Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Os dez filmes da série "Halloween" revisitados
Halloween 1978

Os dez filmes da série "Halloween" revisitados

Já está nos cinemas "Halloween", de David Gordon Green, motivos para revisitarmos os dez filmes anteriores, desde o original de John Carpenter, rodado em 1978

Por Eurico de Barros
Publicidade

Quando em 1978 rodou Halloween – O Regresso do Mal e revolucionou o cinema de terror, John Carpenter decerto não pensaria que, 40 anos depois, estaria a produzir e a compôr a banda sonora do 11º filme da série, a continuação directa do original. E que Michael Myers, o assassino sobrenatural que é o fio condutor dos Halloween, se tornaria numa das grandes figuras mostruosas do género. Nenhum dos filmes que se seguiram a Halloween – O Regresso do Mal conseguiram estar à sua altura, mas houve alguns melhores que outros, como se pode constatar nesta revisitação de todos esses títulos.

Recomendado: Leia a crítica ao novo Halloween

Os dez filmes da série 'Halloween' revisitados

"Halloween – O Regresso do Mal", de John Carpenter (1978)

Originalmente intitulado The Babysitter MurdersHalloween – O Regresso do Mal tornou-se num fenómeno único do cinema de terror, veio dar nova energia ao género, e mais particularmente ao slasher movie. Transformou-se mesmo num dos filmes independentes mais lucrativos de sempre, revelou Jamie Lee Curtis e impôs John Carpenter como expoente de uma nova geração de realizadores de terror, fantástico e ficção científica (e também compositor das bandas sonoras dos seus filmes). E tudo isto com um magro orçamento de 300 mil dólares.

"Halloween II – O Grande Massacre", de Rick Rosenthal (1981)

John Carpenter aceitou apenas escrever o argumento desta continuação, com Debra Hill (igualmente produtora), que também tinha co-assinado o do filme original. Mas acabou também por filmar algumas cenas, por achar que a história precisava de mais terror. Aqui, enquanto Laurie Strode (Curtis) é internada, o Dr, Loomis (Donald Pleasence) e o xerife Brackett (Charles Cyphers) perseguem Michael Myers. A grande revelação desta parte II é que Laurie e Michael são irmãos.

Publicidade

"Regresso Alucinante", de Tommy Lee Wallace (1982)

Este terceiro filme pouco ou nada tem a ver com os dois anteriores, senão o passar-se no Halloween. Debra Hill e John Carpenter são os produtores, tal como naqueles, e a sua intenção era que a série desse origem a uma antologia de fitas de terror que tivessem como tema comum a noite de Halloween, com histórias, personagens e ambientes independentes. O fracasso comercial a crítico deste título pôs fim a esse projecto.

"Halloween 4 – O Regresso do Assassino", de Dwight H. Little (1988)

Dez anos depois dos acontecimentos do primeiro filme, Michael Myers está de volta a Haddonfield. Quer matar a sua sobrinha de sete anos, Jamie Lloyd (Danielle Harris) filha de Laurie Strode, e o Dr. Sam Loomis continua a tentar detê-lo por todos os meios. Este título que vê a série regressar às suas características originais não estava para incluir a personagem de Myers e ia ser uma história de fantasmas, mas o fracasso de Regresso Alucinante anulou essa ideia.

Publicidade

"Halloween 5 – A Vingança de Michael Myers", de Dominique Othenin-Girard (1989)

Michael Myers não desiste de matar a sua sobrinha, que ficou muda após os acontecimentos da parte IV, e semeia mais uma vez o pânico em Haddonfield. Danielle Harris e Donald Pleasence regressam aos papéis de Jamie Lloyd e do Dr, Sam Loomis. Ao contrário do filme anterior, este Halloween não teve boa recepção crítica nem comercial. Por esta altura, John Carpenter e Debra Hill já tinham vendido os direitos da série (fizeram-no antes da parte IV).

"A Maldição de Michael Myers", de Joe Chapelle (1995)

O Dr. Sam Loomis de Donald Pleasence (na sua derradeira aparição no papel), Tommy Doyle (Paul Rudd) e Michael Myers são as únicas personagens que restam, nasta parte VI, da fita original e das suas continuações. Em A Maldição de Michael Myers, uma rapariga e a sua família mudam-se para Haddonfield e vão viver para a casa de infância de Myers, que reaparece para perseguir aquela. O enredo desta sexta fita da série explica a imortalidade do assassino em série e a razão dos seus impulsos criminosos.

Publicidade

"Halloween H20: O Regresso", de Steve Miner (1998)

O sétimo filme da série Halloween, feito para assinalar os 20 anos do original de John Carpenter, reintroduz a personagem de Laurie Strode (Jamie Lee Curtis) na linha narrativa. Ela simulou que morria na parte IV, para se esconder de Michael Myers, e é agora a directora de um colégio particular na Califórnia. Mas Myers consegue reencontrá-la e o pesadelo recomeça para Laurie. Halloween H20: O Regresso foi considerado a melhor de todas as continuações da série feitas até então.

"Halloween – A Ressurreição", de Rick Rosenthal (2002)

Desta feita, foi Rick Rosenthal, realizador do segundo filme da série, quem regressou a casa, para assinar esta continuação de Halloween H20: O Regresso. Passados três anos após os acontecimentos daquele filme, Michael Myers entra na clínica psiquiátrica em que Laurie (Jamie Lee Curtis) foi internada e mata-a. No ano seguinte, um grupo de estudantes vai passar uma noite na casa de Myers, no âmbito de um reality show sensacionalista transmitido ao vivo na Internet.

Publicidade

"Halloween", de Rob Zombie (2007)

Este nono filme da série foi concebido como uma prequela, mas também um remake e uma reinvenção do filme de John Carpenter de 1978, com Malcom McDowell no papel do Dr. Sam Loomis, originalmente vivido por Donald Pleasence. Rob Zombie investiu também mais na história de Michael Myers, por achar que a personagem se tinha tornado familiar demais aos espectadores e era cada vez menos assustadora. A fita satisfez comercialmente, mas a maior parte dos críticos não gostou.

"Halloween II", de Rob Zombie (2008)

O décimo filme da série iniciada por John Carpenter 30 anos antes voltou a ser realizado por Rob Zombie, que o escreveu, tal como ao anterior, e é a continuação deste. Laurie Strode (Scout Taylor-Compton, que já havia desempenhado o papel no Halloween de 2007) vive agora com a família do xerife Brackett, tendo passado 10 anos sobre o sucedido em Halloween. O Dr. Loomis vai lançar um livro sobre ela e Michael Myers, que volta a entrar em cena e a perseguir Laurie, que o consegue matar, mas pagando caro esse feito.

Os melhores filmes de terror

Os 100 melhores filmes de terror de sempre

Filmes

O cinema de terror é monstruoso. Destratado, incompreendido e alvo de virulentos ataques críticos, consegue ainda assim andar para a frente, deixado um rasto de destruição no seu caminho. Para alguns, os filmes de terror são pouco melhores do que pornografia, preocupando-se apenas em gerar uma reacção no público – seja horror, desassossego ou repugnância – e sem tempo a perder com aspirações mais elevadas. Para outros, são filmes que se vêem bem, engraçados até: uma oportunidade de gritar e/ou rir dos pesadelos alheios. Mas quem presta atenção reconhece que a história do terror é uma história de inovação e inconformismo cinematográfico, um lugar onde ideias perigosas podem ser exprimidas, técnicas radicais exploradas, e onde realizadores afastados da corrente dominante conseguem ter impacto cultural. Se o cinema tiver um inconsciente, um lugar escuro de onde emergem novas ideias, trémulas e deformadas, tem de ser o terror. A verdadeira questão é: quais são os melhores filmes de terror? Depois de consultarem um painel de actores, realizadores, argumentistas e fãs do género, os críticos da Time Out elegeram os 100 melhores filmes de terror de sempre. 

The Thing (1982)
The Kobal Collection

Os melhores filmes de terror na Netflix

Filmes Terror

A história do cinema de terror já vai longa. Desde o início do século XX que dezenas de realizadores, desde grandes mestres como Alfred Hitchcock a heróis de culto como George Romero, expandem e redifinem os limites do género. E esta amplitude referencial e estética está bem patente na nossa lista dos 100 melhores filmes de terror de sempre. A oferta de filmes de terror na Netflix ainda é limitada, mas estão lá clássicos como Gritos, de Wes Craven, A Mosca, de David Cronenberg, ou Veio do Outro Mundo, de John Carpenter. E não só. 

Publicidade

Dez filmes fantásticos e de terror que ganharam Óscares

Filmes

Não está na tradição da Academia de Hollywood distinguir com Óscares o cinema da fantasia e do sobrenatural. Mesmo assim, ao longo das décadas, vários filmes fantásticos e de terror têm sido recompensados, quase sempre nas categorias secundárias. Mas há excepções.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade