Óscares 2018: os palpites dos críticos da Time Out Lisboa

Os críticos Eurico de Barros e Rui Monteiro partilham os seus palpites sobre os grandes vencedores da 90ª edição dos Óscares, que serão conhecidos este domingo à noite (ou madrugada de segunda-feira) no Dolby Theatre, em Los Angeles.
89th Oscars, Academy Awards
Image Group LA / ©A.M.P.A.S.
Publicidade

Não perca o nosso Especial Óscares 2018

Três Cartazes
©Merrick Morton

É favor não meterem água

A Academia é conhecida pela sua aversão a comédias e por não costumar ligar muito ao cinema fantástico, de terror e de ficção científica, que costuma ser distinguido nas categorias técnicas e secundárias. (Fenómenos como a vitória com pleno de Óscares de O Senhor dos Anéis: O Regresso do Rei, em 2004, são excepções que sublinham a regra a traço grosso.) E logo no ano em que a Academia decide dar 13 nomeações a um título do género, elas foram na direcção errada, para o mal amanhado, inverosímil, simplista e tendencioso A Forma da Água, de Guillermo Del Toro.

Há mais e muito melhor cinema, para onde quer que se olhe, da escrita à realização e às interpretações, em Três Cartazes à Beira da Estrada, de Martin McDonagh, Linha Fantasma, de Paul Thomas Anderson, e em Dunquerque, de Christopher Nolan, que ficaram todos atrás da fita de Del Toro em número de nomeações.

A haver um mínimo de justiça (que também costuma ser muito variável nos Óscares), as principais estatuetas deveriam ser distribuídas por Três Cartazes à Beira da Estrada e Linha Fantasma. Sem esquecer o fenómeno Lady Bird – A Hora de Voar, de Greta Gerwig, através do Óscar de Melhor Actriz Secundária, e com os de Filme Estrangeiro e Animação a irem para O Quadrado, e para Coco, da Pixar, aquele a desafiar o politicamente correcto, este a elogiar a tradição através da mais avançada animação digital.

Não metam é água (a de Del Toro).

Lista Fantasma
©DR

Melhor Filme

Linha Fantasma, de Paul Thomas Andersen

Publicidade
Linha Fantasma
©DR

Melhor Actor

Daniel Day-Lewis, em Linha Fantasma

THREE BILLBOARDS OUTSIDE OF EBBING, MISSOURI
Merrick Morton

Melhor Actriz

Frances McDormand em Três Cartazes à Beira da Estrada

Publicidade
Paul Thomas Anderson
Photo : Laurie Sparham / Focus Features

Melhor Realizador

Paul Thomas Anderson, por Linha Fantasma

Three Billboards Outside Ebbing, Missouri

Melhor Argumento Original

Três Cartazes à Beira da Estrada, de Martin McDonagh

Publicidade
O Quadrado

Melhor Filme Estrangeiro

O Quadrado - Suécia

Laurie Metcalf
Photograph: Courtesy Corey Nickols

Melhor Actriz Secundária

Laurie Metcalf em Lady Bird – A Hora de Voar

Publicidade
Courtesy of Twentieth Century Fox.

Melhor Actor Secundário

Sam Rockwell em Três Cartazes à Beira da Estrada

MOLLY'S GAME
Courtesy of STXfilms

Melhor Argumento Adaptado

Jogo de Alta Roda, de Aaron Sorkin

Publicidade
COCO
Pixar

Melhor Filme de Animação

Coco, da Pixar

Linha Fantasma
Photo Courtesy of Focus Features

E a palavra-chave é... representação

Houve um momento em que a cerimónia de distribuição de Óscares deixou de ter o cinema como tema. Foi ao tempo. É difícil precisar. Todavia aconteceu, e ganhou fôlego até ser um desapontamento quando alguém não parte a louça. Terá sido quando o desfile de moda na passadeira vermelha se tornou um acontecimento em si? Ou se calhar por motivos menos mundanos, quando Marlon Brando protestou contra o tratamento dos índios americanos enviando a activista apache Sacheen Littlefeather explicar o porquê? Ou foi na altura em que Vanessa Redgrave chamou “punhado de arruaceiros sionistas” a um grupo de judeus que protestavam contra o seu apoio à causa palestiniana? Ou quando Meryl Streep…

Seja qual for a data, no ano em que Sean Penn clamou pelos direitos da comunidade gay, o protesto dos vencedores e a ironia, quando não o sarcasmo em estado puro de alguns apresentadores, eram a normalidade. De certo modo, uma imagem de marca. Assim será na 90ª oscarização pelas razões que toda a gente conhece e vêm fazendo o seu caminho ao longo da temporada de prémios. Resta saber a forma, mas é certo. Pois em causa estão igualdade e representação, isto é, direitos fundamentais para os quais, digamos, o protestantismo estelar está particularmente mobilizado; pelas melhores razões, aliás.

É chato a atenção estar desfocada em ano em que a qualidade dos filmes quase iguala a sua diversidade estética e temática. Porém, bem vistas as coisas, nem isso interessa. Importa é que ganhem os nossos filmes, os nossos realizadores, as nossas actrizes e os nossos actores… Né? 

Lista Fantasma
©DR

Melhor Filme

Linha Fantasma, de Paul Thomas Andersen

Publicidade
Linha Fantasma
©DR

Melhor Actor

Daniel Day-Lewis, em Linha Fantasma

Courtesy of Twentieth Century Fox.

Melhor Actriz

Frances McDormand em Três Cartazes à Beira da Estrada

Publicidade
Photo : Laurie Sparham / Focus F

Melhor Realizador

Paul Thomas Anderson, por Linha Fantasma

Três Cartazes à beira da estrada

Melhor Argumento Original

Três Cartazes à Beira da Estrada, de Martin McDonagh

Publicidade
O Quadrado
©DR

Melhor Filme Estrangeiro

O Quadrado - Suécia

MUDBOUND
Netflix

Melhor Actriz Secundária

Mary J. Blige, em Mudbound – As Lamas do Mississípi

Publicidade
Willem Dafoe in The Florida Project

Melhor Actor Secundário

Willem Dafoe, em The Florida Project

MUDBOUND
Netflix

Melhor Argumento Adaptado

Mudbound – As Lamas do Mississípi, de Virgil Williams e Dee Rees

Publicidade
A Paixão de Van Gogh
©DR

Melhor Filme de Animação

A Paixão de Van Gogh

Mais Óscares

Filmes

Óscares: dez discursos polémicos

O escândalo rebentou, as denúncias multiplicaram-se e a onda de contestação e apoio assaltou Hollywood com a hashtag #metoo à cabeça. Nos Globos de Ouro já se ouviram discursos fortes, como o de Oprah, e a passadeira vermelha fez-se em tons de negro como forma de protesto. É por isso de esperar discursos controversos na cerimónia dos Óscares deste ano, que acontece a 4 de Março. 

Filmes

Óscares: sete bandas sonoras invulgares

Alguns, como John Williams, alinham Óscares uns atrás dos outros com grandiloquência. Outros, como Nino Rota ou Henri Mancini, são mais discretos. E Ryuchi Sakamoto, então, cria ambientes como poucos, ou talvez só como Max Steiner outrora o fez. Sete exemplos excepcionais e bastante distintos seguem já a seguir. São bandas sonoras inesquecíveis – e premiadas pela Academia de Hollywood com o Óscar. 

Publicidade
Filmes

Os filmes que ganharam mais Óscares

No dia em que foram anunciadas as nomeações para a cerimónia de 2018, dizemos-lhe quais os filmes com o maior número de estatuetas no currículo. Titanic, Ben-Hur, a terceira parte da trilogia O Senhor dos Anéis ou West Side Story-Amor sem Barreiras estão entre os filmes recordistas de Óscares na história do cinema. 

Publicidade