Sete filmes eróticos e de SM a sério

Esqueça o erotismo chocho e o sadomasoquismo bem-comportado de "As Cinquenta Sombras Mais Negras". Eis sete filmes clássicos do género que deram que falar, causaram controvérsia e até foram proibidos

A Secretária

As Cinquenta Sombras Mais Negrassão para meninos. O Porteiro da Noite, História de O, A Dama do Prazer ou A Pianista foram rodados entre os anos 70 e o início do século XXI, e são quatro dos sete filmes eróticos e de temática SM que entraram para a história do cinema pela sua ousadia e qualidade. 

Sete filmes eróticos e de SM a sério

O Porteiro da Noite, de Liliana Cavani (1974)

Um dos filmes mais genuinamente incómodos já feitos, ou não fosse assinado pela habitualmente controversa Liliana Cavani. Charlotte Rampling é uma sobrevivente dos campos de concentração alemães da II Guerra Mundial que reencontra, a trabalhar como porteiro num hotel de Viena, o antigo oficial das SS (Dirk Bogarde) com o qual teve uma tão doentia como brutal relação sadomasoquista no campo, relação essa que é reatada. As reacções da crítica a O Porteiro da Noite foram do aplauso pelo tratamento corajoso do tema num contexto muito delicado, até à execração mais veemente, por “sensacionalismo pornográfico” ou “exploração do Holocausto”.

História de O, de Just Jaeckin (1975)

O realizador de Emmanuelle foi o responsável pela adaptação ao cinema do célebre romance erótico escrito pela escritora e jornalista francesa Pauline Réage (pseudónimo de Anne Cécile Desclos) em 1954. Uma jovem fotógrafa de moda (Corinne Cléry), a “O” do título, é levada pelo seu amante a uma casa de campo onde é submetida a uma série de humilhações e rituais sexuais e sadomasoquistas, servindo como moeda de troca daquele pelas dívidas que tem para com o proprietário. Tal como sucedeu com o livro, e apesar de Just Jaeckin se manter sempre dentro dos limites do erotismo softcore, História de O foi violentamente atacado pelos movimentos feministas.



Publicidade

A Dama do Prazer, de Barbet Schroeder (1975)

Olivier, um ladrão manhoso (Gérard Depardieu), assalta a casa de uma dominadora profissional, Ariane (Bulle Ogier), que lhe propõe que ele fique como assistente dela. Olivier aceita e vai ficando pouco a pouco obcecado por Ariane, acabando por se apaixonar por ela, mas nunca se habituando à sua actividade de dominadora. A Dama do Prazer pode ser visto como uma história de amor insólita, passada num ambiente de sexualidade desviante e pesada, onde Barbet Schroeder filma cenas de submissão e tortura bastante gráficas em nome do realismo. O que não impediu o filme de ser proibido no Reino Unido, nem de levar o “X” de “pornográfico” nos EUA.


Os Frutos da Paixão, de Shuji Terayama (1981)

Este filme do escritor, fotógrafo e cineasta de vanguarda japonês Shuji Terayama baseia-se em Regresso a Roissy, a continuação de História de O, de Pauline Réage, sendo a acção agora situada na China. A jovem “O” (Isabelle Illiers) é posta pelo seu amante, o rico e poderoso Sir Stephen (Klaus Kinski), num bordel chinês, para que, submetendo-se passivamente a uma série de experiências e de torturas sexuais e sadomasoquistas, como parte do treino para se tornar numa prostituta competente, prove a extensão do seu amor por aquele. O filme tem um pano de fundo político, envolvendo uma revolta da população chinesa mais desfavorecida contra os europeus.

Publicidade

Ata-me!, de Pedro Almodóvar (1990)

Uma comédia negra e de costumes de Almodóvar, com um registo obviamente mais ligeiro do que a grande maioria dos outros filmes mainstream que tratam de relações de dominação e de práticas sadomasoquistas. Antonio Banderas interpreta Ricky, um homem sem família que recebe alta de um hospital psiquiátrico. Obcecado por Marina (Victoria Abril), uma ex-actriz de filmes pornográficos com a qual foi para a cama uma vez, quando ainda estava internado e fugiu da clínica, Ricky aprisiona-a no seu apartamento e tenta convencê-la a casar com ele e ter filhos. O elemento sadomasoquista é aqui utilizado essencialmente com fins cómicos e de sátira a este tipo de práticas.

A Pianista, de Michael Haneke (2001)

Triplamente premiado no Festival de Cannes (Grande Prémio, Melhor Actriz e Melhor Ator), este filme de Michael Haneke transpõe para a tela o livro homónimo da sua compatriota Elfriede Jelinek, passado em Viena. Erika, uma dotada pianista e professora de piano (Isabelle Huppert, nomeada para os Óscares 2017), quarentona e solteira, vive sob o domínio da mãe e entrega-se a uma série de comportamentos sexuais desviantes, praticando também a automutilação. Walter, um dos seus alunos (Benoit Magimel), sente-se atraído por ela, mas também chocado pelas suas fantasias sexuais e práticas sadomasoquistas, que Erika insiste em concretizar com ele. Um intenso e duro retrato da perversidade sexual extremada e no feminino.

Publicidade

A Secretária, de Steven Shainberg (2002)

James Spader e Maggie Gyllenhaal são os intérpretes desta comédia dramática sobre um advogado excêntrico, Edward, que contrata para sua secretária, Lee, uma rapariga que teve alta de uma clínica psiquiátrica e possui capacidades intelectuais muito acima do que o emprego exige. Lee é extremamente passiva e invulgarmente obediente, aturando sem se queixar as irritações, exigências e minudências do seu patrão. Pouco a pouco, e entre algumas situações ridículas e desajeitadas, vai-se estabelecendo uma relação de dominador e dominada entre ambos, até que Edward e Lee acabam por se envolver sentimentalmente. Embora ela tenha um namorado, e uma relação convencional com este.

Mais filmes a não perder

Sete cenas românticas clássicas do cinema

Beijos assolapados, traições, finais trágicos. O cinema está cheio de cenas de amor inesquecíveis e estas sete derretem os corações mais insensíveis e fazem chorar as pedras da calçada. 

Ler mais
Por Eurico de Barros

Os melhores filmes gay

Pedro Almodóvar, Gus van Sant, Wong Kar-wai, Kimberly Peirce e Ang Lee: a história dos filmes gay é feita de alguns dos grandes nomes do cinema. Descubra os melhores entre os melhores do género queer na Sétima Arte e repare como um mundo nos separa hoje do que era o cinema homossexual nos anos 90 do século passado.

Ler mais
Por Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

Sete filmes mais românticos que os filmes românticos

Criar uma boa história de amor é uma incógnita. Na vida, que vem sem argumento, é esperar e ver no que dá. Na ficção, por seu lado, é imaginar e fazer. Não é simples, por fina ser a linha entre romantismo e xaropice. Porém há realizadores que conseguem evitar as armadilhas e quebrar o mais empedernido coração – com estilo. Estes sete filmes românticos são a prova disso. 

Ler mais
Por Rui Monteiro

Comentários

0 comments