Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Dez filmes de praia imperdíveis

Dez filmes de praia imperdíveis

Apareceram em finais dos anos 50 em Hollywood e ainda hoje são rodados. Eis dez dos melhores "beach movies" de sempre.

Por Eurico de Barros |
Publicidade
Leonardo DiCaprio em "A Praia"
©20thCentFox Leonardo DiCaprio em "A Praia"

Praia, sol, raparigas e rapazes bronzeados, surf, amores, desamores e comédia. Os beach movies nasceram em Hollywood há mais de um século, e costumam situar-se na Califórnia e na Florida, mas também os há feitos na Europa e, muito naturalmente, na Austrália. Entre as dezena de filmes de praia que seleccionámos entre os muitos existentes, surgem títulos como o pioneiro Gidget, Escândalo na Praia ou o documentário surfista de culto The Endless Summer, mas também Paulina na Praia, de Éric Rohmer, O Verão do Skylab, de Julie Delpy, ou Breath, o filme de estreia como realizador de Simon Baker.

Recomendado: Os melhores ciclos de cinema ao ar livre em Lisboa

Dez filmes de praia imperdíveis

‘Gidget’, de Paul Wendkos (1959)

Com Sandra Dee no papel da Gidget do título, uma adolescente da Califórnia que vai à praia com um grupo de amigas nas férias de Verão e descobre o surf, os surfistas e o amor, este filme é considerado o primeiro dos beach movies, e o responsável por ter dado a conhecer a cultura surfista ao americano médio. Gidget foi um gigantesco sucesso e teve várias continuações, telefilmes e uma série com a jovem Sally Field no papel principal.

‘Bastam Dois para Amar’, de Henry Levin (1960)

Quatro universitárias americanas vão passar as férias da Páscoa à Florida para irem à praia, bronzear-se e namorar. Interpretado por Connie Francis, Paula Prentiss, Yvette Mimieux e Dolores Hart, Bastam Dois para Amar foi um dos primeiros filmes para adolescentes a explorar a sexualidade deste grupo etário e a sugerir que se estava a preparar uma revolução de costumes nos EUA na década de 60, que atingiria fortemente os jovens.
Publicidade

‘Escândalo na Praia’, de William Asher (1963)

Este foi o primeiro de uma série de filmes série B da produtora AIP que juntavam o musical com as convenções do beach movie, interpretados pela dupla Frankie Avalon/Annette Funicello. Os veteranos Robert Cummings e Dorothy Malone interpretam um professor de Antropologia e a sua secretária, que andam pela praias da Califórnia a estudar os hábitos sociais e sexuais dos adolescentes americanos. (Curiosidade: Cummings era um exímio surfista.)

‘The Endless Summer’, de Bruce Brown (1966)

O realizador americano Bruce Brown, ele mesmo um experimentado surfista, seguiu, neste documentário, um duo de surfistas, Mike Hynson e Robert August, numa viagem por praias de todo mundo, procurando as melhores para surfar, correndo atrás do Verão (daí o título) e divulgando a modalidade por onde passavam. The Endless Summer transformou-se num clássico dos surf movies e celebrizou várias das praias percorridas por Hynson e August. Brown rodou uma continuação em 1994.

Publicidade

‘Homens Maduros’, de Michael Powell (1969)

James Mason interpreta o papel de um conhecido pintor australiano que se instala numa praia paradisíaca junto à Grande Barreira de Coral, para descansar e recarregar as baterias criativas, e conhece uma jovem beldade local (Helen Mirren num dos seus primeiros papéis), que se transforma na sua modelo. O grande cineasta inglês Michael Powell foi à Austrália rodar este filme (um dos seus últimos) solar, tonificante e sensual.

‘Os Três Amigos’, de John Milius (1978)

A vida de três grandes amigos californianos, loucos por praia e por surf, ao longo dos anos 60, culminando na guerra do Vietname na transição para a idade adulta. Interpretado por Jan-Michael Vincent, William Katt e Gary Busey, Os Três Amigos é o mais pessoal de todos os filmes de John Milius, referindo–se ao tempo que passou na Florida quando era jovem e incluindo vários elementos autobiográficos.
Publicidade

‘Paulina na Praia’, de Éric Rohmer (1983)

Paulina (Amanda Langlet), de 15 anos, e a sua prima Marion (Arielle Dombasle), mais velha e mais desenvolvida, vão passar férias à praia já no princípio do Outono. Pauline apaixona-se pelo educado Sylvan, enquanto que Marion recusa os avanços de um surfista e fica caída pelo oportunista Henri. Éric Rohmer assina aqui mais um dos seus magníficos filmes sobre as voltas, reviravoltas expectativas, desilusões e traições do amor, agora com personagens adolescentes.

‘A Praia’, de Danny Boyle (2000)

Leonardo DiCaprio é Richard, um viajante e aventureiro americano que descobre na Tailândia um mapa que revela a localização de uma praia paradisíaca. Quando consegue atingi-la, acompanhado por um casal de franceses, descobrem uma comunidade que lá vive, composta por pessoas vindas de todas as partes do mundo. Danny Boyle adaptou aqui o livro homónimo de Alex Garland. A praia de Ko Phi Phi Leh onde a fita foi rodada está encerrada aos turistas até 2021, devido ao excesso de visitantes que aquela trouxe, e aos estragos que provocaram na zona.
Publicidade

‘O Verão do Skylab’, de Julie Delpy (2011)

A actriz e também realizadora francesa evoca nesta deliciosa comédia estival a França de finais dos anos 70, e inclui na história recordações pessoais e familiares. O filme passa-se no Verão, na Bretanha, quando uma típica família de classe média se junta para celebrar os 77 anos da avó Amandine. Delpy também interpreta um dos papéis principais, o da mãe da pequena Marie, de 10 anos, que é o pivô de O Verão do Skylab.

‘Breath’, de Simon Baker (2018)

O actor australiano Simon Baker (O Mentalista) estreou-se na realização com este filme rodado no seu país, que adapta um romance do compatriota Tim Winton. Baker interpreta também o papel principal, o de um surfista que trava amizade com dois adolescentes interessados em surf e em mergulho. Breath usa a praia de uma forma diferente da maioria das fitas deste género. É um local de divertimento e descontracção, mas também de auto-descoberta e de interacção dramática.

Viva o Verão na cidade

Upscale Bar, Epic Sana
©DR
Coisas para fazer

As melhores piscinas em Lisboa

Vamos mostrar-lhe como esquecer filas, pôr-se a salvo das alforrecas, refrescar as ideias e apanhar o tão desejado sol sem fazer ondas ou tempestades de areia. Falamos das melhores piscinas em Lisboa, das exclusivas a hóspedes às que recebem visitantes de braços abertos. Muitas delas são verdadeiros oásis instalados em alguns dos melhores hotéis da cidade, desde o Altis ao Sheraton. 

Piscina praia das maçãs
DR
Coisas para fazer

Dê um mergulho nestas piscinas oceânicas em Lisboa e arredores

O tempo quente pode chegar tardio, mas chega. Está na hora de se banhar de creme protector, estender a toalha na espreguiçadeira – ou onde se sentir mais confortável – e deixar que o sol e o calor façam o seu trabalho, com intervalos marcados por mergulhos aquáticos. Mas não são uns mergulhos quaisquer. 

Publicidade
Sud lisboa
©Antonio Nascimento
Coisas para fazer

Aproveite as vistas nestas piscinas infinitas em Lisboa

As piscinas infinitas são um sucesso de Instagram. Construídas de forma a criar a ilusão de óptica de que a água se prolonga até à linha do horizonte, possuem vistas no mínimo deslumbrantes, para o Tejo, para a ponte 25 de Abril ou até para o bairro de Alfama. Se já é maravilhoso mergulhar em piscinas, sem a azáfama da praia, imagine mergulhar em piscinas que parecem não ter fim, em cima de terraços de fazer inveja.

You may also like

    Publicidade