A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Richard Pryor
©IMDBRichard Pryor

Espectáculos de stand-up na Netflix que vale a pena a ver

Não há quem resista a uma boa gargalhada e estas sugestões de stand-up na Netflix são bem capazes de o levar às lágrimas.

Escrito por
Renata Lima Lobo
e
Tiago Neto
Publicidade

Às vezes rir é mesmo o melhor remédio para suportar todos os males do mundo e os comediantes são uma espécie de novos pregadores dos tempos modernos. Dave Chappelle dizia, aquando da cerimónia de entrega do prémio Mark Twain, que não há outra forma de arte que represente tão bem toda e qualquer pessoa, seja qual for a temática. E não estava enganado. Há, em cada rotina, assuntos que nos são próximos, há pontos de vista que não tínhamos pensado, há qualquer coisa de génio ao desconstruir o mundo em piadas. Todos os nomes abaixo conseguiram fazê-lo com mestria e, felizmente, a plataforma de streaming deu-nos a possibilidade de os ver ou rever. São os espectáculos de stand-up na Netflix.

Recomendado: Filmes de animação que não pode perder na Netflix

Espectáculos de stand-up na Netflix que vale a pena a ver

1. "An Evening You Will Forget For The Rest Of Your Life", Steve Martin e Martin Short

Se lhe estiver a apetecer um bocadinho de comédia mais old school, espreite este stand-up que junta Steve Martin e Martin Short, amigos e comediantes que têm mesmo muitas histórias para contar. E para cantar também. Entre piadas, melodias e muitas histórias sobre as suas vidas na comédia, a estes amigos de longa data junta-se o pianista de jazz Jeff Babko e a banda The Steep Canyon Rangers, no Peace Centre de Greenville, na Carolina do Sul. Recordamos que Martin e Short já participaram juntos em alguns filmes, com destaque para a comédia Os Três Amigos (1987). O terceiro elemento era Chevy Chase.

2. "Live Shows", Daniel Sloss

O jovem comediante escocês preparou uma série de espectáculos aplaudidos tanto pelo público como pela crítica nestes Live Shows. A garantia é a de que não existem tabus, por mais pessoal ou irrelevante que o assunto seja, combinando o humor negro com piadas auto-depreciativas, caminhando perfeitamente sobre a corda.

Publicidade

3. "Not Normal", Wanda Sykes

Perspicaz e hilariante, este primeiro especial Netflix da actriz e veterana da comédia Wanda Sykes aborda a perspectiva da comediante sobre o clima político e cultural que varre os Estados Unidos, em particular na era Trump, classificando-o como "anormal".

4. "Relatable", de Ellen Degeneres

O regresso de Ellen Degeneres aos palcos aconteceu em 2018, 15 anos depois de  Here and Now, gravado então para a HBO, no ano em que arrancou com o seu próprio programa televisivo, The Ellen Show. E dois anos antes de terem saído notícias que davam conta de um alegado lado mais cruel da comediante que termina sempre o seu programa com a frase: "Sejam simpáticos uns para os outros". Em todo o caso, é em cima do palco que Degeneres apresenta o seu melhor lado, ou seja, o seu incontestável talento para nos fazer rir de uma forma "relacionável". Relatable é sobre isso, sobre situações com as quais todos nos identificamos, sobre coisas de adultos como escadas e gavetas da tralha e também sobre os nossos anseios e receios. É ainda uma oportunidade para relembrar o percurso profissional de Ellen Degeneres e a tentativa de cancelamento quando se assumiu como lésbica em 1997.

Publicidade

5. "Nanette", Hannah Gadsby

Deu que falar este stand-up da australiana Hannah Gadsby, cujo nome pouco tem a ver com o conteúdo deste espectáculo na Ópera de Sidney. Afinal, Nanette foi uma aventura amorosa de Hannah e um nome que escolheu ainda antes de começar escrever. Neste especial de comédia, a humorista da Tasmânia largou uma bomba: ao declarar guerra ao humor auto-depreciativo que fez viver a sua carreira nos últimos dez anos, diz que vai ficar por aqui e desistir da comédia. Quando terminar este especial de comédia, não perca o seguinte da humorista, chamado Douglas.

6. "Jerry Before Seinfeld", Jerry Seinfeld

O homem que nos deu Seinfeld tem sempre muito para dizer. Mesmo que seja sobre nada. E embora a série que conseguiu falar sobre nada durante quase dez anos (1989 e 1998) não esteja disponível neste serviço de filmes e séries sob demanda em Portugal, há muito Seinfeld para ver e ouvir. Seja na série Comedians in Cars Getting Coffee ou no clássico de 1998 I’m Telling You For The Last Time. Em 2017 foi lançado este original da Netflix que mostra Jerry Seinfeld de regresso ao Comedy Strip Live, o clube de comédia nova-iorquino que o viu nascer. O primeiro stand-up de Seinfeld em duas décadas numa produção que alterna o espectáculo ao vivo com alguns vídeos da infância do humorista.

Publicidade

7. "Speck of Dust", Sarah Silverman

A comediante norte-americana Sarah Silverman regressou aos palcos da comédia quatro anos depois do premiado We Are Miracles e pouco tempo após uma operação a uma infecção nas vias respiratórias que poderia ter sido fatal. Silverman, que em tempos sugeriu que a venda do Vaticano daria para alimentar o mundo, apresenta um espectáculo mais pessoal onde fala sobre depilação a laser, quartos de hotel, a obsessão da cadela Mary por esquilos ou mesmo sobre a vontade de discursar em funerais sobre tecidos fetais. Um trabalho que lhe valeu uma nomeação para um Emmy.

8. "Humanity", Rick Gervais

"O que é a humanidade? Somos grandes macacos. Não metaforicamente, somos mesmo grandes macacos", defende Ricky Gervais nesta produção da Netflix. "Temos o mesmo ciclo de vida. Os nossos pais acasalam, nascemos, crescemos, acasalamos, os nossos pais morrem, os nossos amigos morrem e, depois, morremos nós. A minha sobrinha de sete anos não gostou de ouvir isso." Gervais é uma das grandes estrelas da comédia a nível mundial, um provocador, um conhecido activista dos direitos dos animais que apresenta o primeiro stand-up desde Science, em 2010. Desde então já fez parar o batimento cardíaco de alguns produtores de entregas de prémios das artes e espectáculos. Aqui fala precisamente sobre o estado da humanidade, ressalvando que o auge da civilização foi entre 1965 e 2015. E também fala de perucas.

Publicidade

9. "Bill Burr: Paper Tiger"

O comediante norte-americano não é alheio a polémica. Isto porque, mesmo numa altura em que o políticamente correcto impera, Bill Burr tende a dizer exactamente o que pensa, sem qualquer filtro, e da forma mais provocatória possível. E ainda bem. O homem responsável pela série de animação F Is For Family trouxe-nos este Paper Tiger em 2019 e continuou assim a cimentar a já forte reputação como um dos paladinos contra o excesso de zelo. Conte com temas como feminismo, apropriação cultural ou sexo com robôs.

10. "Dave Chappelle: Sticks & Stones", Dave Chappelle

Ao falar de Sticks & Stones é impossível não referir que a crítica lhe foi implacável. Publicação atrás de publicação, o espectáculo foi acumulando críticas como sendo "mesquinho", "preverso" ou "inconsequente". Mas Dave Chappelle é um homem habituado a estas andanças e, ao contrário dos críticos, o público trouxe-lhe um apoio incontestado. Seguindo a linha mordaz que o caracteriza, e sem perder ritmo e oportunidade, Chappelle traz de volta os grandes assuntos da actualidade americana – e não só, como as questões de género, a crise dos opióides ou os escândalos de celebridades – num especial de quase duas horas que lhe valeu uns bons prémios.

Publicidade
"Richard Pryor: Live In Concert"
©DR

11. "Richard Pryor: Live In Concert"

Falar de Richard Pryor é falar de uma das maiores entidades do humor do século XX. E não, não é exagero, basta saber que o humorista do Illinois foi o primeiro a receber o prestigiado Mark Twain Prize For American Humor, uma espécie de Óscar da comédia,orria o ano de 1998. A distinção foi bem merecida, e basta ver este Live In Concert (1979) para percebermos que é mesmo possível uma rotina de stand-up envelhecer bem. O humor desprendido e inovador, a forma como Pryor aborda temas como o racismo, a brutalidade policial e como aplica as piadas sobre si próprio fazem deste um especial imperdível.
"Louis C.K.: Hilarious"
©DR

12. "Louis C.K.: Hilarious"

Mais de uma década depois, Hilarious continua a ser tão bom como da primeira vez que lhe pusemos os olhos em cima. Expectável, tendo em conta a mente que o escreveu. A verdade é que muita coisa aconteceu desde então e a reputação de C.K. foi estilhaçada após as denúncias de várias mulheres a acusarem-no de comportamento sexual impróprio. É terreno panatanoso mas, se nos quisermos focar na matéria do humor, Hilarious serve muitíssimo bem o propósito.

Porque rir é o melhor remédio

  • Filmes

Qualquer lista de melhores filmes de comédia de sempre é discutível (mas qual é que não é?), que isto do humor varia muito de pessoa para pessoa. Então como é que se escolhem os melhores? Com seriedade e abrangência. Mais concretamente, falando com peritos, desde cómicos a actores, realizadores e escritores. Desde películas clássicas a outras mais recentes e de sucessos de bilheteira a filmes mais experimentais, por assim dizer, estas comédias são fonte contínua de gargalhadas ou sorrisinhos sarcásticos, tanto faz, perante a imaginação cómica ou o puro disparate transformado em arte de fazer rir.

  • Filmes

Nunca a frase "rir é o melhor remédio" fez tanto sentido como no último ano. E a Netflix continua a dar-nos boas razões para aligeirar o quotidiano e esquecer, por momentos que sejam, a realidade. As séries de comédia na Netflix são cada vez mais, entre conteúdos próprios e importados, e só precisa de tempo para conseguir dar uma vista de olhos a tudo. Na lista que se segue reunimos as melhores séries de comédia que pode ver na gigante do streaming em Portugal, e deixamos-lhe o aviso: é possível que, no final, sinta que fez um bom trabalho ao nível abdominal.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade