Cinema: Serguei Eisenstein aos 120 anos

Sem ele, a montagem cinematográfica seria provavelmente diferente. Com ele, esse instrumento do criador tornou-se uma arte que acrescentou ao cinema outras formas de ver. Contudo, não foi só a montagem que definiu o cinema de Serguei Eisenstein.
ivan o terrivel,1945 (Serguei Eisenstein)
Por Rui Monteiro |
Publicidade

É comum encontrar obras de Eisenstein entre os melhores filmes alguma vez realizados. Não é por acaso, pois o realizador russo, nascido há 120 anos, não só deu uma boa ajuda à popularidade da Revolução de Outubro, como criou filmes esteticamente radicais e revolucionários para lá da sua filiação política. Aqui ficam seis.

Cinema: Serguei Eisenstein aos 120 anos

Camera

O Couraçado Potemkine (1925)

Um dos inventores do cinema como arte, Serguei Eisenstein, além de cineasta que revolucionou a técnica de montagem, foi, também, um dos principais cronistas da Revolução de Outubro. Neste filme (não deixando de assinalar a ironia de a mais famosa película sobre a Revolução Bolchevista de 1917 se referir a eventos passados na véspera da revolução burguesa de 1905), o realizador parte de um episódio real, a revolta dos marinheiros embarcados no couraçado Potemkine que alastrou a toda a cidade de Odessa, se tornou em protesto violentamente reprimido e juntou achas à fogueira dos que queriam o czar deposto. Não foi dessa, mas este episódio, e a repressão que se seguiu, foi determinante para minar o poder czarista e ampliar o desejo de mudança.

Camera

A Greve (1925)

No mesmo ano, decididamente do lado da revolução, ainda com o seu habitual argumentista e colaborador, Grigoriy Aleksandrov, Eisenstein dirigiu uma das suas mais esteticamente significantes obras. Com esta história da origem, desenrolar, conclusão e consequências de uma greve fabril em tempos de capitalismo czarista (uma variedade um pouco mais selvagem do que no resto da Europa monárquica ou republicana), o cineasta foi muito além do conteúdo político, tornando o seu filme num tratado de composição e montagem raros.

Publicidade
Camera

Outubro (1927)

Dirigido um par de anos depois de O Couraçado Potemkine, a obra foi uma encomenda para a comemoração do 10º aniversário da Revolução de Outubro, e, ironicamente, marca as primeiras manifestações de desagrado das autoridades para com o cineasta, que se tornariam definitivas, quase 20 anos depois, por ocasião da estreia de Ivan, o Terrível, obra que Estaline considerou uma metáfora da crueldade da sua direcção política. Adiante, pois em Outubro, evidentemente uma reconstituição ficcionada (e fantasiada) da revolução, o realizador trocou a chamada “montagem de atracções”, característica de O Couraçado Potemkine, pela “montagem intelectual” já timidamente experimentada em A Greve, isto é, “uma tentativa de veicular ideias abstractas através de imagens.” O que faz da película a obra mais experimental do cineasta russo, ao mesmo tempo (daí a ironia da baixa da sua cotação junto do governo) filme que teve papel fundamental na criação do mito da revolução.

Camera

A Linha Geral (1929)

Outra encomenda, A Linha Geral começou a ser filmada em 1927 para comemorar a colectivização da agricultura como fora concebida por Leon Trotsky, então importante membro e ideólogo do governo bolchevique. Por uma vez, talvez por desejo de chegar a uma maior audiência, o realizador concentra a sua atenção sobre uma personagem, uma heroína rural, em vez de, como habitualmente, se focar no movimento do grupo. Porém, interrompidas as filmagens para Eisenstein concluir Outubro, quando a elas regressou a luta partidária já tinha levado Trotsky à desgraça. Daí a necessidade (ou a imposição) de uma radical remontagem, a substituição do título para O Velho e o Novo, e, como mais tarde confessou o cineasta, um “gosto a amargura.” Felizmente, anos depois, já com Eisenstein morto e a partir dos seus apontamentos, houve quem se dedicasse à restauração da montagem original, o que permite hoje o visionamento do filme quase como foi idealizado.

Publicidade
Camera

Alexander Nevsky (1938)

O céu estava prestes a cair sobre a cabeça de Serguei Eisenstein (que depois das filmagens conseguiu autorização para viajar da União Soviética para os Estados Unidos e aí tentar a sorte em projectos que não deram em nada, entre eles Viva México!, onde o realizador conheceu a censura e o sentido de propriedade capitalistas ao ver o filme abandonado e as suas imagens montadas numa série de medíocres, contudo excelentemente filmadas, curtas-metragens sobre o México) quando o governo soviético lhe encomendou a realização deste épico histórico e patriótico, de certo modo metáfora do que estava para vir com o eclodir da II Guerra Mundial no ano seguinte. Com música de Serguei Prokofiev (que em breve também provaria as agruras da dissidência), Eisenstein foi obrigado a aceitar o controlo ideológico (para não cair no “formalismo”) imposto pela designação de um co-realizador, Dmitri Vasilyev, por parte da Mosfilm, a produtora estatal. O arranjo, digamos assim, curiosamente, resultou. O filme, narrativa de como o Príncipe Alexander, no século XIII, derrotou a invasão dos cavaleiros teutónicos, é um dos mais populares do realizador, foi exibido internacionalmente e premiado nos Estados Unidos, prémio a que o governo soviético acrescentou, em 1941, o Prémio Estaline para cinema.

Camera

Ivan, o Terrível (1945)

Esta bonança nas relações entre o realizador e o governo de Estaline durou apenas mais três anos. Mal estreou a primeira parte desta encomenda directamente determinada por Estaline, ele próprio grande admirador do czar Ivan, como se costuma dizer, a porca começou a torcer o rabo. O dirigente soviético, que não gostou do caminho percorrido pela primeira parte da obra (embora tenha aceitado a entrega do prémio Stalinskaia ao realizador, a que se juntou sem a sua responsabilidade outro prémio no Festival de Locarno), ficou definitivamente furioso quando viu a segunda parte e se achou comparado em crueldade ao unificador da Rússia e, vai daí, proibiu o filme. Morto Estaline, morto também Serguei Eisenstein, em 1948, a segunda parte de Ivan, o Terrível acabou por estrear apenas em 1958. E tornou-se um dos mais apreciados filmes do realizador.

Lições de cinema

Filmes

Clássicos de cinema para totós

Farto de não fazer ideia do que falam os cinéfilos à volta? Cansado de se perder em referências desconhecidas quando se fala de cinema? O “cinema para totós” quer resolver esse problema no melhor espírito de serviço público. Ora atente em cada uma destas 10 lições cheias de clássicos de cinema.

Filmes, Terror

Clássicos de cinema para totós: especial Terror

Do início do século XX até aos dias que correm, muitos foram os realizadores que dedicaram a assustar os espectadores com monstros maquiavélicos, espíritos misteriosos e sangrias desenfreadas. Cinéfilo que se preze já viu todos os clássicos de cinema de terror: os melhores do género na história do cinema.  

Publicidade
Filmes

Clássicos de cinema para totós: as melhores comédias de sempre

A lista de melhores comédias de sempre é discutível (qual não é?), que isto do humor varia muito de pessoa para pessoa. No entanto é garantido serem estes 20 filmes, senão os melhores de sempre, garantidamente uma contínua fonte de gargalhadas, ou sorrisinhos sarcásticos, tanto faz, perante a imaginação cómica ou o puro disparate transformado em arte de fazer rir em qualquer época. 

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com