Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Na crista da vaga inglesa
Filme, Cinema, The Loneliness of the Long Distance Runner (1962)
©DR The Loneliness of the Long Distance Runner de Tony Richardson

Na crista da vaga inglesa

Passámos em revista os filmes do ciclo A “Nova Vaga” Inglesa, que vai chegar ao Nimas

Por Eurico de Barros
Publicidade

Nove fitas, em cópias restauradas, de cinco nomes da Nova Vaga do cinema inglês, de finais dos anos 50 a 1970, formam o ciclo apresentado no Cinema Medeia Nimas, de 14 de Agosto a 2 de Setembro. Uma nova geração de realizadores, mas também de actores e actrizes, influenciada pela Nouvelle Vague francesa e coincidente com o movimento dos Angry Young Men na literatura e no teatro, trouxe para o cinema inglês mais realismo sujo e feio, uma nova estilística visual, mais interesse na vida, nos problemas e nos hábitos dos homens e mulheres da classe média baixa e do operariado. E ainda um olhar avesso ao sistema e às suas instituições tradicionais, assim como o hábito de filmar fora dos estúdios e nos sítios das histórias. Last but not least: boa parte deles tem a marca da importantíssima produtora Woodfall Films.

Recomendado: As melhores comédias britânicas de sempre

Na crista da vaga inglesa

The Loneliness of the Long Distance Runner

De Tony Richardson, 1962, 104 min.

Alan Sillitoe escreveu o argumento deste filme, com base num conto seu. Tom Courtney interpreta Colin Smith um delinquente juvenil preso num reformatório particularmente duro. Colin tem como único trunfo o facto de ser um excelente corredor de fundo, e vai usá-lo para sobreviver.

Exibido a 14 (Sex 19.00), 18 (Ter 21.30) e 28 de Agosto (Sex 16.00).

Jogador Profissional

De Lindsay Anderson, 1963, 134 min.

Um jogador de râguebi em ascensão num clube do Norte de Inglaterra exterioriza a angústia e as dúvidas que o atormentam através de uma violência crescente. Começa então a seduzir a senhoria, procurando encontrar no amor uma razão de ser. Com Richard Harris e Rachel Roberts.

Exibido a 15 (Sáb 21.30), 19 (Qua 21.30) e 31 de Agosto (Seg 16.00).

Publicidade

Tempestade na Jamaica

De Alexander Mackendrick, 1965, 103 min.

Anthony Quinn, James Coburn e Dennis Price são os principais intérpretes deste filme passado no século XIX. Um bando de piratas rapta um grupo de crianças que os pais, colonos na Jamaica, enviaram para estudar em Inglaterra, mas afeiçoam-se aos miúdos.

Exibido a 16 (Dom 16.30), 25 (Ter 19.00) e 29 de Agosto (Sáb 19.00).

Lições de Sedução

De Richard Lester, 1965, 85 min.

A Nova Vaga inglesa também teve comédias e esta, do autor dos dois primeiros filmes dos Beatles, é uma delas. Tolen (Ray Brooks) é um mulherengo de sucesso, e o ingénuo e desastrado Colin (Michael Crawford) vai-lhe pedir conselhos. Palma de Ouro em Cannes.

Exibido a 17 (Seg 21.30) e 21 de Agosto (Sex 16.00) e 1 de Setembro (Ter 16.00).

Publicidade

Ned Kelly

De Tony Richardson, 1970, 100 min.

Mick Jagger personifica o lendário fora da lei australiano, filho de imigrantes irlandeses, que fez a cabeça em água às autoridades britânicas no século XIX, tendo acabado na forca. Ned Kelly teve uma produção muito atribulada, mas acabou por ganhar algum culto.

Exibido a 20 (Qui 19.00), 26 (Qua 21.30) e 30 de Agosto (Dom 13.00).

Sábado à Noite, Domingo de Manhã

De Karel Reisz, 1960, 89 min.

Albert Finney é brilhante neste filme com argumento de Alan Sillitoe, adaptado do seu romance, fazendo o papel de um operário revoltado que anda com duas mulheres (Shirley Ann Field e Rachel Roberts) ao mesmo tempo. Uma é solteira mas a outra é casada e está grávida dele.

Exibido a 22 (Sáb 21.30), 28 (Sex 19.00) e 31 de Agosto (Seg 19.00).

Publicidade

Mentira Maldita

De Alexander Mackendrick, 1957, 96 min.

Uma denúncia do meio do jornalismo e das relações públicas. Burt Lancaster faz o mais poderoso cronista da imprensa nova-iorquina, que ordena a um agente de imprensa sem escrúpulos (Tony Curtis), que acabe com o romance da sua irmã com um músico de jazz.

Exibido a 23 (Dom 15.15) e 27 de Agosto (Qui 21.30) e 1 de Setembro (Ter 21.30).

Se...

De Lindsay Anderson, 1968

Um aluno (Malcom McDowell) de um colégio interno inglês lidera uma revolta devastadora contra o rígido sistema disciplinar e a direcção da instituição. Uma alegoria sobre a sociedade inglesa, feita no auge da incendiária década de 60. Palma de Ouro em Cannes.

Exibido a 24 (Seg 21.30) e 30 de Agosto (Dom 18.30) e 2 de Setembro (Qua 16.15).

Publicidade

Uma Gota de Mel

De Tony Richardson, 1960, 101 min.

A peça de teatro homónima de Shelag Delaney, co-argumentista, juntamente com o realizador, está na origem deste filme, que tem Rita Tushingham no papel de uma adolescente que sai de casa quando a mãe, uma alcoólica, volta a casar, vai morar com um amigo gay e engravida de um marinheiro negro.

Exibido a 29 de Agosto (Sáb 21.30) e 2 de Setembro (Qua 18.30).

Mais filmes que tem de ver

Os 100 melhores filmes de ficção científica de sempre

Filmes

O potencial cinematográfico (e não só) da ficção científica é quase infinito. É nestes filmes que os nossos maiores pesadelos podem tornar-se realidade e os nossos sonhos concretizar-se, ao mesmo tempo que é dito e posto em causa algo sobre o nosso presente. E o género sempre fez as delícias do público, desde o tempo dos efeitos especiais básicos e rudimentares dos filmes mudos ao excesso digital dos blockbusters contemporâneos. 

Os 100 melhores filmes de terror de sempre

Filmes

Escolher os melhores filmes de terror de todos os tempos é assustador, a todos os níveis. Sobretudo tendo em conta a atenção e adulação crítica que o género tem recebido em anos recentes. Ainda assim, quando chegou a altura de eleger os filmes mais assustadores de sempre, além dos críticos da Time Out, consultámos alguns especialistas e amantes do género. O resultado é uma lista variada e que inclui, inevitavelmente, algumas escolhas polémicas.

Publicidade

Os melhores filmes clássicos de sempre

Filmes

Comédias e westerns, policiais e melodramas, ficção científica e fantástico, sem esquecer o musical, há de tudo nesta lista preenchida com 75 dos melhores filmes clássicos. Nela encontramos obras de alguns dos melhores realizadores da história do cinema, como Buster Keaton, Fritz Lang, Akira Kurosawa, Ingmar Bergman, John Ford, Howard Hawks, Federico Fellini, François Truffaut, Jean-Luc Godard ou Luchino Visconti, entre muitos, muitos outros.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade