500 euros. 

Especialidades: arroz de coelho bravo, revolto de espargos silvestres.
Preço: 20-30€

Rua de Elvas, 96, São Vicente e Ventosa, Elvas. Qua-Seg 06.00-02.00.
26 861 1133.

Ler mais
Santa Isabel

Santa Isabel

Abrantes

Esta sala rústica com paredes em pedra, rádios antigos e presuntos pendurados fica mesmo no centro histórico da vila e é gerida pelo não menos histórico Alberto Lopes. Pode deixar-lhe a ele a responsabilidade de escolher o que comer, sendo que é bem provável que recomende um dos clássicos incontornáveis da casa: entre eles os filetes de polvo com arroz malandrinho de feijão, as ovas de sável grelhadas com açorda das mesmas, as enguias de atacador, muito fininhas, e o achigã grelhado (é um peixe de rio e é bom), que vêm ali do Tejo ou o churrasquinho de porco preto com migas de alheira. Há ainda um muito impressionante coelho na abóbora e um cabrito frito com batatas de rebolão (cozidas com pele, depois reboladas numa frigideira com pimentão), feitos por encomenda. 

Especialidade: filetes de polvo com arroz de feijão. 
Preço: 14,50€.

Rua Santa Isabel, 12. Abrantes. Seg-Sáb 12.00-15.00/19.00-22.00.
96 789 3970. 

A menos de três horas

O Josué

Longueira

Não tem a fama de outras casas da região, mas sobretudo no Verão é uma boa alternativa para percebes (da grossura de um polegar), navalheiras, amêijoas, santola, peixe fresco (belos sargos pescados pelos pescadores lúdicos da zona), salada de polvo, massada de peixe ou, nas carnes, coelho frito com batatas caseiras. O espaço é simples, a conta idem, mesmo se meter marisco pelo meio. Fica na Longueira, a sete quilómetros de Vila Nova de Milfontes, onde há outra instituição, a Tasca do Celso. É mais sofisticada mas também muito mais concorrida e mais carota. Aqui, pode comer boas entradas do mar, como a salada de búzios, e a carne também é de primeira. Para quem prefira comer com os pés na areia, a escolha deve ser a Choupana, na Praia do Farol, também em Milfontes, onde se grelha bem peixe fresco. 

Especialidade: sargo grelhado. 
Preço: 20€.

Rua José António Gonçalves 87, Longueira, Almograve. Qua-Seg 10.30-02.00. 28 364 7119. 


Ler mais

Noélia & Jerónimo

Cabanas de Tavira

Era um simples café mas transformou-se num templo da cozinha algarvia. Os produtos são quase todos do mar, mas depois Noélia, a cozinheira, dá-lhes um toque de originalidade e bom gosto. Há atum braseado com arroz de manga e gengibre, arroz de limão com corvina e amêijoas, filetes de peixe-galo com arroz de favas ou migas de tomate, biqueirão frito e lingueirão com batata doce. Noélia recomenda ainda as ovas de choco e seus corais. “É do outro mundo”, garante. A reserva é altamente aconselhável. 

Especialidade: ovas de choco e seus corais. 
Preço: 20-35€.

Avenida Ria Formosa, Edifício Cabanas-Mar, Cabanas de Tavira. Qui-Ter 12.30-15.00/19.00-22.00.
28 137 0649.

Ler mais

Brasão Cervejaria

Porto

Há um sem número de motivos (leia-se: restaurantes de comida tradicional, cervejarias, casas de petiscos e hamburguerias) para visitar o Porto. A cervejaria Brasão, na Baixa, é um deles. O facto de ser dos mesmos donos do Paparico, um espaço de referência na cidade, podia ser uma razão suficientemente válida para fazer 300 quilómetros sem pensar duas vezes. Mas há mais: mesas de madeira, pratos pendurados nas paredes de pedra e uma carta bem recheada. Há quem opte pela famosa francesinha de forno com batatas caseiras ou pelo marisco – obrigatório numa cervejaria que se preze – mas vá por nós, caro leitor, e não passe os petiscos à frente. 

Especialidade: rissol de carne com tinta de choco, cogumelos com azeite de trufa. 
Preço: 15€-25€

Rua Ramalho Ortigão, 28, Santo Ildefonso, Porto. Dom-Qui 12.00-15.00/19.00-00.00, Sex-Sáb 12.00-15.00/19.00-02.00. 
93 415 8672. 


Ler mais

O Álvaro

Portalegre

É uma mesa antiga e o seu prato mais afamado atrai gente de todo o Portugal e até de Espanha. Chama-se lacão assado e é feito da pata anterior do porco, com pão ralado e ovo. A receita foi sendo aperfeiçoada ao longo de mais de 40 anos. A não perder também o leitão frito, os pezinhos de tomatada, a galinha de campo no forno, as bochechas de porco assadas. O nome do restaurante vem do nome do homem que está na sala, Álvaro Feio, marido da mulher que está na cozinha e faz doçaria regional como ninguém. Altamente aconselhável a marcação, que o espaço é curto e a clientela é longa. Fica a sete quilómetros de Portalegre, em Urra. 

Especialidade: lacão assado. 
Preço: 10-20€

Largo Simão Manuel Redondo 8, Urra, Portalegre. Sex-Qua 12.30-16.00/19.30-23.00. 
24 538 2283. 


Ler mais

A menos de quatro horas

São Gião

Braga

É a instituição mais famosa de Moreira de Cónegos, só rivalizando com o clube de futebol Moreirense. Tem vista para os vinhedos e lá dentro tudo é sólido, das madeiras à cozinha, passando pelo serviço de lacinho e camisa branca. À frente do sítio está Pedro Nunes, um apaixonado da cozinha, com a ajuda preciosa da D. Bina. Para começar pode escolher o famoso foie gras com molho de frutos vermelhos, que pode vir também com lascas de presunto. De resto, há sempre entrecôte de boi, peito de pato com molho de frutos vermelhos, perdiz e dois risotos de eleição: de pombo e de carabineiros. Por encomenda, faz-se cabrito assado no forno com batatinhas e o bacalhau no tacho, com cebolada e maionese por cima. Pode ter sorte e apanhar a canja de santola folhada, mas certo, certo, é que deve terminar com as canilhas, um doce de massa folhada com leite-creme por cima.

Especialidade: risoto de carabineiros. 
Preço: 40-50€

Avenida Comendador Joaquim de Almeida Freitas, 56, Moreira de Cónegos (Braga). Ter-Sáb 12.30-15.00/19.30-23.00, Dom 12.30-15.00.
25 356 1853. 

Ler mais

Taberninha O Chico

Barcelos

Fica à beira da estrada, antes de se chegar a Barcelos, num lugar com nome apropriado: Alívio. Tudo o que se come lá é excelente, a começar nas pataniscas e nas petingas fritas no momento, e a acabar em pratos tradicionais, todos eles cozinhados lentamente e com amor. A vitela, um pedaço do nispo, assada com batatinhas, é dos pratos mais célebres, mas um telefonema na véspera pode fazer toda a diferença: ligue a encomendar o garnisé no tacho com legumes. Tem um sabor incrível a tostado, de tanto tempo que fica a cozinhar, de tal forma que até as ervilhas e as cenouras sabem bem, e acompanha com grelos salteados. Para adoçar a boca, há uma mousse de chocolate muito boa, pão-de-ló e um queijo da Serra excelente. A garrafeira tem mais de 200 referências e é a mais completa da zona, com pesos pesados como Barca Velha e champanhe Krug.

Especialidade: vitela assada. 
Preço: 15-20€

Lugar do Alívio, Perelhal, Barcelos. Qua-Seg 12.00-15.00/19.30-23.00. 25 386 2289. 


Ler mais

Taberna do Carró

Torre de Moncorvo

Há o grão de arroz e o arroz de grão. Aqui usam-se os dois juntos a acompanhar o palaio, nome dado em Torre de Moncorvo ao butelo, designação comum mais a norte do distrito de Bragança. Recomenda-se ainda o bacalhau com migas e espargos silvestres e, claro, a carne mirandesa. As receitas foram recuperadas das antigas casas e tabernas da vila pela proprietária e cozinheira Dina, que não canta mas encanta. Os donos têm também uma loja de produtos regionais, mesmo ao lado da taberna. O restaurante fica na mimosa Praça das Regateiras, perto da Igreja Matriz de Torre de Moncorvo, uma das maiores de Trás-os-Montes.

Especialidade: palaio com arroz de grão. 
Preço: 20€

Largo General Claudino (junto à igreja), Torre de Moncorvo. Sáb-Dom 12.30-15.00/19.30-00.00. Ter-Sex 19.30-00.0027 925 2699. 


Ler mais

Comentários

0 comments