Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right As melhores personagens secundárias dos filmes da Disney
Aladdin Sing-Along

As melhores personagens secundárias dos filmes da Disney

Na semana da estreia de 'Frozen II: O Reino do Gelo', e em homenagem a Olaf, apresentamos os melhores comparsas animados da Disney.

Por Eurico de Barros
Publicidade

As longas-metragens animadas da Disney estão cheias de princesas e príncipes, vilões e vilãs. Mas também há animais humanizados, personagens fantásticas e até mesmo objectos com vida, que são os fiéis amigos, ajudantes e parceiros dos heróis e das heroínas. É o caso do boneco de neve Olaf, de Frozen: O Reino do Gelo, que volta a aparecer em Frozen 2: O Reino do Gelo, que se estreou em Portugal na quinta-feira. Por isso, fizemos a nossa lista das 10 melhores personagens secundárias da Disney, sem cuja participação as animações deste estúdio não seriam as mesmas.

Recomendado: Os piores e os melhores filmes da Disney

As melhores personagens secundárias das animações Disney

Grilo Falante (‘Pinóquio’, 1940)

Era uma personagem menor no livro original de Carlo Collodi mas passou a ter uma importância central na animação, desempenhando o papel da consciência viva de Pinóquio, tentando por todas as formas mantê-lo fora de sarilhos (embora quase sempre sem sucesso). E canta o clássico "When You Wish Upon a Star".

Timothy Q. Mouse (‘Dumbo’ 1941)

É apenas um ratinho fardado, mas é ele que fica do lado de Dumbo quando este fica sozinho no circo, que o ajuda a descobrir que aqueles orelhas enormes são um dom e não um defeito e o ajuda a aprender a voar. Um amigo muito pequenino que vale por mil muito grandes.
Publicidade

Tambor (‘Bambi’, 1942)

O coelhinho amigo de Bambi é um dos mais alegres e carismáticos secundários da história da animação Disney. Tem aquele bater da patinha que é a sua imagem de marca e lhe deu o nome, e ajuda Bambi a aprender a falar e a patinar no gelo, bem como a conhecer o mundo que o rodeia. O menino que lhe deu voz tinha só quatro anos.

Gus e Jaq (‘A Gata Borralheira’, 1950)

O Jaq é esperto e o Gus nem tanto, mas fazem um par divertidíssimo e são fundamentais na história. Primeiro quando são transformados em cavalos pela Fada Madrinha para a Gata Borralheira ir ao baile, depois quando roubam a chave do quarto desta à madrasta má.
Publicidade

Sininho (‘Peter Pan’, 1953)

A fadinha luminosa que tilinta (Tinker Bell, no original) é uma presença fundamental em Peter Pan. É graças a ela que as crianças voam para a Terra do Nunca, são os ciúmes que tem de Wendy que põem a intriga a andar e salva Peter da bomba do Capitão Gancho. E não é nem princesa nem vilã, caso único na animação Disney.

Baloo (‘O Livro da Selva’, 1966)

Para o despreocupado e bonacheirão urso Baloo, não há melhor vida do que a vida na selva. É o que ele tenta transmitir ao pequeno Mogli, ao qual a pantera Bagheera tenta, por seu lado, incutir prudência e bom senso. Baloo protagoniza também uma das melhores sequências do filme, no templo dos macacos.
Publicidade

Lumière, Cogsworth e Mrs. Potts (‘A Bela e o Monstro’, 1991)

O candelabro, o relógio e a chaleira do castelo do Monstro formam um memorável trio de objectos antropomorfizados. Protagonizam um dos grandes momentos musicais do filme, Be Our Guest e são também parte fundamental do enredo.

O Génio (‘Aladdin’, 1992)

Abençoado com a voz elástica de Robin Williams, que faz a festa, deita os foguetes e apanha as canas, enchendo o filme de gargalhadas, energia e trepidação, o Génio da Lâmpada é uma dos mais memoráveis sidekicks de sempre. (E o verdadeiro intérprete principal do filme, dizem alguns.)
Publicidade

Timon e Pumba (‘O Rei Leão’, 1994)

Eis outro dos maiores e mais jubilatórios pares de toda a animação da Disney, com as vozes de Nathan Lane e Ernie Sabella, que se insere também na grande tradição das parelhas do cinema cómico. Foram tão populares, que depois de O Rei Leão tiveram uma curta-metragem, a sua própria série de desenhos animados e um jogo de vídeo. E cantam Hakuna Matata, claro.

Dory (‘À Procura de Nemo’, 2003)

O peixinho azul de barbatanas amarelas, com a voz de Ellen DeGeneres e que sofre de memória de curta duração é a loquaz e optimista companhia de Nemo ao longo da sua atribulada jornada oceânica para encontrar o pai. Revelou-se também tão popular, que teve o seu próprio filme em 2016.

Cinema para toda a família

Os melhores filmes para (re)ver em família

Miúdos

Estes filmes não são para crianças. São para famílias inteiras. Pequenas ou numerosas, jovens ou envelhecidas. Há filmes para todos os gostos e muitas décadas: do "fabuloso" technicolor de O Feiticeiro de Oz à recortada animação de Coco, passando por clássicos como Música No Coração ou Sozinho Em Casa. Não vai arrepender-se se optar por filmes mais antigos. Mesmo se isso significar aventurar-se por ficção-científica que já perdeu actualidade, mas não perdeu o pé no que importa: uma boa história.

Vingadores Guerra do Infinito
©Marvel Studios

Os piores e os melhores filmes da Marvel

Filmes

O universo cinematográfico da Marvel começou a ganhar forma em 2008, com o Homem de Ferro de Jon Favreau. E passados mais de dez anos encontra-se em grande, com filmes como Black Panther, de Ryan Coogler, a ganharem Óscares. Mas não foi fácil chegar aqui. Sabendo que nos estamos a pôr a jeito das caixas de comentários, elencámos os 21 capítulos desta narrativa épica estreados até à data. Eis os piores e os melhores filmes da Marvel.

Publicidade

Os filmes de animação que não pode perder na Netflix

Filmes

O cinema de animação não é uma criancice. E mesmo aquele que é para crianças nunca é apenas para crianças. Os filmes de desenhos animados há muito que se tornaram um dos géneros mais populares em todo o mundo, onde trabalham algumas das melhores mentes criativas do cinema actual, e onde a inspiração cómica, um registo habitual, é por muitas vezes genial. Conheça alguns dos melhores filmes de animação disponíveis no Netflix Portugal.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade