Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Filmes que ganharam o Óscar de Melhor Filme e que pode ver na Netflix

Filmes que ganharam o Óscar de Melhor Filme e que pode ver na Netflix

A Netflix muda o catálogo várias vezes mas filmes vencedores do Óscar de Melhor Filme há sempre para ver. Estes são os títulos a não perder

best movies 2015 - birdman
Publicidade

Nunca é tarde para se pôr a par dos filmes que no passado foram eleitos os melhores do ano pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. Todos os títulos desta lista ganharam o Óscar de Melhor Filme. Estão na Netflix e são bons à primeira, à segunda e à terceira. Mas não se esqueça que o catálogo do serviço de streaming vai sofrendo alterações e por isso alguns filmes desaparecem ao fim de algum tempo. Ou seja, não se deixe dormir e ponha o cinema em dia. Aproveite para rever agora estes filmes vencedores do Óscar.

Recomendado: 14 filmes originais Netflix que não pode perder

 

Filmes na Netflix que ganharam o Óscar de Melhor Filme

Eva (1950)

Um clássico é um clássico e Eva (All About Eve) é um clássico que merece ser visto por todos. O filme, que conquistou seis Óscares, é protagonizado por Bette Davis e realizado por Joseph L. Mankiewicz, nome maior dos anos de ouro de Hollywood. Davis é Margo, uma diva da Broadway que tem como assistente pessoal uma fã, que é na verdade uma oportunista. Vale a pena referir que Marilyn Monroe tem aqui um dos seus primeiros papéis de destaque.

África Minha (1985)

Outro clássico, desta vez protagonizado por Meryl Streep, no papel da aristocrata e escritora dinamarquesa Karen Blixen que usava o pseudónimo de Isak Dinesen. Blixen é casada com um barão mulherengo, mas quando se mudam para Nairóbi, no Quénia, esta acaba por se apaixonar por um caçador independente. É um dos seus melhores, mais carismáticos e representativos papéis.

Publicidade

A Lista de Schindler (1993)

Este foi o filme que consolidou definitivamente o sólido estatuto de Liam Neeson na indústria cinematográfica americana, abrindo-lhe portas para mais e sobretudo melhores papéis. Ele é Oskar Schindler, um industrial alemão que durante a II Guerra Mundial salvou mais de mil judeus do campo de concentração de Auschwitz. No total, o filme conquistou sete Óscares, entre os quais o de Melhor Realizador para Steven Spielberg.

Beleza Americana (1999)

Se Kevin Spacey se tornou quase um tabu em Hollywood, depois das acusações de assédio sexual, não é possível falar de Beleza Americana sem mencionar o actor, que acabou por levar o Óscar para casa. O filme de Sam Mendes retrata na perfeição o falhanço do sonho americano, representado aqui pela existência confortável, conformada, vazia, da classe média suburbana. Lester Burnham (Kevin Spacey) vive uma crise de meia-idade. Está farto da mulher, do trabalho e até da própria família, mas encontra um novo sentido na vida quando conhece uma amiga da filha.

Publicidade

Chicago (2002)

Foi preciso esperar mais de 30 anos para que um musical conquistasse o cobiçado Óscar de Melhor Filme, e a honra coube a esta versão tardia do original da Broadway. Chicago teve 13 nomeações para seis estatuetas ganhas. Rob Marshall dá-nos um filme musical “à antiga”, que adapta o musical da Broadway com o mesmo título, passada na Chicago dos anos 20. Duas mulheres, um artista de vaudeville e uma dona de casa, que mataram marido, irmã e namorado que as traíram, aguardam julgamento na cadeia. Elas são Catherine Zeta-Jones e Renée Zellweger. Richard Gere faz um advogado bem-falante. 

The Departed: Entre Inimigos (2006)

Para derrubar a máfia irlandesa de Boston, a polícia envia um dos seus homens para trabalhar como agente infiltrado, não se apercebendo de que a organização fez o mesmo. O filme valeu a Martin Scorsese o Óscar de Melhor Realizador. O elenco conta com Leonardo Di Caprio, Mark Wahlberg e Jack Nicholson. 

Publicidade

Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância) (2014)

Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância), de Alejandro González Iñárritu conta a história de Riggan Thomson (Michael Keaton), uma antiga estrela de cinema que se vê confrontada com problemas financeiros ao mesmo tempo que assiste à desintegração da família e vive atormentada por dúvidas existenciais. Riggan Thomson desespera pelo regresso à ribalta e, para isso, resolve apostar tudo na Broadway.

Cinema para cinéfilos

Filmes

Os 100 melhores filmes de terror de sempre

O cinema de terror é monstruoso. Destratado, incompreendido e alvo de virulentos ataques críticos, consegue ainda assim andar para a frente, deixado um rasto de destruição no seu caminho. Para alguns, os filmes de terror são pouco melhores do que pornografia, preocupando-se apenas em gerar uma reacção no público – seja horror, desassossego ou repugnância – e sem tempo a perder com aspirações mais elevadas. Para outros, são filmes que se vêem bem, engraçados até: uma oportunidade de gritar e/ou rir dos pesadelos alheios. Mas quem presta atenção reconhece que a história do terror é uma história de inovação e inconformismo cinematográfico, um lugar onde ideias perigosas podem ser exprimidas, técnicas radicais exploradas, e onde realizadores afastados da corrente dominante conseguem ter impacto cultural. Se o cinema tiver um inconsciente, um lugar escuro de onde emergem novas ideias, trémulas e deformadas, tem de ser o terror. A verdadeira questão é: quais são os melhores filmes de terror? Depois de consultarem um painel de actores, realizadores, argumentistas e fãs do género, os críticos da Time Out elegeram os 100 melhores filmes de terror de sempre. 

Filmes

Os 100 melhores filmes de comédia de sempre

Qualquer lista de melhores filmes de comédia de sempre é discutível (mas qual é que não é?), que isto do humor varia muito de pessoa para pessoa. Então como é que se escolhem os melhores? Com seriedade e abrangência. Mais concretamente, falando com peritos, desde cómicos a actores, realizadores e escritores.  Desde películas clássicas a outras mais recentes e de sucessos de bilheteira a filmes mais experimentais, por assim dizer, estas comédias são fonte contínua de gargalhadas ou sorrisinhos sarcásticos, tanto faz, perante a imaginação cómica ou o puro disparate transformado em arte de fazer rir.

Publicidade