"Soldado Milhões": guerra de trincheiras em Alcochete

No centenário da batalha de La Lys, vestimos a farda e fomos ouvir Jorge Paixão da Costa e Gonçalo Galvão Teles, realizadores de ‘Soldado Milhões’, o primeiro filme português passado na I Guerra Mundial.

Se exceptuarmos de curtas-metragens documentais mudas da altura, e de um bocadinho do filme João Ratão, de Jorge Brum do Canto (1940), a participação portuguesa na I Guerra Mundial não tem expressão no cinema nacional (aliás, o cinema português e a História de Portugal têm-se cruzado muito poucas vezes).

Esta semana, estreou-se aquele que é o primeiro filme sobre os portugueses na Grande Guerra, assim como um raro filme bélico nacional. Soldado Milhões, de Jorge Paixão da Costa e Gonçalo Galvão Teles, conta a história do transmontano Aníbal Augusto Milhais, que durante a batalha de La Lys, a 9 de Abril de 1918, armado com a sua metralhadora “Luisinha”, cobriu a retirada dos seus camaradas do CEP (Corpo Expedicionário Português), enfrentando sozinho sucessivas vagas de soldados alemães, antes de, dias depois, reencontrar o seu pelotão e ter salvo um médico militar escocês de morrer afogado.

O feito valeu a Milhais ser condecorado com a Torre e Espada, sendo o único soldado raso português a tê-la recebido desde a sua criação, e a alcunha de “Soldado Milhões”, dada por um superior, que disse ele chamar-se "Milhais mas valer por milhões".

Rodado em vários locais, incluindo Valongo, a aldeia natal de Milhais, e no Campo de Tiro de Alcochete, onde foram recriadas as trincheiras portuguesas de La Lys, Soldado Milhões passa-se em dois tempos: na Flandres, em 1918, entre as tropas do CEP, das quais faz parte o jovem Milhais (João Arrais), e 25 anos mais tarde, em Valongo, onde o encontramos, já com família constituída, e personificado por Miguel Borges, a perseguir um lobo que lhe mata as ovelhas, acompanhado pela filha mais nova, Adelaide.

Jorge Paixão da Costa, um dos dois autores da fita, com Gonçalo Galvão Teles, contou à Time Out como nasceu este projecto: “Ele apareceu nesta forma há cerca de 5, 6 anos. O José Jorge Letria tinha gostado de A República, uma série que fiz para a televisão e sugeriu-me que a seguir devia pensar na I Guerra Mundial. Contou-me então a história do Milhões e praticamente fez-me o filme. E depois, o António Torrado, que escreve livros infantis, disse-me que a bisneta do Milhões é a Mafalda Milhões, que tem uma livraria em Óbidos, onde conta histórias a crianças. Fui lá e ela apresentou-me alguns familiares, caso dos tios-avós, um filho do Milhões e a filha, Adelaide. O guião final foi escrito pelo Mário Botequilha, mas tive outros parceiros de escrita antes dele. O que eles escreveram e nós tínhamos pensado era um bocadinho ambicioso, no sentido de ser caro demais. A partir daí, passámos a desenvolver este argumento. Tínhamos um realizador e continuei a acompanhar o projecto, sendo uma espécie de padrinho. E com a ajuda e muito mérito do Gonçalo, conseguimos fazer uma coisa digna, que não tem características miserabilistas.”

Pandora da Cunha Telles, a produtora de Soldado Milhões, insistiu que Paixão da Costa se mantivesse ligado ao projecto, e por isso o filme tem dois realizadores. Gonçalo Galvão Teles, por seu lado, teve a sua primeira obra, um telefilme para a SIC, produzido por António da Cunha Telles, o pai de Pandora, há quase 20 anos; e dá aulas de Cinema na Universidade Lusófona há dez anos, onde é colega de Paixão da Costa. Assim, diz, Soldado Milhões “foi basicamente um encontro, um triângulo perfeito. Durante os 23 dias de rodagem, entre meados de Julho e Agosto de 2017, eu e o Jorge praticamente não tivemos de discutir nada. Cada qual fazia o seu trabalho e quando juntávamos ideias, tudo fluía naturalmente. Nunca houve uma divisão estanque e tivemos talvez dois ou três momentos em que víssemos as coisas de forma diferente. Este filme é um filme nosso. Não há uma parte dele e outra minha.”

Entre as dificuldades que a produção da fita encontrou, destaca-se a inexistência de fardas usadas pelos soldados do CEP. E a metralhadora Lewis que Milhões usa é uma réplica feita em Inglaterra. “Veio como adereço e depois metemos-lhe cá um motor para funcionar”, explica Paixão da Costa. E continua: “Quanto às fardas, eu tinha lido que as dos nossos soldados na I Guerra Mundial eram feitas de um tecido que, quando chovia, empapava e ficava tipo papelão. Não sabíamos que tecido era esse, devia ser a lã mais barata que eles encontraram. Quando fizemos provas de guarda-roupa, ficámos satisfeitos, porque não há fotos a cores desse tempo, só a preto e branco. Visualmente, as nossas eram aceitáveis e as texturas pareciam correctas.”

 

Publicidade

A escolha dos dois tempos narrativos para contar a história de Aníbal Milhais reflecte a falta de dinheiro para fazer um filme todo ele passado nas trincheiras da Flandres, mas também a vontade dos realizadores de mostrar a personagem “já madura, trazendo consigo as recordações do conflito. Interessava-nos mostrar o que lhe tinha acontecido depois”, explica Galvão Teles. Paixão da Costa e Galvão Teles chegaram a discutir a hipótese de Milhais ser interpretado só por um actor, e aproximar mais as duas épocas em que o filme se passa. “Mas ambos gostámos muito do casting do João Arrais”, conta Gonçalo. “Vimos muitas semelhanças físicas com o Miguel, soubemos que eles já tinham trabalhado juntos e juntámo-los antes da rodagem, para se trabalhar a continuidade da personagem entre os dois. E eles criaram uma empatia que ajudava à identificação de ambos como um só”.

Quanto a Miguel Borges, “que descobrimos ser um grande entusiasta desta época, que estuda e já trazia com ele um entusiasmo sobre ela e sobre o Milhões”, foi escolhido “quase ao mesmo tempo” por Paixão da Costa e Mário Botequilha, quando discutiam “quem poderia ser Milhões com 40 anos”.

 

Os dois realizadores não poupam elogios à equipa do filme, em que recorreram a efeitos digitais “sem que se note nenhuma costura no resultado final”, como salienta Galvão Teles; nem aos actores, que tiveram “uma pequena recruta” como parte da preparação para a rodagem. “ Eles foram formidáveis, aguentaram a rodagem metidos naquelas fardas desconfortáveis e nas trincheiras, em dias em que o calor passou os 40 graus. Esta nova geração de actores, para além do talento, tem um grande traquejo, muita naturalidade e à-vontade, porque eles começam a fazer televisão e filmes ainda muito jovens”, comenta Jorge.

Gonçalo Galvão Teles insiste: “Houve um cuidado muito grande a fazer este filme. Independentemente das condições de rodagem, das dificuldades e de termos um orçamento abaixo do orçamento médio da cinema português, toda a equipa fez um grande trabalho, até ao nível da pesquisa e da reconstituição. Havia um dossier de produção que circulava, com todas as referências, das trincheiras, das armas, das fardas.” E Paixão da Costa remata: “Fizemos um filme de guerra, coisa que parecia impossível em Portugal.” 

Publicidade

Mais cinema

Filmes em cartaz esta semana

Tanto cinema, tão pouco tempo. Há filmes em cartaz para todos os gostos e feitios. Das estreias da semana aos filmes que, semana após semana, continuam a fazer carreira nas principais salas. Saiba que filmes estão em que cinemas, e quando é que os pode ver. E, se não souber o que escolher, leia as nossas críticas.

Ler mais
Por Editores da Time Out Lisboa

Cinema alternativo em Lisboa esta semana

Pode ver aqui os filmes em cartaz esta semana, mas algumas pérolas do cinema escapam às grandes salas. Esta semana, as coordenadas do cinema alternativo em Lisboa passam pela Cinemateca, Centro Cultural de Belém e Museu do Dinheiro.

Ler mais
Por Rui Monteiro
Publicidade

Comentários

0 comments