Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Sete filmes críticos de Hollywood rodados em Hollywood
Barton Fink
DR Barton Fink

Sete filmes críticos de Hollywood rodados em Hollywood

Com 'Mank' em exibição na Netflix, fomos buscar um punhado de filmes em que Hollywood faz a sua autocrítica.

Por Eurico de Barros
Publicidade

Mank, de David Fincher, já disponível na Netflix, retrata o célebre argumentista Herman J. Mankiewicz, que escreveu O Mundo a Seus Pés, de Orson Welles, e inclui-se naquele género de filmes críticos da indústria do cinema americano, que são ambientados nessa mesma indústria e saem do seu interior. Seleccionámos aqui sete outros títulos rodados desde a década de 50 em que Hollywood faz o seu acto de contrição e se flagela a si própria, com maior ou menor ferocidade, e assinados por cineastas tão distintos, variados e premiados como Billy Wilder, Vincente Minnelli, John Schlesinger ou Robert Altman.

Recomendado: Todos os filmes de Quentin Tarantino, do melhor ao pior

Sete filmes críticos de Hollywood rodados em Hollywood

‘O Crepúsculo dos Deuses’, de Billy Wilder (1950)

Contado em flashback pela personagem de William Holden, que está morta, O Crepúsculo dos Deuses é uma obra-prima entre os filmes críticos ou desencantados sobre Hollywood. Holden faz um argumentista sem trabalho e endividado que se torna no amante e gigolô de uma estrela do cinema mudo esquecida (Gloria Swanson), que vive reclusa com o seu mordomo e motorista, comprometendo-se a escrever-lhe o filme que a fará voltar à tela em triunfo. Buster Keaton, Erich von Stroheim e Cecil B. DeMille também aparecem neste grande filme de ambiência fantasmagórica e decadente.

‘Cativos do Mal’, de Vincente Minnelli (1952)

Kirk Douglas tem um dos seus melhores papéis odiosos neste filme de Vincente Minnelli, onde interpreta um produtor ambicioso e sem escrúpulos, que usa todos à sua volta, nomeadamente um realizador, uma actriz e um argumentista que lhe são próximos e fiéis, para chegar ao topo de Hollywood. Cativos do Mal é o precursor de todos os filmes duramente críticos da Meca do Cinema que foram feitos posteriormente, ambientados nela e saídos do seu interior.
Publicidade

‘O Dia dos Gafanhotos’, de John Schlesinger (1975)

Baseado no livro de Nathanael West, que trabalhou em Hollywood como argumentista nos anos 30, experiência que usou como base para o escrever, O Dia dos Gafanhotos segue um jovem (William Atherton) que arranja emprego num estúdio de Hollywood como director artístico, e um punhado de pessoas falhadas, aproveitadoras ou inescrupulosas que o rodeiam, em especial uma candidata a actriz (Karen Black). O filme pinta, com tintas apocalípticas um retrato de pesadelo de Hollywood e daqueles que vivem na indústria do cinema ou gravitam em seu redor.

‘Barton Fink’, de Joel e Ethan Coen (1991)

Nos anos 40, um dramaturgo nova-iorquino idealista e progressista chamado Barton Fink é atraído para Hollywood para escrever filmes, e vai deparar-se com um mundo boçal, superficial, a roçar o absurdo e cheio de gente que estranha, não conseguindo escrever uma linha. John Turturro desempenha o papel principal desta comédia satírica dos irmãos Coen, que carregam nas tintas grotescas e alucinatórias, e não poupam nem o seu ingénuo, desesperado e auto-torturado herói.

Publicidade

‘O Jogador’, de Robert Altman (1992)

Escrito pelo argumentista Michael Tolkin com base no seu livro The Player, este filme permitiu a Robert Altman, que tinha bastantes queixas de Hollywood, ajustar algumas contas com a indústria cinematográfica que o destratou, e que é aqui implacavelmente satirizada de alto a baixo no modelo de narrativa “coral” que o realizador tanto cultivou. Tim Robbins dá vida a um produtor ameaçado de morte por um argumentista cujo script rejeitou. Só que ele não faz ideia de qual se trata, já que deu o mesmo tratamento a muitos.

‘A Comédia dos Infiéis’, de George Huang (1994)

Buddy Hackerman, a personagem que Kevin Spacey interpreta nesta comédia, é um muito sério candidato a mais tirânico, insensível e insuportável produtor de Hollywood já representado no cinema. Que o diga o sofredor Guy, o seu jovem e cândido assistente (Frank Whaley), que o atura até não poder mais, e acaba por o raptar e torturar. Spacey é fenomenal no papel do cruel e escarninho Hackerman. O título original é bem mais sugestivo do que o português: Swimming With Sharks.

Publicidade

‘Pânico em Hollywood’, de Barry Levinson (2008)

O registo de comédia gozona foi o escolhido por Barry Levinson para troçar do sítio onde ganha o pão, em parceria com o veterano produtor Art Linson, que assina o argumento do filme, adaptado do seu livro What Just Happened. Robert De Niro é Ben, o alter ego de Linson, um produtor que quer levar o seu novo filme ao Festival de Cannes e tem que enfrentar uma série de problemas profissionais e familiares, bem como os egos de vários dos envolvidos na fita e mais o director do estúdio em que foi feita.

Mais cinema

Os 100 melhores filmes de terror de sempre

Filmes

Escolher os melhores filmes de terror de todos os tempos é assustador, a todos os níveis. Sobretudo tendo em conta a atenção que o género tem recebido em anos recentes, à custa de obras como Foge ou Hereditário. Parece que, depois de anos nas margens, o cinema de terror está a passar por um momento de adulação crítica.

Os 100 melhores filmes de comédia de sempre

Filmes

Qualquer lista de melhores filmes de comédia de sempre é discutível (mas qual é que não é?), que isto do humor varia muito de pessoa para pessoa. Então como é que se escolhem os 100 melhores? Com seriedade e abrangência. E consultando peritos com piada, desde cómicos a actores, realizadores e escritores.

Publicidade

Os 100 melhores filmes de ficção científica de sempre

Filmes

O potencial cinematográfico (e não só) da ficção científica é quase infinito. É nestes filmes que os nossos maiores pesadelos podem tornar-se realidade e os nossos sonhos concretizar-se, ao mesmo tempo que é dito e posto em causa algo sobre o nosso presente. A pensar nisso, elegemos os 100 melhores filmes de ficção científica.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade