Entrevista a Letitia Wright, a irmã de 'Black Panther'

Letitia Wright é uma das revelações de 'Black Panther', no papel da princesa Shuri, a irmã do herói que dá nome ao filme

©DR

Black Panther tem um óptimo elenco, sobretudo negro. Com nomes como Angela Bassett, Forest Whitaker, Lupita Nyong’o, Daniel Kaluuya ou Letitia Wright, no papel da princesa Shuri, a irmã mais nova do herói que dá o nome ao filme.

A actriz de 24 anos, nascida na Guiana e criada em Tottenham, entrou em várias séries de televisão britânicas, e começa agora a fazer grandes filmes em Hollywood.

Recomendado: Filmes em cartaz esta semana 

O Black Panther é um grande blockbuster. Como te sentes por entrar num filme assim?

O elenco é praticamente todo negro, o que é quase inédito, mas nós queremos que seja normal. Quando vemos um filme de época não dizemos: “Ó meu deus, são pessoas brancas nos anos 60.” É só uma história.

O que te chamou à atenção no papel da princesa Shuri?

A Shuri é uma das personagens mais interessantes que já interpretei. Quando uma garota a vê no cinema, vai dizer: “Wow, pensava que era uma nerd por gostar de tecnologia, mas afinal eu quero é fazer aquilo.”

A Angela Bassett interpreta a tua mãe no filme. Como foi trabalhar com ela?

Aprendi muito com ela. Estava muito nervosa nas primeiras semanas. Só queria esconder-
-me nas sombras e dizer as minhas deixas. Ela apercebeu-se disso e deu-me confiança.

Tu entraste no último episódio de Black Mirror. Já eras fã da série?

Claro. Ofereceram-me um papel no último episódio da terceira temporada, “Hated in the Nation”, mas não pude aceitar porque chocava com o Humans. Fiquei de coração partido. Quando me voltaram a ligar e li o argumento achei que aquele papel tinha sido feito de propósito para mim.

Hollywood está em polvorosa neste momento. Como é ser uma jovem actriz em início de carreira?

Só me apercebi mesmo do que estava a acontecer quando a Lupita falou [sobre o Harvey Weinstein a assediar]. Afinal não eram só actrizes distantes, era uma actriz que estava ali comigo, a dizer as suas deixas ao meu lado. Uns meses mais tarde, a Brie Larson reuniu todas as mulheres no estúdio e disse que havia uma coisa chamada Time’s Up. Quando dei por mim, a America Ferrera – que eu cresci a ver na televisão – estava a enviar-me um e-mail.

Sentes-te empoderada por este movimento?

Sinto-me confiante por saber que [se algo me acontecer] há pessoas que vão dizer que isso não pode ser. Que está mal.

O que se segue?

Filmes independentes. Quero fazer coisas como o Lady Bird. Quero que as pessoas digam que contei histórias assombrosas.

Conversa filmada

John Carroll Lynch: “Para o Harry, representar era respirar”

Intérprete de filmes como Fargo, Zodiac ou O Fundador, e de séries como American Horror Story, John Carroll Lynch é um dos mais conhecidos actores de composição americanos. E coube-lhe trabalhar com Harry Dean Stanton no seu primeiro filme atrás das câmaras, o derradeiro do seu grande e falecido colega.

Ler mais
Por Eurico de Barros
Publicidade

Gal Gadot: "A Mulher-Maravilha é maior do que eu"

Gal Gadot cresceu em Telavive. Queria ser advogada, mas foi convencida a concorrer a Miss Israel em 2004. Seguiu-se uma carreira na moda, interrompida pelos dois anos de serviço militar obrigatório. Hoje, é a Mulher-Maravilha da DC.

Ler mais
Por Cath Clarke

Comentários

0 comments