Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Chris Butler: "Não conseguiríamos fazer Mr. Link há dez anos"
missing link

Chris Butler: "Não conseguiríamos fazer Mr. Link há dez anos"

Sete anos depois de ParaNorman, Chris Butler volta a realizar e a escrever um filme com a chancela da LAIKA.

Por Renata Lima Lobo
Publicidade

Um solitário Pé-Grande que gosta de ser tratado por Susan pede a ajuda a um aventureiro criptozoólogo para encontrar o seu lugar no mundo. Mr. Link (Missing Link no título original) é a mais recente produção dos estúdios de animação LAIKA e marca o regresso de Chris Butler à realização. Estreia-se esta quinta-feira nas salas de cinema.

Mr. Link é um filme que nos faz sentir bem. O cinema de animação faz muito isso, mesmo que inclua zombies, mas este é bem diferente de ParaNorman.
Chris Butler (CB) Sempre quis experimentar fazer coisas diferentes. Como já fiz o meu filme de zombies quis fazer um filme de aventuras. O melhor filme de todos os tempos é Os Salteadores da Arca Perdida e por isso quis fazer um stop motion ao estilo do Indiana Jones.

A questão do Elo Perdido não é nova. Quando lhe passou pela cabeça que poderia ser um ponto de partida para um novo argumento?
CB - A ideia original era ter um personagem parte Indiana Jones, parte Sherlock Holmes. E ia ser um explorador que procurava criaturas míticas. O Sir Lionel é o primeiro criptozoólogo do mundo e há alguns “críptidos” lendários como o monstro de Loch Ness, os iétis, o chupa-cabra, o Pé-Grande… só há alguns mesmo famosos, por isso sabia que o Pé-Grande seria o principal.

Embora o filme arranque em pleno Loch Ness.
CB - Essa cena é um piscar de olho às velhas criaturas criadas por Ray Harryhausen [pode ver algumas no Choque de Titãs original, de 1981]. O filme é uma mistura de tudo o que adoro e a ideia do pé-grande pareceu-me encaixar bem. Mr. Link sente-se sozinho e encontra o que procura quando lê um livro sobre os iétis dos Himalaias.

Pensou em Hugh Jackman [Sir Lionel Frost], Zoe Saldana [Adelina Fortnight] ou em Zach Galifianakis [Mr. Link] para as vozes dos personagens quando escreveu o argumento?
CB - Quando escrevo tenho sempre a voz de um actor na minha cabeça, porque me ajuda a formular o diálogo. Mas nada garante que vá trabalhar com aquele actor. Neste tive sorte, porque tinha definitivamente em mente o Hugh Jackman. Na verdade ele influenciou o design do personagem, porque é o galã perfeito. Muito heróico. E o vilão Lord Piggot-Dunceb foi mesmo baseado no Stephen Fry. Sou fã do Stephen Fry desde sempre.

Neste trabalho os bonecos são mais pequenos do que o normal. Por alguma razão especial?
CB - Sim. Existe um tamanho ideal: à volta de 30 cm. Não queremos que seja muito grande, porque é difícil de animar e não queres muito pequeno, por causa dos mecanismos. O Mr. Link tem 2/3 da escala de Kubo e as Duas Cordas [Butler foi co-argumentista] e é um filme com uma dimensão tão grande que nunca conseguiríamos criar todos os cenários se fossem da mesma escala de Kubo.

missing link

Porquê a escolha da era vitoriana como pano de fundo?
CB - Tenho muitos livros, fotografias, arte e papéis de parede dessa época. Sei tudo sobre o assunto. Já vimos muitos filmes e séries sobre os tempos vitorianos, mas há uma percepção de que era tudo escuro, cinzento, preto e castanho, e não é verdade. Os vitorianos adoravam cor, adoravam padrões na mobília, nas paredes e nas roupas. E eu queria mostrar como seria se estivéssemos lá.

Considera fazer um filme que não envolva stop motion?
CB - Sim. Eu comecei em 2D e acabou por ficar em segundo plano. Espero que não tenha desaparecido para sempre, espero que regresse. Adoro desenhar, adoro CG, adoro todo o tipo de animação. Sou um fã. Mesmo em stop motion há visuais diferentes e há espaço para tudo, mas nem sempre foi assim. Quando comecei nesta indústria não havia quase nada, por isso penso que vivemos um tempo artisticamente vibrante para a animação.

A tecnologia acompanha esse crescimento. Qual foi a maior inovação em Mr. Link?
CB - Múltiplas. Devido à sua escala, o filme dependia de muitas extensões digitais de cenário ou multidões digitais. Não conseguiríamos fazer este filme há dez anos, simplesmente não seria possível. Os avanços na tecnologia digital permitiram-nos criar mundos maiores, mas também acho que os avanços que fizemos na animação facial deram-nos interpretações sofisticadas como nunca tínhamos visto.

E há muitos grandes planos no filme.
CB - Sim, adoro grandes planos. Profissionais da animação às vezes dizem-me: “Não queremos ver os personagens a falar, porque é entediante”. Eu discordo. Podes retirar tanto de um grande plano, as subtilezas, os pequenos movimentos dos olhos ou da boca... E é a isso que aspiramos ao fazê-lo de uma maneira muito estilizada.

Anime-se

Filmes de animação que ganharam um Óscar

Filmes Animação

Tem até ao dia 4 de Março, data da 90ª cerimónia dos Óscares, para sentar a família toda no sofá e fazer uma maratona pelos filmes de animação que ganharam a estatueta dourada nos últimos 16 anos. Comédia, suspense, drama, musical, western – vale tudo, desde que meta desenhos animados.

Tin Tin e o Lago dos Tubarões (1972)
©DR

As aventuras de Tintin no cinema

Filmes

A vida cinematográfica de Tintin não é abundante, apesar de Hergé, o seu criador, ter sido apreciador de cinema, e de muitos realizadores serem leitores dos seus álbuns — Alain Resnais, Roman Polanski, Jean-Pierre Jeunet, etc. — e alguns deles terem-lhe mesmo feito alusões aqui e ali nos filmes. 

Publicidade

Filmes de animação que não pode perder na Netflix

Filmes

Há muitos filmes para crianças na Netflix, mas o cinema de animação há muito que não é apenas para os mais pequenos. Os filmes animados tornaram-se num dos géneros mais populares em todo o mundo, onde trabalham algumas das melhores mentes criativas do cinema, e onde a inspiração cómica, um registo habitual, é muitas vezes genial. 

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade