A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Learning to Skateboard in a Warzone (if you're a girl)
DRLearning to Skateboard in a Warzone (if you're a girl)

O Afeganistão em oito filmes muito diversos

A actualidade no Afeganistão está a marcar a agenda informativa. Escolhemos oito filmes imprescindíveis sobre o tema.

Escrito por
Eurico de Barros
Publicidade

Evitando o estereótipo do filme de guerra made in Hollywood, propomos aqui oito filmes sobre o Afeganistão. Foram realizados entre a década de 80 do século XX e os nossos dias e ajudam a perceber melhor a complexa situação naquele país, precisamente na altura em que os talibãs estão de regresso ao poder. Dois deles são assinados por um afegão e uma afegã, outro por um prestigiado realizador iraniano, Mohsen Makhmalbaf, e há ainda, entre outros, um documentário americano, Restrepo, premiado no Festival de Sundance, bem como uma animação francesa, As Andorinhas de Cabul, que se estreou recentemente em Portugal.

Recomendado: Cinema alternativo em Lisboa esta semana

‘A Besta da Guerra’, de Kevin Reynolds (1988)

Antes dos EUA e da NATO, os soviéticos estiveram a ocupar o Afeganistão, de onde foram expulsos sem honra nem glória. Este curiosíssimo filme de guerra americano passa-se em 1981, quando um tanque T-55 se perde da sua patrulha e começa a ser perseguido por um grupo de guerrilheiros afegãos que querem vingar o massacre da sua aldeia. Baseado numa peça de teatro, A Besta da Guerra dramatiza com muita eficácia as divisões e tensões entre os tripulantes do tanque, um dos quais é um intérprete comunista afegão que se vê posto entre a ideologia e as suas lealdades tribais. Jason Patrick, George Dzundza e Steven Bauer interpretam os papéis principais.

‘Kandahar’, de Mohsen Makhmalbaf (2001)

O prestigiado realizador iraniano Mohsen Makhmalbaf rodou parte deste filme em segredo, no próprio Afeganistão ainda governado pelos talibãs. A protagonista é Nafas (Nelofer Pazira), uma afegã que vive no Canadá e que recebe uma carta da irmã, que não conseguiu sair do Afeganistão por ter perdido as pernas num acidente com uma mina quando era pequena. A irmã diz que se vai suicidar na passagem de ano, e do século XX para o XXI, e Nafas volta clandestinamente à sua cidade natal de Kandahar, para a dissuadir de se matar. Makhmalbaf usa-a como testemunha daquilo que os talibãs fizeram ao Afeganistão, aos afegãos e em especial às mulheres.

Publicidade

‘Osama’, de Siddiq Barmak (2003)

Rodado após a intervenção americana e aliada no Afeganistão, e baseado num facto real, esta fita conta a história de uma rapariga de 12 anos que, após os talibãs terem tomado o poder, fingiu ser um rapaz chamado Osama para conseguir encontrar trabalho e sustentar a mãe e a avó. Só que os talibãs começam a arrebanhar todos os rapazes para lhes darem instrução militar. O realizador afegão Siddiq Barmak, cujos filmes anteriores foram todos destruídos pelos talibãs, usou apenas actores não-profissionais em Osama, incluindo a principal intérprete, Marina Golbahari, descoberta quando lhe pediu esmola numa rua de Cabul. A longa-metragem animada A Ganha-Pão, de Nora Twomey (2017), conta uma história semelhante.

‘Restrepo’, de Tim Hetherington e Sebastian Junger (2010)

Longe dos clichés dos filmes de guerra passados no Afeganistão, este documentário do jornalista americano Sebastian Junger e do fotojornalista inglês Tim Hetherington segue, durante um ano, o dia-a-dia de uma unidade americana colocada num dos vales estrategicamente mais importantes do Afeganistão, cujo base dá o título ao filme e homenageia um enfermeiro militar de origem colombiana morto pelos talibãs, Juan Sebastián Restrepo. Os realizadores captam a realidade crua da vida dos soldados naquela perigosa localização, do seu convívio quotidiano até aos combates, assim como os contactos e a confraternização com os habitantes locais. Restrepo ganhou o Prémio de Melhor Documentário no Festival de Sundance.

Publicidade

‘Forças Especiais’, de Stéphane Rybojad (2011)

Este é um raríssimo filme europeu (no caso, francês) sobre o conflito no Afeganistão, e cujo enredo poderia ser o de um western produzido em Hollywood. Diane Kruger é uma jornalista francesa que está em reportagem no Afeganistão e é raptada pelos talibãs, juntamente com o seu intérprete afegão. Ambos são levados pela as regiões tribais do Paquistão e um pequeno comando de seis soldados das Forças Especiais é enviado para os libertar. Benoît Magimel e Djimon Hounsou também interpretam este bom filme de guerra vertente “missão impossível”, realizado com verismo, nervo e desembaraço por Stéphane Rybojad.

‘I Am You’, de Sonia Nassery Cole (2019)

A realizadora afegã Sonia Nassery Cole fugiu para os EUA após a invasão soviética do seu país, onde se tornou também activista dos direitos humanos. Este filme, rodado no Afeganistão, na Turquia, na Grécia e na Alemanha, conta a história de três refugiados afegãos que atravessam quatro países para fugirem à tirania dos talibãs, à pobreza e à guerra. Massoud, o protagonista, quer cumprir o desejo que o pai lhe expressou antes de morrer: fugir do Afeganistão e chegar a um país para onde depois possa chamar a mãe e a irmã. E vai ser acompanhado na sua perigosa jornada por um idoso e uma médica grávida. Damla Sonmez, a actriz que a interpreta, foi mais tarde maltratada por radicais islâmicos por ter entrado num filme anti-talibã.

Publicidade

‘Learning to Skateboard in a War Zone (If You’re a Girl)’, de Carol Dysinger (2019)

Esta fita vencedora do Óscar de Melhor Curta-Metragem Documental dá-nos a conhecer a organização filantrópica Skateistan, que se instalou em 2007 em Cabul, para ensinar os rapazes e as raparigas dos bairros pobres da capital do Afeganistão a ler, escrever e também a andar de skate. A escola tem 398 estudantes, 41% dos quais do sexo feminino, e Carol Dysinger foca-se nas raparigas para realçar o seu entusiasmo, dedicação e coragem. Há também uma longa-metragem sobre esta escola, Skateistan: Four Wheels and a Board in Cabul (2011), do alemão Kai Sehr. Com o regresso dos talibãs ao poder no Afeganistão, o seu futuro está ameaçado.

‘As Andorinhas de Cabul’, de Zabou Breitman e Eléa Gobbé-Mévellec (2019)

Numa Cabul devastada e recém-ocupada pelos talibãs, que andam a prender e matar todos aqueles que eles pensam estar a contrariar ou a desafiar os seus fanáticos preceitos, os jovens apaixonados Mohsen e Zunaira tentam passar despercebidos e acreditar que o futuro pode ser melhor. Só que Mohsen comete uma terrível imprudência e as suas vidas vão mudar para sempre. Esta animação de longa-metragem francesa foi feita à base de aguarelas, baseia-se num livro da escritora Yasmina Khadra e é mais cerradamente realista e sombria do que muitos filmes de imagem real.

Mais que ver

Os 100 melhores filmes clássicos
  • Filmes

Comédias e westerns, policiais e melodramas, ficção científica e fantástico, sem esquecer o musical, há de tudo nesta lista preenchida com 100 dos melhores filmes clássicos. Nela encontramos obras de alguns dos melhores realizadores da história do cinema, como Buster Keaton, Fritz Lang, Ingmar Bergman, John Ford, Howard Hawks, Federico Fellini, François Truffaut, Jean-Luc Godard, Luchino Visconti ou Martin Scorsese, entre muitos outros.

Os 100 melhores filmes de terror de sempre
  • Filmes

Escolher os melhores filmes de terror de todos os tempos é assustador, a todos os níveis. Sobretudo tendo em conta a atenção e adulação crítica que o género tem recebido em anos recentes. Por isso, quando chegou a altura de eleger os filmes mais assustadores de sempre, além dos críticos da Time Out, consultámos alguns especialistas e amantes do género. O resultado é uma lista variada e que inclui, inevitavelmente, algumas escolhas polémicas.

Publicidade
Os 100 melhores filmes de ficção científica de sempre
  • Filmes

O potencial cinematográfico (e não só) da ficção científica é quase infinito. É nestes filmes que os nossos maiores pesadelos podem tornar-se realidade e os nossos sonhos concretizar-se, ao mesmo tempo que é dito e posto em causa algo sobre o nosso presente. E o género sempre fez as delícias do público, desde o tempo dos efeitos especiais básicos e rudimentares dos filmes mudos ao excesso digital dos blockbusters contemporâneos. 

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade