Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Vinhos de Lisboa: uma região para descobrir (até pelos lisboetas)

Vinhos de Lisboa: uma região para descobrir (até pelos lisboetas)

É das poucas capitais do mundo com uma região vitivinícola em seu nome e a única em que essa região está plantada junto às fronteiras da cidade. Conheça os vinhos de Lisboa

Por Mariana Lopes |
Publicidade
Vinhas na Região de Lisboa
©Arlindo Camacho

De todas as razões que fazem de Lisboa um destino obrigatório, há uma menos óbvia que permanece desconhecida dos turistas e, em boa verdade, até da maioria dos lisboetas. A saber: que Lisboa é também uma região vitivinícola que produz grandes vinhos, com muito carácter, em cada vez maior quantidade e qualidade. A comprová-lo, Lisboa foi mesmo apontada pela imprensa internacional da especialidade como um dos melhores destinos vínicos de 2019.

Com uma área de vinha de aproximadamente, 18 mil hectares, a região tem 9 Denominações de Origem Controlada (DOC): Alenquer, Arruda, Bucelas, Carcavelos, Colares, Encostas d’Aire, Lourinhã, Óbidos e Torres Vedras. Tem, também, a Indicação Geográfica Protegida (IGP) homónima, que se traduz no vinho Regional Lisboa.

De todo este território nasce uma produção que é hoje exportada para mais de 80 países, sendo a região portuguesa que envia para o exterior a maior percentagem dos vinhos (não espumantes) que certifica. Tudo isto com uma qualidade geral que cresce a cada ano que passa. Para o ajudar a descobrir a região, damos-lhe dez sugestões de grandes vinhos que deve experimentar agora. No final, acrescentamos ainda mais um tesouro produzido neste território singular.

Já conhece estes vinhos de Lisboa?

Recomendado: Bons vinhos até 5 euros, quem quer?

Brancos

Grand’arte Alvarinho 2017
©DR

Grand’arte Alvarinho 2017

Regional Lisboa

Um belíssimo Alvarinho de Lisboa, da colossal DFJ, que conjuga, no aroma, flores e citrinos como o limão e a tangerina, e um toque mineral. É muito preciso na sua acidez, numa boca com um lado vegetal amargo bem agradável, laranja, limão, de textura suave e com boa persistência. Uma interpretação interessante da casta, que promete não desiludir.

Fica bem com: Peixes brancos, como o robalo assado ou o imperador, e portar-se-á bem perante pratos especiados, como um caril de grão, por exemplo.

Preço: 6€

Quinta do Monte d’Oiro 2018
©DR

Quinta do Monte d’Oiro 2018

Regional Lisboa

As castas Viognier, Marsanne e Arinto são a base deste branco que se mostra muito bem no aroma de pêra e maçã verde, aliadas a ervas aromáticas e flores brancas. Bastante elegante na boca, não se excede na fruta e tem a sua acidez perfeitamente integrada, com final macio e longo.

Fica bem com: Peitos de frango com molho de limão e pimenta, mariscos e peixe grelhado.

Preço: 9€

Publicidade
Morgado de Sta. Catherina Reserva 2016
©DR

Morgado de Sta. Catherina Reserva 2016

Bucelas

De um dos maiores produtores, a Sogrape Vinhos, surge este branco dourado na cor, com boa frescura e limpeza de fruta, a introduzir fruta tropical e fruta branca, em simultâneo. Elegante e fino, a dar a sensação que se desenha na boca, tem uma acidez perfeita que lhe dá imensa frescura, num perfil requintado e com classe. Uma óptima escolha.

Fica bem com: Pezinhos de coentrada, folhado de cogumelos e qualquer prato leve,  com alguma gordura.

Preço: 9,60€

Mira Arinto 2016
©DR

Mira Arinto 2016

Bucelas

Este Arinto de Bucelas é feito pela C2O, e tem um carácter muito único e envolvente. Tem no seu aroma um toque austero, um lado fumado e quase metálico, dando a sensação que cresce no nariz. A surgir harmonioso na boca, sem arestas por polir, é muito expressivo na sua fruta cítrica e perfeito na acidez, deixando água na boca quando a garrafa acaba. De beber e chorar por mais.

Fica bem com: Amêijoas à Bulhão Pato, ostras e peixes gordos ou magros.

Preço: 17,50€

Rosé

Casal de Santa Maria Mar de Rosas 2018
©DR

Casal de Santa Maria Mar de Rosas 2018

Regional Lisboa

A tríade Touriga Nacional, Pinot Noir e Syrah, contribui aqui para um vinho macio, com volume e uma bela acidez que o corta, num perfil que se baseia na fruta vermelha delicada e expressiva, e nas notas das barricas onde esteve seis meses. Tem um sabor muito definido e activo, que não esmorece. Chama-se assim porque o fundador do Casal de Santa Maria, quando da perda da sua adorada mulher, mandou cobrir a propriedade com pés de rosa, para a relembrar. E este vinho está à altura da homenagem.

Fica bem com: Pastas de quase todo o tipo, como uma bolonhesa algo condimentada ou até massas vegetarianas.

Preço: 22,50€

Tintos

Olissipo 2013
©DR

Olissipo 2013

Regional Lisboa

A Quinta de São Bartolomeu faz este vinho de Alicante Bouschet e Touriga Nacional, cheio de fruta negra e encarnada, num conjunto muito bem composto. Na boca é sério e com boa acidez, pleno de sabor e frescura, sem nunca perder vivacidade. Um vinho de Lisboa com óptima relação qualidade/preço. E a chamar-se assim, será sempre um bom “recuerdo”.

Fica bem com: este tipo de tinto é muito versátil à mesa, acompanhando bem qualquer prato de carne, leve ou intenso, a par de legumes salteados com pimenta, por exemplo.

Preço: 4,95€

Dory Reserva 2016
©DR

Dory Reserva 2016

Regional Lisboa

Este vinho, do produtor Adega Mãe, é feito com as castas Touriga Franca, Touriga Nacional, Cabernet Sauvignon e Petit Verdot, e vale cada cêntimo: tem um aroma profundo e rico, com fruta de grande qualidade, algum funcho e muita pimenta. A sua enorme frescura de boca é equilibrada numa bela estrutura, toque vegetal e especiaria. Cheio de garra, é um vinho que fica melhor ainda com tempo de garrafa.

Fica bem como: Qualquer pato, como magret ou foie gras, e até bacalhau, desde que pouco condimentado.

Preço: 11,95€

Publicidade
Quinta da Boa Esperança Touriga Nacional 2016
©DR

Quinta da Boa Esperança Touriga Nacional 2016

Regional Lisboa

Com um nariz perfumado e bonito de frutos vermelhos maduros, flores secas do campo e toque de pedra molhada, este vinho puxa à salinidade característica de algumas zonas da região, é fino, com grande acidez e frescura. Revela, também, citrinos verdes como a lima. Leve, mas persistente na boca, mostra pureza de fruta. Um belo e sério Touriga Nacional!

Fica bem com: Uma peça de vitela só com sal, apenas selada na grelha, filet mignon, tornedó com molho de pimenta e cogumelos.

Preço: 15,90€

Chocapalha Vinha Mãe 2013
©DR

Chocapalha Vinha Mãe 2013

Regional Lisboa

Aqui está um tinto complexo, de Tinta Roriz, Touriga Nacional e Syrah. O diálogo entre a fruta, as notas vegetais e a barrica onde estagiou, impressiona no seu aroma. Muito elegante no corpo, é delicado, expressivo, com um bonito floral de fundo que lhe é dado pela Touriga Nacional. Um vinho que mostra bem de onde vem, a Quinta de Chocapalha, na Serra de Montejunto, onde as vinhas e o mar se encontram.

Fica bem com: Ervilhas ou favas com ovos escalfados (mais uma tradição portuguesa a não perder), carnes vermelhas em geral, ossobuco, etc.

Preço: 22€

Publicidade
Quinta de Pancas Grande Reserva 2015
©DR

Quinta de Pancas Grande Reserva 2015

Regional Lisboa

Este vinho é o paradoxo potência/elegância em forma de garrafa, no bom sentido. De Touriga Nacional, Alicante Bouschet e Petit Verdot, tem um aroma fantástico, com a Touriga a dar-lhe citrinos e flores, a par do lado vegetal agradável das outras duas castas. Muita fruta e complexidade marcam a boca, num perfil sofisticado, saboroso equilibrado. Super sedutor!

Fica bem com: Tudo o que seja similar a este vinho, ou seja, pratos sofisticados, equilibrados e elegantes. Não falha.

Preço: 29€

Aguardente

Quinta do Rol Aguardente Vínica Velha XO
©DR

Quinta do Rol Aguardente Vínica Velha XO

Lourinhã

Seria obrigatório juntar uma aguardente da Lourinhã a este compêndio, visto que esta é uma das 3 únicas regiões demarcadas, do Mundo, só para aguardente e cujo nome não pode ser utilizado para outro produto vínico. As outras duas são bem conhecidas: Cognac e Armagnac. João Paulo Martins, da revista Grandes Escolhas, define-a como um “belo exemplar”, muito macia e aveludada, com grande elegância, aroma puro e definido, de grande frescura e com notas de madeira, caramelo e frutos secos.

É aconselhável: Não aquecer o balão (copo bojudo de aguardente) antes de beber e conservar as bebidas destiladas na posição vertical.

Preço: 65€

E agora não perca o embalo

By the Wine - Sala
©Ana Luzia
Bares

Os melhores bares de vinho em Lisboa

Não é segredo para os portugueses – ou ingleses, ou qualquer outra nacionalidade – dizer que o nosso vinho é um dos melhores do mundo e prova disso foi o galardão entregue pelo Wine Enthusiast ou a recomendação da Condé Nast Traveler. A estas junta-se um outro punhado de menções que, ao longo dos anos, têm deixado os produtores nacionais orgulhosos.

Os melhores enoturismos para uma escapadinha de Lisboa
Crédito: Kym Ellis/ Unsplash
Coisas para fazer

Os melhores enoturismos para uma escapadinha de Lisboa

Portugal é um país de forte tradição vitivinícola e, a avaliar pelos inúmeros prémios e distinções em concursos internacionais, a excelente qualidade dos seus vinhos não passa despercebida. Para os apreciar e conhecer, nada como visitar as regiões de produção e envolver-se na sua cultura, através de visitas guiadas às instalações ou provas de vinhos e outros produtos locais, por exemplo. Mas, porque nem só da vinha e do vinho vive um homem, poderá ainda alargar horizontes com um passeio de balão ao pôr-do-sol, uma caminhada ou um mergulho numa piscina salgada. 

Publicidade
Quinta da Alorna
©DR
Coisas para fazer

Enoturismo: 13 coisas para fazer em Lisboa

Com uma área demarcada que se estende de Colares à Lourinhã, a região de Lisboa produz os mais variados vinhos, fruto dos diferentes tipos de clima, solos e castas. Fortemente influenciada pelo Atlântico, esta zona que se estende por 40 quilómetros foi delineada em 1993 como Extremadura, ganhando, mais tarde, o nome de Vinho Regional de Lisboa e é actualmente formada por nove denominações de origem. São elas: Colares, Carcavelos, Bucelas, Arruda, Torres Vedras, Alenquer, Lourinhã, Óbidos e Encostas d'Aire.

Publicidade